Categorias
racismo

“Rede Globo, fantástico é o seu racismo!”

 

Mazzeo

“A escravidão permanecerá por muito tempo como a característica nacional do Brasil, deveras sentenciou Joaquim Nabuco. Mas na versão global, ironicamente “inteligente”, ele diz: “O Brasil já é um país mestiço! E não vamos tolerar preconceito!”.

Por Douglas Belchior

 

Nas últimas semanas escrevi dois textos sobre a relação entre meios de comunicação, publicidade e humor e a prática de racismo, o primeiro provocado por uma peça publicitária de divulgação do vestibular da PUC-PR e o segundo por conta de um programa de humor que ridicularizava as religiões de matriz africana. Hoje, graças a Rede Globo de televisão, retorno ao tema.

Neste domingo 3 de novembro o programa Fantástico, em seu quadro humorístico “O Baú do Baú do Fantástico”,  exibiu um episódio cujo tema é muito caro para a história da população negra no Brasil.

Passado mais da metade do programa, eis que de repente surge a simpática Renata Vasconcellos. Sorriso estonteante ainda embriagado pela repentina promoção: “Vamos voltar no tempo agora, mas voltar muito: 13 de maio de 1888, no dia em que a Princesa Isabel aboliu a escravidão. Adivinha quem tava lá? Ele, o repórter da história, Bruno Mazzeo!”

 

 

O quadro, assinado por Bruno Mazzeo, Elisa Palatnik e Rosana Ferrão, faz uma sátira do momento histórico da abolição da escravidão no Brasil. Na “brincadeira” o repórter entrevista Joaquim Nabuco, importante abolicionista, apresentado como líder do movimento “NMS – Negros, mulatos e simpatizantes”!

Princesa Isabel também entrevistada, diz que os ex-escravos serão amparados pelo governo com programas como o “Bolsa Família Afrodescendente”, o “Bolsa Escola – o Senzalão da Educação” e com Palhoças Populares do programa “Minha Palhoça, minha vida”!

“Mas por enquanto a hora é de comemorar! Por isso eles (os ex-escravos) fazem festa e prometem dançar e cantar a noite inteira…” registra o repórter, quando o microfone é tomado por um homem negro que, festejando, passa a gritar: “É carnaval! É carnaval!”

O contexto

Não acredito que qualquer conteúdo seja veiculado por um dos maiores conglomerados de comunicação do mundo apenas por um acaso ou sem alguma intencionalidade para além da nobre missão de “informar” os milhões de telespectadores, ora com seus corpos e cérebros entregues aos prazeres educativos da TV brasileira em suas últimas horas de descanso antes da segunda feira – “dia de branco”.

E me perguntei: Por que – cargas d’água, a Rede Globo exibiria um conteúdo tão politicamente questionável? O que teria a ganhar com isso? Sequer estamos em maio! Que “gancho” ou motivação conjuntural haveria para justificar esse conteúdo?

Bom, estamos em novembro. Este é o mês reconhecido oficialmente como de celebração da Consciência Negra. É o mês em que a população  a f r o d e s c e n d e n t e  rememora, no dia 20, Zumbi dos Palmares, líder do mais famoso quilombo e personagem que figura no Livro de Aço como um dos Heróis Nacionais, no Panteão da Pátria. Relevante não?

Estamos também na véspera da III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, que começa nesta terça, dia 5 e segue até dia 7 de Novembro, em Brasília, momento ímpar de reflexão e debates sobre os rumos das ações governamentais relacionadas a busca de uma igualdade entre brancos e negros que jamais existiu no Brasil. Isso somado à conjuntura de denúncia de violência e assassinatos que tem como principais vítimas os jovens negros, essa Conferência se torna ainda mais importante.

Voltando ao Fantástico, evidente que há quem leia as cenas apenas como um mero quadro humorístico e como exagero de “nossa” parte. Mas daí surge novas perguntas:

Um regime de escravidão que durou 388 anos; Que custou o sequestro e o assassinato de aproximadamente 7 milhões de seres humanos africanos e outros tantos milhões de seus descendentes; e que fora amplamente denunciado como um dos maiores crimes de lesa-humanidade já vistos, deve/pode ser motivo de piadas?

