Categorias
Sem categoria

Racismo no Carrefour: “Negra desgraçada, eu vou quebrar a sua cara!”

Enfermeira afirma ter sofrido ofensas raciais depois de tentar trocar um aparelho telefônico com defeito. Diante de ameaças de agressão, segurança do Carrefour teria dito: “Negra desgraçada, eu vou quebrar a sua cara!”

A enfermeira Sonia Maria Lofredo abriu representação criminal contra o Carrefour, nesta terça-feira (06). Ela afirma ter sofrido ofensas raciais depois de tentar trocar um aparelho telefônico com defeito. O fato ocorreu na loja que funciona no Shopping Eldorado, na cidade de São Paulo.

Por ter o pedido negado, a enfermeira atirou o aparelho contra o chão e se retirou. Ela relata que o gesto fez a vendedora dizer “a nega está maluca”. Ao perceber a ofensa, Sonia retornou e espalhou no ar os panfletos de publicidade da loja. Um dos agentes de segurança se aproximou e deu início aos constrangimentos.

“Ele falava baixo, tomando cuidado para que os outros não ouçam: ‘sua negra desgraçada, eu vou quebrar a sua cara!’ E dava socos no ar, que passavam a milímetros do meu rosto. Aí, eu peguei o meu filho, subi as escadas rolantes e fui seguida por seguranças por três lances de escada até que eles me obrigaram a ir para uma salinha.”

Sônia estava acompanhada pelos filhos de 10 e 12 anos e um amigo das crianças, e teve de esperar na salinha até a chegada da Polícia. Como se recusou a entrar na viatura com os menores, foi escoltada até em casa e de lá seguiu para a delegacia sob a acusação de ter agredido uma funcionária.

Sonia revela que, não tendo provas que sustentassem a acusação, representantes do Carrefour decidiram não registrar ocorrência.

“Sendo negro, você já está acostumado a ouvir coisas do tipo ‘neguinha’. Agora, quando isso passa a permear suas relações de consumo, quando você deixa de ir a determinados lugares por receio de sofrer violência pela tua cor, é sinal de que a gente está vivendo numa sociedade sectária.”

Segundo o advogado Dojival Vieira, o caso – ocorrido em 13 de janeiro – foi registrado como suspeita de ameaça, injúria racial, constrangimento ilegal, violação de dois artigos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), denunciação caluniosa e falsa comunicação de crime.
Fonte: Radioagência NP

Categorias
Sem categoria

PSOL PEDE AO MPE INVESTIGAÇÃO CONTRA DENEVAL DIAS

O Partido Socialismo e Liberdade de Poá (PSOL) protocolou nesta segunda-feira, dia 05, pedido no Ministério Público Eleitoral (MPE) de Poá para investigação sobre a regularidade do mandato do Vereador Deneval Dias do Nascimento (PRB), Presidente da Câmara Municipal. O requerimento aponta a condenação do parlamentar no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) e pede verificação se o político tem de largar imediatamente a função, caso esteja inelegível segundo a Lei 135/2010, a Ficha Limpa.

Em 21 de março de 2011, Deneval Dias foi condenado por improbidade administrativa em julgamento ocorrido no TJ/SP. O recurso impetrado por seus advogados contra a decisão de primeira instância foi provido em parte, mas mantendo condenação ao réu. O processo 0016584-47.2005.8.26.0462 transitou em julgado em 26 de abril de 2011

Segundo a Juíza de Direito Cristina Inokutti, no julgamento do caso no Fórum de Poá, em 06 de Outubro de 2009, “a falta de publicidade dos atos administrativos e a não submissão do contrato administrativo ao procedimento licitatório revelam ofensa aos princípios da Administração Pública, nos termos do art. 37 da Constituição Federal. Ressalto que estas condutas são caracterizadas como atos de improbidade, de acordo com os incisos IV e V, art.11, da Lei 8429/1992”

Para o Professor Carlos Datovo, Presidente do Diretório Municipal do PSOL, todos os políticos que tenham pendência na justiça precisam ser reavaliados. “Após a decisão do Superior Tribunal Federal (STF) sobre a constitucionalidade da lei, é importante verificar caso a caso, quem é ou não Ficha Suja. Caso esteja inelegível, tem de sair do mandato, como diz a Lei Ficha Limpa.

A Lei 135 de 04 de junho de 2010, conhecida como Ficha Limpa em seu Art 1º, Inciso I, letra “e”, item 1, trata de inelegibilidade daqueles que forem condenados por crimes contra a administração pública. Quando houver condenação por um órgão colegiado, o político fica inelegível e a Justiça Eleitoral tem de cancelar o diploma daquele que esteja exercendo mandato. Diante disso, o PSOL solicitou investigação sobre o caso e agora aguarda a manifestação do MPE.

Psol de Poá

Diretório Municipal

Categorias
Sem categoria

Escola de ensino infantil volta a ser alvo de pichações racistas em São Paulo

Por Fernando Knup

EMEI Guia Lopes volta a ser alvo de pichações racistas
A escola, que vem se destacando pelo valoroso trabalho de aproximação com país, alunos, ex-alunos e toda a comunidade acabou sendo novamente vítima de pichações dos que prezam uma única cor. Localizada no bairro do Limão, zona norte da cidade de São Paulo, O EMEI Guia Lopes acordou na manhã deste último sábado (3), com novas marcas de intolerância. Com suásticas, cruz celta e exaltação a ‘raça’ branca alguns radicais picharam a escola que atende crianças de 3 a cinco anos da região.
Estava marcado para esse sábado uma das rodas de conversa temáticas bimestrais realizadas entre corpo docente e pais para discutir temas relevantes ao convívio das crianças, neste encontro a temática do racismo e da diversidade foram novamente colocados em pauta com o título de “Encontro contra os desencontros”. Segundo professores da escola, que atende crianças de 3 a 5 anos, as atividades são guiadas pelas diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais (link: http://www.uel.br/projetos/leafro/pages/arquivos/DCN-s%20-%20Educacao%20das%20Relacoes%20Etnico-Raciais.pdf) , que tem o objetivo de corrigir injustiças, eliminar discriminações e promover a inclusão social e a cidadania para todos no sistema educacional brasileiro, o que tem promovido a ira de grupos de extrema direita locais.
A roda costuma contar com presenças especiais, como grupos de rap, de reggae e outros grupos culturais. O encontro deste sábado contou com a participação do Movimento AnarcoPunk, grupo que realiza atividades relacionadas ao respeito as diferenças e em memória as vítimas da intolerância e que já havia participado do multirão de grafitagem da escola após as pichações realizadas por esse mesmo grupo no ano passado.
Muito simpática e orgulhosa da escola a diretora Cibele Racy afirmou que a EMEI é alvo dessas práticas graças ao trabalho de levantar temas relevantes para alunos e pais, entre eles as relações étnicas e raciais. “A escola fica em evidência por essas coisas (as pichações), mas na verdade o problema é que o trabalho que nós realizamos aqui é muito sério. Esse ano nós vamos ampliar nosso foco de trabalho, queremos um trabalho multirracial, por que temos alunos filhos de imigrantes bolivianos, orientais, negros, brancos, não fazemos apologia ao negro, trabalhamos a diversidade cultural. As crianças e os pais tem um carinho pela escola e é isso que nós queremos resgatar, essa relação da família com os professores e com a comunidade, queremos resgatar esse lado.”
Segundo um dos representantes do grupo AnarcoPunk, essas pichações são realizadas por grupos que praticam outros atos de violência pela cidade. “Essas pichações foram feitas por skinheads, que costumam usar esses símbolos como a suástica, a cruz celta. Ao resgatar o ensinamento da cultura negra e da diversidade, batendo nessa tecla contra o preconceito, automaticamente estes grupos racistas intolerantes se sentem incomodados. A gente vê o ato covarde quando uma escola onde só tem criança é alvo desses grupos, achando que estão fazendo terrorismo ao pichar. Aqui só tem crianças, a maioria dos professores são mulheres, tem funcionários negros. Nós acreditamos em um mundo onde caibam vários mundos, que tenha o respeito as diferenças, que seja contra o preconceito.”


