Categorias
Hip-Hop

Aparecido da Silva lança clipe refletindo sobre relacionamentos tóxicos

Em um trap sexy e romântico, Aparecido da Silva divulga videoclipe de “Gosti”. A faixa, que faz parte do seu recém-lançado EP, “Vem Dançar Comigo”, reflete sobre relacionamentos tóxicos de uma maneira contemporânea e indireta, expressando os altos e baixos de uma ligação verdadeira. 

“Quando estamos envolvidos há muito tempo, em uma mesma história, o que é importante vai ficando em segundo plano e isso é um baita erro. Temos que persistir no amor, sabe? Essa é a real mensagem”, destaca o músico contratado pelo selo Estúdio da Lua Records.

Assinando a produção dessa track, com beats modernos de hip hop, Claudio Costa. A versão audiovisual foi dirigida por Greta Helena.

Veja e ouça:

Categorias
Hip-Hop

Jovens do Grajaú criam o projeto de rap independente “Grajauventude”

Longe dos holofotes da música pop e dos rios de dinheiro que correm no trap, o rap das ruas respira por aparelhos e quer mostrar sua força.

Situado no extremo sul de São Paulo, o distrito do Grajaú é conhecido, entre outras coisas, pela sua falta de aparelhos culturais. Um lugar onde a mão do estado chega apenas em sua forma repressora. Os jovens que conhecem bem essa realidade decidiram expressá-la da melhor maneira: o rap.

Cada vez mais distante do povo que é retratado em suas letras, o rap vem se acomodando nos braços da elite e de uma classe média branca e despolitizada. Pensando nisso, os MCs Henrique Madeiros, Riaj, TG e a MC Ariel, todos moradores do Grajaú, criaram o projeto Grajauventude.

Assista o primeiro clipe do cypher agora!

Conbeça mais sobre quem faz o Grajauventude!

Riaj

Riaj tem como sua marca registrada a participação nas batalhas de rima ou as famosas rinhas de mc’s. Batalhou pela primeira vez no final do ano de 2016 e conseguiu sua primeira folha (vitória) na Batalha da Rossevelt. Apesar da pouca idade, Riaj, 18 anos, coleciona cerca de 60 folhas, já representou a batalha do Grajaú Rap City em disputas regionais por 2 anos e também já disputou o regional pela batalha da Roosevelt.

Riaj tem como referências Tito JV e o cantor Rashid. Ele luta por uma maior presença de negros e negras dentro das batalhas, pois acredita que muitas pessoas não entendem que o rap e a cultura Hip Hop são movimentos culturais negros.

Ariel

A única mulher desta edição, Ariel tem 18 anos e mora no Parque América, bairro do Grajaú. Fã da cultura Hip-Hop desde os 8 anos, começou a escrever com 10 anos e entrou para as batalhas de rima com 17. Hoje ela integra o Team GRC (Grajaú Rap City) e coleciona 5 vitórias em batalhas. Ariel faz parte da banca GRAJATLANTA que reúne os melhores do trap do Grajaú. Suas rimas trazem reflexões e representatividade para mulheres que observam e  possuem interesse em fazer freestyle ou músicas dentro do Hip Hop.

Sua intenção é conquistar espaço e visibilidade para mulheres, para que a desigualdade de gênero seja quebrada nessa cultura que ainda é muito machista. No mês de Setembro, ela entra em estúdio e gravará o clipe do seu primeiro single solo. A faixa intitulada “Green” mistura trap e R&B.

TG

Thiago Pereira Segatto, vulgo TG, 16 anos, é morador do Grajaú e o caçula desta edição. Mesmo com pouca idade, suas rimas trazem reflexões fortes e jogam álcool nas feridas expostas da sociedade, buscando sempre dar voz aos excluídos.

TG prefere rimar no estilo boombap, ritmo pelo qual debutou no rap com a primeira letra que escreveu aos 11 anos. Com 14 anos, lançou sua primeira música com produção própria.

Hoje atuante como MC, ele integra o coletivo “The True”, que surgiu em 2017, originalmente como uma batalha que eram realizadas na praça do Mirna, na região do Grajaú. A batalha durou até meados de 2019 para que seus integrantes pudessem focar em suas carreiras musicais.

 

Henrique Madeiros

Henrique Madeiros, 19 anos, é cantor e morador do Jardim 7 de Setembro, na região do Grajaú. Com um olhar lírico sobre a realidade à sua volta, despertou para o RAP e para a poesia aos 16 anos.