Quantas cenas de “humor inteligente” relacionado ao holocausto; Ou às vítimas de Hiroshima e Nagasaki; Ou às vítimas do Word Trade Center ou – para ficar no Brasil – às vítimas do incêndio na Boate Kiss, assistiremos em nossas noites de domingo?

Ah, mas ex-escravizados festejando em carnaval a “liberdade” concebida pela áurea princesa boazinha, isso pode! E ainda com status de humor crítico e inteligente.

Minha professora Conceição Oliveira diria: “Racismo meu filho. Racismo!”.

 

A democratização dos meios de comunicação como forma de combate ao racismo

Uma das tarefas fundamentais dos meios de comunicação dirigidos pelas oligarquias e elites brasileiras tem sido a propagação direta e indireta – muitas vezes subliminar, do racismo. É preciso perceber o que está por trás da permanente degradação da imagem da população negra nesses espaços. Há um pensamento racista que é, ao mesmo tempo, reformulado, naturalizado e divulgado para a coletividade.

A arte em forma de publicidade, teledramaturgia, cinema e programas humorísticos são poderosos instrumentos de formação da mentalidade. O que vemos no Brasil, infelizmente, é esse poder a serviço do fomento a valores racistas e preconceituosos que, por sua vez, gera muita violência. A democratização dos meios de comunicação é fundamental para combater essa realidade. No mais, deixo duas perguntas ao governo federal e ao congresso nacional, dos quais devemos cobrar:

O uso de concessão pública para fins de depreciação, desvalorização da população negra e da prática do racismo, machismo, sexismo, homofobia e todos os tipos de discriminação e violência não são suficientes para colocar em risco a concessão destes veículos?

Por que Venezuela, Bolívia e Argentina, vizinhos latino-americanos, avançam no sentido de diminuir a concentração de poder de certos grupos de comunicação e no Brasil os privilégios para este setor só aumentam?

Tantas perguntas…

 

Leia também do Facebook da Carta Capital

252 respostas em ““Rede Globo, fantástico é o seu racismo!””

E as pessoas assistem e não acham nada errado! E muitos cretinos racistas ainda acham que estamos procurando pelo em ovo! Concordo com vc Jilson… agrada a burguesia, e denigre aqueles que tanto são excluídos!

Pois é…
“agrada a burguesia, e DENIGRE aqueles que tanto são excluídos!”
de.ne.grir, transitivo direto
escurecer
tornar negro
macular
Nada mais preconceituoso que este texto!´
É isso aí…
Ardua Quercus

Falou tudo Ardua, nada mais preconceituoso do que “não se poder fazer piadas” com os negros pq eles sofreram demais, o ego inflado de quem quer proteger as minorias é tão preconceituoso que colocam os negros como sendo infriores, pois são os pobrezinhos que devem ser protegidos pelos militantes, que só sofrem e são desanparados, pra mim são mais irritantes que a classe média. Sim pois, criticam o totalitarismo burgues, e agem da mesma fora que um tirano..

Não sei qual o tamanho da classe média brasileira, mas com certeza acabei de presenciar milhares ou milhões de pessoas sendo classificadas como “nojentas” unica e exclusivamente devido a um misero vídeo…

Bem… Pelo o que eu entendi do vídeo, ele está tentando mostrar que mesmo com a Lei aprovada essa divisão escravo/senhor de engenho ainda existe, só que de forma enrustida. E no final ele coloca o carnaval como momento de festa em que eles esquecem que ainda estão sendo escravizados. O que me pareceu não é ele estar ridicularizando os negros, mas sim o governo que mantém o mesmo sistema de forma invisível e a população que aceita isso. Sinceramente acho que a intenção do Bruno Mazzeo foi entendida de forma errada.

Concordo com você, Vinícius. Antes mesmo de ver o vídeo, já estava com essa impressão. Ao assistir, passei a ter mais certeza de que a crítica é à atitude do governo, à hipocrisia das classes altas e à passividade da população.

Eu tinha entendido que a crítica era contra as medidas governamentais ineficazes e contra a sociedade que não aceita o fim da escravidão… mas tinha racismo embutido??? Que coisa! Acho que estou ficando burro.

Passividade da população? Onde? Todo negro, pobre no Brasil, e agora, até a classe média sabe de como a polícia é repressora, chamar a polícia de “despreparada” é senso comum, eles vêm se preparando desde o tempo do Império, e a população é constantemente vítima da violência deles e dos meios de comunicação.

Até acho um pouco de exagero do autor, mas sou obrigado a concordar com ele quando não se vê “humor inteligente” com outros fatos hediondos de nossa história como o holocausto, bomba atômica ou a queda das torres gêmeas….

Concordo. Não podemos esquecer que uma determinada atriz global teve que pedir desculpas quando fez piada sobre os judeus. Piada contra negro, português, japonês pode, contra judeu não.

Um Branco falando que não existe racismo.
Me pergunto quantas vezes você foi abordado na rua, escolhido probabilisticamente entre vários transeuntes pelo seu modo de vestir, andar e cor?
Então antes de falar que existe picuinhas, tente analisar um pouco o mundo além da sua cadeirinha de sofá.
Ou ainda, ter uma arma apontada porque você está com seus familiares dentro de um bom carro, porque a policia tinha uma reclamação de roubo contra seu carro, que de fato, eles poderiam simplesmente verificar pela placa e fazer uma abordagem mais tranquila. Mas acho que como você disse, não existe racismo é só picuinhas.

Marcelo, vc disse o que eu pensei vendo tantos comentários que dizem que o autor do artigo está “procurando pelo em ovo”: todos eles devem ser brancos, cristãos, heterossexuais e de classe média, imunes aos mais perversos tipos de racismo. Mesmo que a crítica do quadro seja ao governo, a paródia feita com as políticas sociais do governo PT (Bolsa Família, Bolsa Escola, Minha Casa, Minha Vida) demonstra a campanha reacionária da Globo contra esses programas.

Concordo. Minha opinião é radical. Influência mais nociva da atualidade. Formadora de opiniões, atitudes, comportamentos, crenças, enfia goela a baixo o que ser, comer, vestir, viver, pensar, ou melhor não pensar, e que continuem com o carnaval, afinal ela precisa continuar a ser global!!!!!!!!!!!

Todo produto artístico pede uma interpretação correta. Apesar de concordar com o texto, eu vi que ficou clara a intenção de ironizar o presente, como ficou claro em outros episódios do quadro. Por isso concordo com você, também.

Eu entendi que o programa fez uma crítica, através do uso da ironia bem-humorada, em relação à mentalidade escravagista da época e à ausência de qualquer política governamental de atendimento à população ex-escrava, excluída do processo político de sua própria libertação. Não nego que haja racismo (uma estupidez em tempos de decodificação do genoma humano a mostrar que a cor da pele não determina o valor de alguém enquanto parte da espécie humana), nem nego que a mídia, e principalmente a Globo, muitas vezes pode ser tendenciosa, mas, em minha percepção, a bem da justiça, o programa em questão não fomentou valores racistas e preconceituosos. Pelo contrário.

Parece que quem não está entendo bem é você. Imagine o fuzuê que daria se fizessem um programa parecido com as vítimas do Holocausto, do World Trade Center ou da boate Kiss? Haveria pedido público de desculpas em horário nobre, antes, durante ou depois do JN e editorial de O Globo, cabeças rolariam, etc. A Globo sob a égide do Camelo descerá abaixo do chão, se façam de desentendidos, o vídeo é indefensável.

Armando, concordo com você! Não é disso que estou falando. O que eu quis dizer é que o alvo não foram os negros, mas a população em geral que acredita que a escravidão foi extinta, quando não foi. E chega no carnaval tudo isso é esquecido por conta da festa que preza uma “igualdade social”, que também não existe, mas é uma rotulação imposta pela mídia e aceita pela população. Tomando seu exemplo do World Trade Center, após o ocorrido Osama Bin Laden virou alvo de várias piadas e nem por isso a seriedade do fato foi retirada. Na minha opinião o que está acontecendo é uma distorção do objetivo do vídeo e dos fatos apresentados.

O que ficou claro é que o programa ridicularizou um grande momento da historia de nosso pais. É preciso frisar o desdenho ao termo Afrodescendente, a todo momento sendo jocosamente falado da seguinte maneira: povo Negro… quero dizer afrodescendente, em segundo o programa insinua que os negros sairão da senzala e foram direto aos programas sociais petistas. Em terceiro a escravidão como Armando e outros já apontaram não foi apenas um momento histórico que passou devemos lembrar, que muitos africanos foram raptados, torturados. negras foram estupradas durante séculos nas américas. nos Estados Unidos africanas foram usadas em experimentos ginecológicos, etc. Eu não me considero Afrodescendente pois eu sei que sou Afroeuroindiodecendente (se tal termo existe), mas me revolto ao ver como os negros e principalmente os pobres são retratados na comedia Brasileira: Feio, banguela ( a cara da riqueza), festeiro, preguiçoso. Aquele quadro passa longe de uma critica ao governo, pois até a Globo vem divulgando que estes programas sociais beneficiaram milhões de pessoas (não só os negros) aquele e outros quadros são feitos para agradar os “coxinhas da classe media/alta e assim esses coitados poderão sentirem-se superiores em relação a massa pobre e principalmente negra desse nosso pais racista.

Vinucius, como o alvo não foram os negros? O video mostra a abolição como sendo um ato de boa vontade da princesa, eqto negros simplesmente festejam a falsa liberdade. E os negros que lutaram por isso? Que morreram e que se mataram? Que fugiram e viveram escondidos em nome da liberdade? O vídeo mostra a liberdade dos negros como consequencia do ato da princesa, quando na verdade foi a causa. A luta dos negros os libertou.

Sim, é verdade. A luta dos negros é realmente um marco e crucial para a “libertação”. Mas concorda que se não fosse a iniciativa dela a escravidão escancarada ainda não poderia existir? O que eu quero dizer é que no final foi a princesa quem decidiu isso. Se ela negasse essa aprovação, o que seria hoje?

Também concordo com sua opinião Vinícius. Pelo que entendi da matéria, o vídeo ironiza a forma como o governo trata questões sociais importantes (a do negro, por exemplo, em 1888). Não é uma ironia a terrível discriminação racial. O fato é que, assim como o articulista deste Blog, muitas pessoas se incomodam quando ouvem uma opinião diferente do politicamente correto. Ou seja, não se pode discordar de negro, gay, índio, existência de ciclofaixa, etc… Que chatice!

Amigo não é só uma questão de politicamente correto, a muito tempo que a mídia vem ridicularizando o pobre e o negro, nosso pais é um pais racista e acredito que essas formas de comedia são meios de externar esse racismo que nossa população se esforça em esconder, é idiotice achar que tal quadro é apenas uma comedia inocente.
A escravidão como outros já apontaram foi um crime contra a humanidade: negros formam torturados em troncos, mortos em porões de navio, mulheres escravas foram estupradas durante séculos.
Vou usar o argumento de outros aqui: imagine uma sátira a libertação dos judeus na segunda guerra, imagina o Bruno Maseu entrevistando Primo Levi e “zuando” os mortos, e falando para ele não se preocupar pois os judeus do futuro irão poder descontar a raiva do holocausto nos Palestinos. Imagina o que iria acontece?
O que as pessoas estão ignorando aqui e que os 388 anos de escravidão não foi um simples acontecimento foi um período de sofrimento, exploração e humilhação de um povo, que até hoje não foi ressarcido. O período de escravidão e o fim dele deve ser abordado com o mesmo respeito que abordamos outros acontecimentos criminosos da historia como por exemplo o Holocausto, devemos abordar tal tema sem piadas, mas com muita reflexão afinal muitos morreram na luta contra esses crimes historicos.

Jhon, respeito sua opinião, mas seu discurso só reforça o que eu escrevi. Não toquem no tema “negro”, pois será esculhambado. A não ser que sejas negro… aí pode. Pura hipocrisia. Se o roteirista deste vídeo ou quem o liberou for negro, ou tiver ascendência, alguém vai criticar/reclamar? Acredito que não, pois esta pessoa teria muito mais propriedade para falar sobre o tema do que um branquinho metido certo? Errado. Ah, e se o branco fosse pobre, poderia discordar?

Sim, eu o criticaria, e o chamaria de Pai tomas, eu vi que muitos atores negros participaram do vídeo, o que é lamentável . O Maseu, também deve ter ascendência África, a questão não é falar ou não falar, mas o que vemos é que no Brasil se fala de escravidão como algo simples, como um momento banal, e não como um crime histórico.
Muitas pessoas falam do Holocausto, mas não fazem piadas a questão não é quem tem , ou não tem direito de falar, mas sim que quando tal sujeito terá de enfrentar as opiniões discordantes, e as criticas. O que eu penso é que tem muitas pessoas que fingem não ver o obvio, a TV ridiculariza o povo negro e os pobres do nosso pais, e os “coxinhas” riem e defendem essa mídia em nome de um pseudodireito de expressão. Não sei se importa, mas eu me considero pardo, minha mãe e branca e eu tenho ascendentes indígenas e acho que a luta contra injustiça, o racismo e todas as formas opressão de um povo ou classe sobre outro são independentes da cor, etnia, orientação sexual, etc. Então para de acho que só tem “negrinho” revoltado lutando contra moinhos de vento, A CAUSA É REAL!

