Categorias
Meios de Comunicação e Racismo

Faculdade Cásper Líbero demite docente envolvido em caso de racismo

(Foto: Divulgação)

Por Redação

Em um espaço que deveria ser de aprendizado e acolhimento, a estudante Bárbara Sereno, que está no segundo ano do curso de Publicidade e Propaganda na Faculdade Cásper Líbero, sofreu um caso de racismo dentro do ambiente acadêmico. De acordo com o relato da estudante negra e dos colegas de classe, o (a) docente disse que “não existia racismo no Brasil” e ainda tentou tocar no cabelo de Bárbara. A atitude resultou em uma demissão.

Segundo nota divulgada pelo coletivo negro da instituição, o AfriCásper, a situação começou quando o (a) professor (a) falou a seguinte frase aos alunos: “Quando fui para a Croácia fazer uma especialização, as pessoas de lá acharam que eu era mulato(a) por ser brasileiro(a), mas quando cheguei, eles ficaram desapontados porque eu era ‘normal’”, disse.

Ainda na aula, uma aluna estava com o álbum de figurinhas da Copa do Mundo aberto na seleção da Nigéria, e o (a) docente falou aos alunos que estava surpreso (a) com o fato de o time ter um jogador branco, o zagueiro Leon Balogun. Em seguida, questionou como um dos jogadores negros penteava o cabelo: “Como que ele penteia esse cabelo? Isso aí deve ser um ninho!”, caçoou.

No final da aula, Bárbara e um grupo de alunos foram conversar com o (a) professor (a) para expressar o incômodo que sentiram com as falas ofensivas. Como resposta, ele (a) apontou que os alunos não tinham interpretado corretamente seus comentários e que “no Brasil não existe racismo”.

Após a estudante deixar a sala, o (a) docente foi até a porta e questionou se Bárbara estava chateada com ele (a). A aluna respondeu “não”, mas disse que “estava decepcionada, já que ele (a) era um (a) professor (a) e comunicador (a) e deveria dar o exemplo e tomar cuidado com o que fala”. Com a justificativa de que não era uma pessoa racista, o (a) docente ainda tentou tocar no cabelo da estudante, alegando que sempre quis “tocar no cabelo de um negro”.

Em nota, a Faculdade Cásper Líbero declarou que repudia atitudes discriminatórias e preconceituosa, independente do local que ela ocorra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code