Assíduo em diversos saraus, slams e batalhas da região, Henrique integra o Sarau Despertar que tem como objetivo usar a poesia e o grafite como ponto de partida para debater questões como LGBTQ+ e transexualidade na quebrada e abuso sexual. No Sarau, além de contribuir para a promoção do debate, Henrique Madeiros também recita suas próprias poesias e recentemente lançou um Zine intitulado “Fúria”, com poesias próprias. O Zine foi lançado na edição passada do Sarau Despertar e segue com distribuição gratuita.

Fã de RAP nacional desde a infância, cresceu escutando diversos grupos entre eles A286Inquérito, GOG e Facção Central, sendo este último sua maior referência, principalmente na figura de Eduardo Taddeo. Henrique Madeiros foi o criador e articulador do projeto Grajauventude.

Categorias
Resistência Violência Policial

Operação da PM tem arbitrariedade e violência em ocupação de moradia popular em Palmas (TO)

Texto: Carol Azevedo

No último domingo, 15, a Polícia Militar agiu com truculência e arbitrariedade para esvaziar uma ocupação urbana na quadra 905 sul (Arso 92), na cidade de Palmas, Tocantins. Seis pessoas foram detidas, includindo militantes do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM), por tentaram ajudar um homem vítima de prisão arbitrária. O local havia sido desapropriado pelo poder público para abrigar um conjunto habitacional, programa do governo Federal Minha Casa Minha Vida, mas foi recuperado através de uma disputa judicial entre o Estado do Tocantins e o antigo proprietário, como relatou o advogado do movimento, Cristian Ribas.

Pelo Plano Diretor de Palmas, a área deve ser destinada à construção de habitações populares. Em nota a Secretaria da Infraestrutura, Cidades e Habitação (Seinf), alega que a obra de construção de 272 apartamentos foi retomada recentemente e segue com um novo cronograma. O residencial faz parte do programa Pró-Moradia, e segundo a Secretaria já existem famílias pré-selecionadas aguardando a entrega dos imóveis.

Sobre a operação

Por volta de 3h, 400 famílias ligadas ao Movimento ocuparam uma área na Avenida LO 23, do Plano Diretor Sul da Capital. A Polícia Militar (PM) chegou aproximadamente às 10h do domingo e fechou um acordo com os ocupantes, segundo o qual eles poderiam se concentrar em determinada área da propriedade. Poucos minutos depois, o proprietário da área foi visto circulando pela quadra e ateando fogo em outros pontos do terreno.

Wesley Vieira, um dos ocupantes que estava no local acordado com a PM, saiu de lá para, segundo os moradores, resgatar sua moto, que seria atingida pelo fogo ateado pelo então proprietário. O ocupante conduziu sua moto por menos de 30 metros quando foi abordado por cerca de 10 policiais, que o prenderam, por conduzir sem capacete. Outros ocupantes saíram em sua defesa e foram agredidos e autuados pela polícia.

A assistente social Eutália Barbosa, o diretor da União Nacional dos Estudantes (UNE), Guilherme Barbosa, e o ex-vereador e coordenador estadual do MNLM no Tocantins, Bismarque Miranda, foram detidos por desacato e resistência assim que tentaram amparar Wesley. Beatriz Gonçalves. A esposa de Wesley, que pediu para acompanhá-lo e foi levada na viatura, acabou recebendo ordem de prisão na delegacia. O casal foi detido sob acusação de esbulho possessório*, assim como Bismarque Miranda.

O advogado Lucas Naves ao acompanhar a condução dos detidos e das detidas à delegacia em seu carro particular também foi preso e algemado, sem respeitar as prerrogativas do exercício da sua função, sob alegação de direção perigosa. Após as prisões, a PM seguiu intimidando os ocupantes na área. Os seis detidos (as) foram liberados na noite do domingo e respondem às acusações em liberdade.

Foi uma operação violenta, truculenta e de criminalização dos movimentos sociais. Uma vez que não havia nenhuma ordem judicial de reintegração de posse, o que caracteriza, naquele contexto, uma prisão absolutamente arbitrária.”, relatou o advogado Cristian Ribas.