Achei que só eu tinha captado a crítica no quadro humorístico. E olha, tenho uma preguicinha da globo, mas esse foi um exemplo de que pode sair algo que presta daquela porcaria.

Sim, ridicularizando um governo que pela primeira vez tenta fazer algo para reparar 400 anos de escravidão e promover medidas capazes de atenuar as obscenas disparidades raciais brasileiras, resultado direto destes quatro séculos de escravidão. O vídeo não apenas é racista, é também classista, pois não apenas ridiculariza os negros, mas também os pobres que ganham bolsa-família ou são beneficiários de outros programas do governo federal. Típico da globo, só não consigo entender é tanta defesa de tal canal espúrio de televisão por aqui.

Não é defendendo a Globo, é defendendo o artista… Concordo com você quanto ao governo e a mídia, mas no caso desse vídeo, ainda não vi o racismo…

A nobre Princesa Isabel me pareceu muito mais uma caricatura da não menos nobre “presidenta” Dilma. Não creio que houve racismo desta vez , mas como até um sorriso irônico pode ser mal interpretado e sujeito às penas da lei : viver tá foda e respirar pode dar cadeia.

Pergunta para um pobre negro da favela como e foda viver. Como é foda ser suspeito. Como é foda ver muitos de seus colegas crescerem sem perspectiva. Como é foda ser abordado pela policia e chamado de vagabundo ( e as vezes você esta na volta da escola, trabalho ou até da igreja mas sua cor e origem te transforma em vagabundo). Como é foda ser tratado no shopping ou em lojas com um possível criminoso. Você conhece alguém que esta preso por Racismo? Se conhecer me conta! Eu conheço muita gente que esta presa por não ter dinheiro para advogado ou por que o juiz não foi com a cara negra dele. realmente respirar da cadeia, mas da cadeia em dobro se você for pobre e principalmente negro no Brasil (vejas as estatísticas, de presos, mortos pela policia e homicídio no Brasil, os afrodescendentes são a clientela principal)

Jhon, acredito verdadeiramente que tudo o que você diz realmente se aplica a pobres e é terrível. Não necessariamente a pobres negros, mas de qualquer etnia. A pobreza material é a verdadeira origem de preconceito e discriminação neste país na minha opinião.

É isso mesmo, Vinícius. Uma análise, essa sim PRECONCEITUOSA, considerando que o PRECONCEITO anda em via de mão dupla.
Conheço pessoalmente o Mazzeo e ele é completamente contra qualquer tipo de racismo. Assim como eu, ele tem ascendentes próximos, também afro-descentes. E ele trabalha para a Globo, da mesma forma que o celebrado Zé de Abreu (ícone artístico do PT) também tem contrato.
Aí já vem a tal campanha contra os “meios de comunicação”. E ainda citando governos POPULISTAS, que não estatizam os meio de comunicação para “democratizar” a comunicação, mas porque estes, são muitas vezes vozes contra seus governos autoritários. Tal qual já está acontecendo aqui no Rio de Janeiro, no Governo Cabral/Eduardo Paes, ambos apoiados e eleitos com o apoio do PT, onde ir para as ruas criticar o governo se tornou CRIME.

Podem ter entendido errado a intenção do vídeo? Respondo: Podem !
Mas o que não cala no texto do blog é a falta de isonomia com outras etnias e a falta de respeito com as religiões de matriz negra.
Exemplo simples colhido na própria mídia: “Tatá Werneck será notificada judicialmente após piada com judeus, diz jornal” – site: http://entretenimento.r7.com/famosos-e-tv/tata-werneck-sera-notificada-judicialmente-apos-piada-com-judeus-diz-jornal-04112013
Ou seja, fazer piada dos negros e sua religião é permitido e tolerado pela sociedade, mas fazer piada de judeu…
Este preconceito velado e entranhado na sociedade brasileira é que deve ser exposto e analisado criticamente para sua superação.
Abraços,

nao, nao ! é carnaval significa : os negros so pensam em festa, gente preguiçosa e de pouco gosto pelo trabalho. Essa é a mensagem imunda da rede globo neste video!

