Categorias
Educação Popular

Rede Ubuntu promove 1ª Feira de Profissões na periferia de São Paulo

Uma Feira de Profissões na zona sul de São Paulo, espaço símbolo das periferias da cidade, organizado por professores, estudantes e profissionais do próprio território.

Neste próximo dia 7 de julho de 2019, estudantes e profissionais de diversas áreas do conhecimento, participam da 1ª Feira de Profissões da Rede Ubuntu. O evento acontece no CEU Capão Redondo, das 9 às 17 horas.

Durante todo os visitantes terão acesso aos stands das principais universidades do estado, palestras sobre os processos seletivos das principais instituições do país e rodas de conversa com especialistas de diversas áreas de pesquisa e o que esperar dos mais diversos cursos. Será um momento para inspirar os vestibulandos, ajudando-os na decisão de suas futuras carreiras. O encerramento do dia ficará por conta do Sarau Apoema, do Jardim Ângela.

A atividade é aberta e toda comunidade pode participar! Para se inscrever e ficar por dentro da programação, basta acessar: www.even3.com.br/feiradeprofissoesredeubuntu

Sobre a Rede Ubuntu

A Rede Ubuntu é um projeto socioeducativo que desde 2014 atua nas periferias da zona sul de São Paulo e de Itapecerica da Serra, promovendo formação para os interessados no ingresso do ensino superior, em especial jovens.

 

Por meio deste trabalho, centenas de jovens já conquistaram oportunidade de ingresso em universidades.

 

Outro importante compromisso da Rede Ubuntu é com a formação cidadã dos estudantes. A própria existência do projeto se dá porque no Brasil, o ensino público básico e médio em geral é sucateado e pouco valorizado pelos governantes, o que coloca setores populares da sociedade em desvantagem na disputa do acesso às poucas vagas em universidades públicas, que por sua vez, acabaram se consolidando como espaços de privilégio para classe média e rica.

 

O trabalho é baseado na filosofia UBUNTU, uma filosofia universal que compreende que cada ser humano só o é por meio do outro, que nossa condição humana é uma existência coletiva, e que por isso todas as nossas atitudes devem ser PELO COLETIVO E PARA UM BEM COMUM.

 

Conheça mais da Rede Ubuntu: https://www.facebook.com/cursinhoubuntu/

Participe de nossa programação:

Serviço:

Domingo – 7 de julho de 2019

CEU Capão Redondo

Rua Daniel Gran, s/n — Jardim Modelo, São Paulo

#FeiradeProfissões

#RedeUbuntu

Categorias
prisão Segurança Pública

Seminário discute a luta de famílias pelo fim das prisões

 

 

De Amparar

 

Nos dias 4 e 5 de julho, na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, acontece o I Seminário Internacional organizado pela AMPARAR (Associação e Familiares e Amigos de Presos e Presas), com apoio da Conectas, Frente Estadual pelo Desencarceramento-SP, Fundo Brasil de Direitos Humanos, IBCCRIM, ITTC, NESC, Pastoral Carcerária Nacional, Kilombagem e SAJU Cárcere. O tema do evento demarca claramente o seu horizonte político: “Resistência das familiares: do sofrimento à luta pelo fim das prisões.”

Nesses dois dias, representantes de organizações de familiares de pessoas presas da Argentina, Brasil e Estados Unidos – com a colaboração de parceiros do campo jurídico e dos direitos humanos – partilharão suas experiências organizativas e o acúmulo prático e teórico que construíram ao longo de anos no solo saturado de sangue e lágrimas do sistema prisional. É com luto e sofrimento, mas também com solidariedade e resiliência, que essas familiares forjaram suas armas políticas para enfrentar esta realidade.   

Esse encontro, portanto, não nasce de uma estéril curiosidade acadêmica, mas da urgência que brota da necessidade de se enfrentar um inimigo que não conhece fronteiras nacionais e se enraíza em organizações de esquerda e direita. As políticas penais de extermínio, como a infame “guerra às drogas”, a propagandeada política de “tolerância zero” e a crescente mercantilização da pena, atravessam todo o continente, deixando incontáveis vítimas pelo caminho e rasgando ainda mais as veias expostas da América. 

Dos centros do capitalismo global partem as diretrizes mais sofisticadas dessa política, mas é a periferia desse sistema que fornece o insumo humano que mantém acesas as caldeiras da indústria do encarceramento em massa. Basta olhar com atenção e veremos que as populações que enchem as prisões do Norte são as mesmas que abarrotam os calabouços do Sul: descendentes dos povos da diáspora africana e das populações nativas do continente, aos quais se juntam massas crescentes de excluídos de uma sociedade de mercado instável e darwinista. Gueto, favela, quebrada, cadeia e rua cada vez mais tornam-se, em qualquer idioma, termos intercambiáveis que designam os mesmos territórios onde esses sujeitos vivem expostos à morte.

Sobretudo, esse seminário marca o necessário protagonismo definitivo dessas familiares, que habitam a terra sem nome entre o lar e o sistema prisional. São elas – nem presas, nem livres – os sujeitos capazes de costurar os elos entre esses e outros espaços e tramar formas de resistência insubmissas e incolonizáveis. Mais do que nunca, é hora de ouvirmos as vozes dessas mulheres que se levantam pelo fim das prisões. Como disseram os presos rebelados na Penitenciária de Attica (NY), em 1971, que seja apenas o som que precede a fúria dos oprimidos!

 

Expediente:


Evento: Resistência das familiares: do sofrimento à luta pelo fim das prisões.
Dias: 4 e 5 de julho
Local: Salão Nobre da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo
Programação: https://www.facebook.com/events/398435847426849/