No próprio bairro é fácil encontrar outras pichações deixando claro que existem grupos radicais no local. Na chegada a escola um morador removia uma suástica pichada na porta de sua mecânica, seguida dos dizeres “Orgulho Branco”, “apareceu essa madrugada, agente apaga porque senão podem pensar que fui eu que fiz” dizia o responsável pela mecânica que não quis se identificar por medo de represálias.

Segundo Johnny “esses grupos estão organizados, por isso se tornou frequente todo fim de semana ataques contra negros, moradores de rua, homossexuais, rappers, imigrantes, não é somente uma ganguezinha, eles tem apoio de políticos, eles tem costa quente, são filhos de pais ricos, que tem dinheiro pra advogado, por isso eles agem, por saber que a justiça não vai depor contra eles, eles fazem porque sabem que vão ficar impunes. Hoje eles picham, amanhã esfaqueiam um professor, matam a diretora, a mídia coloca como briga de gangue, temos que abrir o olho pra essas coisas, e onde localizarmos esses grupos denunciarmos, informar aos amigos, para não corrermos o risco de sermos as próximas vítimas.”


Questionada sobre como o trabalho da escola é prejudicado com essas ameaças, a diretora deixa claro que essas ações acabam aumentando a aceitação dos pais de alunos que entendem a importância do trabalho do corpo docente. “Apesar desse tipo de situação, agente só se fortalece.” , diz ela.
A escola já havia sido vítima de outras pichações de caráter racista no dia 16 de novembro de 2011, uma das pichações deixa clara a oposição ás práticas de ensino da escola com a frase ‘vamos cuidar do futuro de nossas crianças brancas’ acompanhada de uma suástica, um dos principais símbolos utilizados pelos adeptos da ideologia nazista.

Após as pichações, a escola organizou um mutirão de grafitagem no muro, permitindo que as crianças, moradores do bairro e grupos que discutem o estímulo a diversidade e o combate a intolerância interagissem e dessem o colorido as paredes da escola que tanto temiam os vândalos envolvidos nessas ações.

Um vídeo produzido pelo grupo AnarcoPunk que se solidarizou com os funcionários da escola pode ser visto por esse link: (http://www.youtube.com/watch?v=IO5KS_nDOyE&list=UUcmGd-_0bqvS1yHOvNh27Vg&index=5&feature=plcp) , mais sobre o trabalho da escola pode ser acompanhado através do blog (http://emeiguialopes.blogspot.com/)


Categorias
Sem categoria

Garoto de 15 anos é atingido por bala de policiais e perde o olho

Um adolescente que voltava para casa por volta das 21h, em São Miguel, na zona leste de São Paulo, parou para conversar com um amigo, próximo à um carro que tocava música alta, quando policiais da Força Tática chegaram atirando. Vinícius foi atingido no olho direito e perdeu a visão após o globo ocular ter explodido.

Os policiais acusados de terem disparado contra os jovens já deram duas versões para o fato ocorrido, no primeiro Boletim de Ocorrência, os tiros não foram mencionados. Já no segundo disseram disseram que atiraram no chão e que o garoto teria sido atingido por um homem que usava um estilingue.

A Polícia Técnica investiga a bala que ficou presa no olho do estudante, mas segundo testemunhas a versão do adolescente está correta, e acusam PMs de racismo, inclusive outro jovem diz ter sido atingido pela bala de borracha nas costas, mas não registrou B.O por medo de represálias.

Veja o vídeo:
http://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/?c=16783&t=Garoto+de+15+anos+e+atingido+por+bala+de+policiais+e+perde+o+olho