Concordo plenamente Vinicuis!
E cara, como é chato esse povo do politicamente correto. O pensamento do autor é tão viciado que ele nem conseguiu perceber a ironia e a crítica que vc muito bem apontou.

O quadro do fantástico é puramente humorístico. Nas edições anteriores fizeram piada com os portugueses, com a família real e farão com alguma outra coisa no domingo que vem. Daí a falar que a Globo é um entidade “do mal” e que constrói uma grade conscientemente racista é outra. Quanta besteira. E o autor ainda faz umas relações completamente improváveis, que só existem na cabeça dele. Essa mesma globo transmitiu novelas de sucesso em que escravos eram protagonistas e atores como camila pitanga, thais araujo e lazaro ramos eram os personagens principais.

E respondendo as perguntas:

1) É a opinião do autor de que a mídia promove a discriminação e a violência. Característica típica da esquerda de achar que são os donos da verdade.
2) Porque felizmente o Brasil é o país menos autoritário e populista entre os citados e a liberdade de expressão é maior que nos demais. Basta ver o que aconteceu com o Clarín na Argentina e a quantidade de canais oposicionistas na Venezuela e na Bolívia

Descordo de você Yuri.
Dos Muito comentários que foram postados até agora (li todos antes do seu) muitos não olham também pelo lado histórico, o que eu acho que deveria ser algo imprescindível. A Globo não foi criada para entreter, e ela é, pela nossa constituição, ilegal (interessante?).
Os meio de comunicação do Brasil são totalmente centralizados, ou seja, a opinião que você lé é a opinião de poucas pessoas (Clarín na Argentina), mais ou menos de 11 famílias que controlam tudo, ou quase, com realidades totalmente diferentes da grande maioria da população brasileira e que estão ai querendo mandar, e já conseguem , isso quer dizer que a opinião de uma pessoa que só recebe informações dessas 11 famílias vai ser totalmente manipulada (agora pensa, vai ser contra ou a favor delas?).
Sim, a nossa mídia é racista, homofóbica, burguesa, manipuladora e alienadora ( ou você acha que o zorra total é para criar um “cidadão” critico), os programas da nossa televisão são feitos com o intuito de fazer você não pensar, alguns até pensam por você, Arnaldo Jabor, (mas vão pensar com a opinião de quem?), quem pensa de mais vê que tem algo errado. Um bom exemplo seu são as novelas, um melhor o BBB (são programas para desviar o seu foco); a mas….. Vou parar porque estou enrolando de mais, em outro momento eu continuo, ou não, recomendo que você acesse o site donosdamidia.com.br e conheça o tamanho do mostro que nos controla.
Agora voltando ao foco, o programa não tem um simples ar humorístico, ele não só faz piada de um momento muito importante da nossa história como, também, ridiculariza os programas governamentais de auxilio a população, o bolsa família é o maior programa de distribuição de renda do mundo e na minha opinião não deve ser motivo de piada já que tem gente que não morre de fome por causa dele, a escravidão no Brasil foi responsável por incontáveis mortes ( uma conta rápida que meu professor me ensinou, suponha que chegaram 2 milhões de africanos (número fantasia, deve ser maior) no Brasil, pelo menos nas viagems de barco devem ter morrido 4 milhões, nos trasportes pela Africa até os portos pelo menos mais 4 e mais uns 6 pelas brigas para arrancar eles de onde moravam, então para ter 2 milhões matamos 14, sem falar nas leis que criamos para “””””””começar a abolir”””””””” os escravos, ventre livre e sexagenários, que foram uma puta sacanagem, quer saber o porque? Então pergunte ou pesquise.) por isso não acho que se deva fazer piada disso, na minha opinião o programa tem sim o seu toque racista mas esse não é o foco, e sim a critica ao governo e a presidência ( a Isabel tem uma linguagem corporal muito familiar) e pode acreditar, a GOLBO não faz uma critica se ela não tem um interesse por traz. Tudo deve ser analisado criticamente, lembrando que, quem paga o salario do produtor, de quem está escrevendo e de quem está atuando é quem manda. A VERDADE É DURA, A GLOBO APOIOU A DITADURA E OUTRAS COSITAS MUY CABULOSAS. (por qualquer erro de ortografia me perdoem)

