Categorias
Violência Policial

Lucas pediu ao PM: “Não precisa me matar, senhor”

Por Douglas Belchior

O Estado, os governos, os políticos e a polícia, o que esperar deles? Cumprimento das leis constitucionais? Preocupação com o bem comum? Respeito aos direitos humanos? Ou, ao contrário, o incentivo, a conivência e a prática de crimes? Pois continuam, como há 515 anos, fazendo do povo negro e periférico, alvo de sua violência e covardia, bem como registra abaixo a /PONTE.

 

grajau_enterro_lucas-4

 

Fonte /PONTE, por Claudia Belfort, Luís Adorno e Rafael Bonifácio

“Antes de matar ele, o cara segurou no cangote dele [de Lucas], ele falou para não matar ele e ele matou. Ele pegou ajoelhou, algemado, [disse] não precisa me matar, senhor….”

Dois garotos que  jogavam bola com Lucas Custódio, 16 anos, minutos antes de ele ser assassinado por PMs na tarde de quarta-feira, no Grajaú, contradizem a versão dos policiais sobre o crime. João e Hélio (nomes fictícios) disseram que viram quando os policiais dominaram Lucas, que estava desarmado, e que o levaram algemado para o matagal atrás da favela Sucupira, onde foi assassinado com dois tiros pelos PMs. Segundo as testemunhas, Lucas pediu para não ser morto.

“Antes de matar ele, o cara segurou no cangote dele [de Lucas], ele falou para não matar ele e ele matou. Ele pegou ajoelhou, algemado, [disse] não precisa me matar, senhor….”, contaram os garotos. Eles fizeram a denúncia à reportagem da Ponte durante o enterro do jovem, realizado no Cemitério Jardim São Luiz, nesta sexta-feira, 29/05.

 

Na versão do tenente Flávio Augusto Godoy e do cabo Aparecido Domingues Vieira, ambos do 27o. Batalhão da Polícia Militar (BPM),ao perceber a presença de policiais, Lucas fugiu em direção a um matagal. Lá ele teria atirado contra os policiais, que revidaram, atingindo-o com dois tiros.

O caso aconteceu às 14h25, mas os PMs demoraram 5 horas para comunicar a morte às autoridades da Polícia Civil. A família de Lucas, chegou ao DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoa) antes mesmo dos policiais. Segundo, Robson Gomes, irmão de Lucas e pastor da Igreja Universal, os policiais acusaram o adolescente de ter roubado um carro. “Mas Lucas não sabia dirigir”, contou Pastor Robson.

Vídeo

O ouvidor das polícias de São Paulo, Julio Cesar Neves, disse que o fato precisa ser rigorosamente apurado e que vai pedir que o Ministério Público entre no caso.

Se você não sair agora, vou dar um tiro bem na sua barriga, matar você e seu filho

Quatro moradores da Favela Sucupira, onde a PM matou a tiros Lucas Custódio, 16 anos, relatam terem sido ameaçados e espancados por policiais logo após o crime

Moradores da favela Sucupira, no Grajaú, onde Lucas Custódio, 16 anos, negro, morto a tiros por policiais militares, na tarde do dia 27/05, relatam que foram perseguidos, ameaçados e espancados por PMs após o crime. Muitos contam que se trancaram em casa, outros não escaparam. A reportagem da Ponte gravou em vídeo relato de quatro pessoas agredidas, entre elas uma grávida e um menino de 13 anos.

 

“A gente estava xingando, aí o policial chegou e falou assim: ‘sai do meio, sai do meio’, eu peguei e falei: ‘eu não vou sair’, ele falou: ‘sai, se não vou atirar’… Aí ele disse: ‘se você não sair agora vou dar um tiro bem sua barriga, vou matar você e seu filho’”.

“Eles me pegaram na viela, nos estava jogando bola, já vieram me batendo, falando um monte de coisa da minha mãe, falando que eu ia morrer…Aí começaram a me encher de soco e me amarram com um enforca gato [braçadeira plástica] e falaram para mim sentar, mas se eu sentasse ia quebrar minha mão toda, porque eles enforcaram até o último, eu estava quase até desmaiando. Eu falei que tinha 13 anos, ele falou: cala boca, eu não quero nem saber”.