Em nota, a Polícia Militar informou que compareceu ao local para negociar a desocupação e que usou a força “devido à resistência e desacatos proferidos pelos manifestantes”. Quanto ao uso de força excessiva e arbitrariedade, o Comando de Policiamento da Capital disse que analisará as imagens para apurar ilegalidades. Já a Secretaria de Comunicação Social do Estado (Secom) afirmou que as imagens da ação na ocupação que circulam nas redes sociais serão apuradas pela PM no intuito de “averiguar quaisquer ilegalidades”.

Em vídeo, após ser liberado, Bismarque afirma que a reivindicação é ocupar os 400 lotes já divididos na quadra, que está há treze anos abandonada pelo Estado do Tocantins: “vamos fazer com que a terra urbana cumpra sua função social aqui em Palmas. Porque moradia é direito de todos e dever público do Estado”.

*Esbulho possessório: Crime contra o patrimônio consistente em invadir terreno ou edifício alheio, com o intuito de adquirir a posse.

Categorias
Movimento Negro Sem categoria

Contra política de Bolsonaro, Coalizão Negra do Brasil vai aos EUA denunciar violações de direito

Texto: Lucas Veloso do Alma Preta

Entre os dias 11 e 13 de setembro, a Coalizão Negra por Direitos participou do Congresso Black Caucus, em Washington DC. O encontro reuniu congressistas afroamericanos, políticos e lideranças negras de todo os EUA.

A Coalizão foi representada por Sara Branco, advogada do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades, Douglas Belchior, da Uneafro Brasil, e Juliana Góes, ativista de Direitos Humanos.

Segundo a organização, o intuito da comitiva brasileira foi buscar apoio contra as violações de direitos humanos praticadas com as pessoas negras.

Para Sara, o principal apoio que o grupo recebeu foi do deputado Henry Hank Jonhson Jr. “O democrata está preocupado com a defesa dos direitos humanos da população negra, não só a norte-americana, mas também a população afro-latina”, pontuou.

O parlamentar chegou a gravar um vídeo onde manifesta apoio à população quilombola de Alcântara, no Maranhão. Ele defendeu que a Constituição Federal brasileira deve ser respeitada. “Esse tipo de apoio, em um momento crítico como o que estamos vivendo, é de extrema importância”, define Sara.

A advogada reforça que a situação das pessoas negras no Brasil não foi um debate neste congresso, mas que o assunto deveria ser discutida pelos afroamericanos. Neste sentido, ela entende que a Coalizão Negra tem o papel de provocar a reflexão e denunciar internacionalmente as violações de direitos humanos que a população negra enfrenta no Brasil.

“Infelizmente a discussão sobre os negros brasileiros ainda não aconteceu, mas de modo geral, existe uma preocupação e uma atenção para o que está acontecendo no país, principalmente agora, sob a administração de Jair Bolsonaro”, define. “A realidade vivida pela população negra brasileira ainda está muito invisibilizada no debate e isso diz muito sobre a desigualdade”, crítica Sara.

Assista ao vídeo do encontro aqui:

Categorias
Hip-Hop Sem categoria

Yannick Hara lança single questionando a lógica do consumo

O rapper e performer Yannick Hara acaba de divulgar a inédita música “Caótico/Distópico”.  A faixa integra uma série de lançamentos que antecedem o próximo disco do rapper. Intitulado  “O Caçador de Androides”, o álbum tem lançamento agendado para novembro. 

Nessa track, movimentada pelo caos rumo à distopia que é o cotidiano atual, Hara reflete sobre a vida dos personagens Deckard (Blade Runner-1982) e K. (Blade Runner-2049). Na primeira parte, “Caótico” é, então, o desejo de anarquizar, sair da lógica de trabalho e consumo. Já na segunda, Distópico atinge o limiar da existência. 

Yannick Hara já lançou o EP “Também Conhecido Como Afro Samurai”, baseado em um mangá e anime para ocupar seu lugar de fala dentro da música. Agora, em 2019, se inspira na obra do escritor Philip K. Dick, “Androides Sonham Com Ovelhas Elétricas?”, que originou a franquia Blade Runner, para protestar contra a alta tecnologia e baixa qualidade de vida que assola a humanidade em direção ao futuro distópico.

Produzido por Blakbone nos estúdios da Live Station, o single inspira-se nos anos 80, carregando um visual gótico e pós-punk. Do começo ao fim, projeto tem tom provocativo, intenso e perturbador.

Ouça: