Categorias
Cultura Literatura

Mulheres negras na biblioteca e a visibilidade na literatura


Por Marina Souza

O Mulheres Negras na Biblioteca é uma ação que visa proporcionar maior visibilidade às autoras negras, através de eventos gratuitos e divulgação de obras literárias.

Em 2016 quatro amigas, do curso técnico de Biblioteconomia da ETEC, perceberam que não existiam escritoras negras no acervo bibliotecário da instituição. A fim de mudar aquela realidade pediram doações no Facebook, distribuíram cartazes, realizaram bate-papos e eventos com autoras contemporâneas. Durante o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) elas estudaram sobre a importância de obras negras numa biblioteca e descobriram que essa invisibilidade ainda é algo muito presente na maioria destes locais. “Não há demanda” é a justificativa mais utilizada pelos responsáveis dos estabelecimentos quando são questionados a respeito.

“Se não lemos todos os passos criativos da nação, estamos lendo uma nação em pedaços, estamos lendo uma nação incompleta.” – Conceição Evaristo

Em setembro daquele ano as estudantes Carine Souza e Iara Moraes decidiram se aprofundar na luta e criaram o Coletivo Mulheres na Biblioteca, ao lado das amigas Ketty Valencio e Juliane Sousa. A ideia era aumentar o público leitor de autoras negras, incentivar à leitura e realizar oficinas de poesia, saraus culturais e clubes de análise literária. O plano futuro, segundo Carine, é apostar no cenário audiovisual, fazendo entrevistas com diversas escritoras.

Da esquerda para a direita: Juliane Sousa (jornalista, ambientalista, apresentadora de rádio e televisão, coordenadora de produção, roteirista e poeta), Carine Souza (graduanda em Letras, técnica em Biblioteconomia, ela trabalha com produção e revisão de textos), Iara Moraes (formada como Artista-educadora e técnica em Biblioteconomia, ela ministra oficinas de encadernação). A quarta integrante, que não aparece na foto, é Ketty Valencio (bibliotecária, livreira e proprietária da Livraria Africanidades) | Foto: Fridas Comunica e Fotografa

Atualmente o programa Valorização de Iniciativas Culturais (VAI) é responsável pelo financiamento dos eventos do grupo, que acontecem em diferentes pontos da capital paulista, às vezes na rua, outras em bibliotecas. Nesta semana, o grupo está organizando uma série de eventos na Biblioteca Menotti Del Picchia, localizada em um bairro periférico da Zona Norte.

“O projeto visa contribuir no combate ao racismo e sexismo, que estão ainda mais evidentes nesses tempos sombrios. Acreditamos que o Coletivo já causou uma grande revolução, considerando que falamos a partir de três lugares áridos na nossa sociedade: a literatura, pois sabemos que estamos em um país que pouco lê; a biblioteca, que é um lugar de poder ainda pouco frequentado; e a literatura de mulheres negras.”, diz Juliane quando questionada sobre a importância do projeto.

Clube de leitura realizado pelo Mulheres na Bibliotecas. Os textos são lidos em voz alta e depois discutidos entre as participantes | Foto: Marina Souza

Na página do Facebook é possível encontrar sugestões e links para downloads de diversas obras escritas por mulheres negras brasileiras e estrangeiras, além disso você acompanha a divulgação dos próximos eventos do coletivo.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code