C. , 47 anos, moradora

“Eu subindo a rua, um policial olhou pra mim e falou ‘o que você tá olhando?’. Eu falei ‘nada, eu só tô te olhando’. Ele olhou pra mim e falou da seguinte forma: pra não ficar olhando pra ele porque ele é bonito, mas que se eu quisesse dar pra ele, eu dava depois…E veio um policial pelas minhas costas e me deu uma bicuda. Aí um outro policial me agarrou e tentou me levar pra dentro do beco pra continuar me batendo, mas eu continuei brigando com o policial, me arrastando para a rua, enquanto eles tentavam me arrastar pra dentro do beco.”

Qualquer pessoa que chega aqui eles agride. Pegou o menino ali …Pega os moradores e leva lá para baixo para bater, para espancar o pobre das crianças. O menino que acabou de chegar da igreja também foi apanhado. O outro também foi pegado lá embaixo para bater. Isso é abuso de poder, gente.

7 respostas em “Lucas pediu ao PM: “Não precisa me matar, senhor””

Meu Deus do céu, esse povo é muito educado.. se batesse no meu filho ou ameaçasse minha mulher grávida… Fala isso no nordeste pra ver oque eles respondem.

Sr. negrobelchior.. Que texto maravilhoso, comovente. Fiquei até emocionado com tanto sofrimento de todas essas vítimas da truculência policial. Vejamos que qualquer cidadão que tenha o convívio de rua sabe que isso não passa de um sensacionalismo enorme. Faltou eles relatarem o que acontece quando a viatura chega na comunidade e é tratada como inimiga mortal, com provocações xingamentos, isso quando não é recebida a bala. Falar dos direitos humanos é fácil, difícil mesmo é combater o crime em um Estado falido com população nível 5 mundo. O governo deixa a desejar em saúde, educação, moradia, etc.. “A polícia é o reflexo da sociedade” Não adianta colocar a população negra e pobre como vítima da polícia pois todos nós somos vítimas de um governo omisso.. Dê graças a Deus que a polícia ainda não está omissa, pois quando isso acontecer você não terá história pra contar e tudo isso vai virar um caos eterno. Quem quer o bem de seu país, valoriza a polícia e não faz apologia ao crime.

Caro cidadão.
Esse seu discurso também de falso moralista não agrada ninguem. Logo, reconhecemos um policial tanto em sua fala como em sua escrita. Voces acham que “todos” são idiotas e ninguem tem estudo. Corregedoria em cima de vcs!!! politicos=policia=ladrão=corrupção=Brasil.

A polícia não é reflexo da sociedade, é reflexo do Estado!
Um Estado fascista e preconceituoso. A polícia não passa de um grupo de extermínio comandado pelo Governador. E nós negros e pobres somos vítimas sim, não há sensacionalismo, esse depoimento sim é a realidade das ruas. Não é o que passa no Cidade Alerta, nem no Brasil Urgente, nem em outras emissoras que plantam o ódio contra nós.

Você em um problema serio para interpretar texto. O que seguindo a linha do seu raciocínio, se encaixa na precariedade da educação. Dizer que o autor fez apologia ao crime beira o ridículo. Supondo que um parente ou amigo seu, foi morto por um pm dessa forma em seu condomínio, como você receberia o restante da ‘tropa’? Com elogios? Sou negro, trabalhador, moro no Capão Redondo SP, nunca estive preso e ja passei por situações idênticas. Isso no bairro onde moro, pois em outros mais ‘nobres’ não acontece. O que sugere ao exemplar policial? Uma medalha? Fazer um cafune? Ou punição, afinal ele prestou um concurso publico para proteger todo e qualquer cidadão. E não tirar fotos com uns e bater, humilhar e ameaçar outros. Ou estou escrevendo bobagem?

E a PULICIA valoriza quem….os PRIVILEGIADOS FILHINHOS DE PAPAI TRAFICANTES,é fácil pedir apoio pra POLICIA,sendo q a mesma n faz com o povo,é mais fácil ainda ficar dando desculpas achando q quando a POLICIA entra nas comunidades é recebida a BALA pela POPULAÇÃO local e assim sendo dar desculpas para a truculência da PULICIA….

Vemos casos destes praticamente todos os dias, e mesmo assim, insistem em querem a diminuição da maioridade penal, me pergunto, pra que? legitimar esses atos? isso é um ciclo de ódio, que se perpetua.
È muito facil chamar de sensacionalismo, quando sabemos que existe o outro lado da moeda, e infelizmente a realidade não e como na novela das 9, acontece sim, discurso de ódio de todas as partes, mas quem vigia os vigilantes? hoje eles negam, amanha assumirão esses atos, se apoiando na premissa de que estão cumprindo com a lei.
Por mais cichê que seja esta frase, ela traduz a realidade da periferia ” Violência atrai violência”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code