Lamentáveis seus comentários Vinicius, parece ser uma pessoa esclarecida. O racismo moderno é ainda mais perigoso, tanto que em um video como esse, repleto de racismo, uma pessoa esclarecida consegue dizer que a intenção foi mal interpretada. De fato essa divisao que vc fala em seu primeiro post existe porque pessoas como vc aplaudem videos como esse repletos de racismo e não veem isso. Ai mora o perigo. Repense. Quanto as outras pessoas que aplaudiram sua fala contribuindo com inúmeras “opiniões” regadas pelo racismo, só tenho a lamentar.

“A dor dos judeus choca, a nossa gera piada”

Vinícius, isso está bem claro…
Concordo plenamente com você!
Quem escreveu essa “crítica” é o culpado por tudo ser maquiado em nosso país.
A Globo faz aquele humor de merda do Zorra Total, aí quando (dificilmente) aparece com algo bom, engraçado e inteligente (como é o caso desse vídeo com Bruno Mazeo), surge um mané desses pra querer inverter a polêmica.

Também entendi por esse ponto de vista. Vi naquilo tudo, uma crítica ao governo, tanto, que satiriza a princesa Isabel. O único momento direcionado para os negros, foi no carnaval, em que eles entorpecidos com a liberdade escravocrata festejam, mas esquecem que quem domina ainda são os brancos. Ou seja, os brancos por despeito não empregaram os dominados, ou apenas fingiram dar oportunidade, quando na verdade, só cedera subempregos, educação e moradia.
A globo é racista sem dúvida, mas fica claro que a crítica também é pra a falácia da elite.

Drama é um termo adequado.
Dramático não, sugere exagero.
E não me parece exagero exigir respeito aos quase 400 anos de escravidão!
Boa semana pra nós!
-_-

Eu fiquei enojada com esse “quadro humorístico”. Eu nasci com pele chamada de branca, mas por ter um grave problema de visão sofri MUITO com sátiras terríveis na infância. Quem sofreu com essas coisas, especialmente no passado, sofreu calado e certamente guarda lembranças de tristeza e constrangimento. Nesse sentido, penso que se a intenção do programa fosse “alertar” a população sobre alguma prática governista teria que ter feito de forma direta: com discussões políticas, econômicas e sociais. Da maneira que foi apresentado é apologia à discriminação, é acepção de pessoas elencando os incluídos em Programas Sociais. Penso que seria de bom tom uma explicação das intenções e quem sabe uma retratação.

Amigo, devido a esses povo que acha que tudo pode ser motivo de piada é devido a isso que as coisas no brasil não muda, sou filho de negra com branco e fico com uma tremenda raiva quando vejo esses babacas pensando que eles são diferentes só por que tem um pezinho nas europas ou outro lugar que não seja de origem africana. continue com sua luta e tenha em mente que sempre terá pessoas como eu que te apoia. Um abraço!!!!

Caro Belchior, há verdades históricamente comprovadas em suas palavras, porém lhe questiono quanto ao seu exclusivismo “sofrível” somente os negros sofrem no Brasil? Por acaso não há milhares de brancos pobres que sofrem tanto quanto vocês? Reconheço a necessidade de lutar contra tais atitudes, porém o movimento negro nacional toma a todos os brancos como algozes, basta vermos nas universidades se tu és contrário as cotas já é rotulado de RACISTA, inclusive execraram muitos teóricos NEGROS que eram contrários, Até quando ficarão criando cissões “imaginárias”, querem um país como os E.U.A onde há bairros que embora aberto a todos “teoria” se restringe a população negra? Ao que parece a luta de vocês perde legitimidade quando querem combater o racismo com a intolerância, pois é o que parece, afinal até mesmo numa crítica humorística querem ver racismo, e ademais não é preconceito chamar alguém de branquelo, judeu de narigudo e mão de vaca? Até quando o sofrimento do negro apenas será o mote das reivindicações? Que igualdade querem vocês quando incitam a intolerância…

RAPAZ, VOU ESCREVER ATE EM LETRAS MAIÚSCULAS.

ADOREI A VISÃO PLENA SOBRE O ASSUNTO, REALMENTE!!!

AINDA EXISTEM MUITOS NEGROS COM A SÍNDROME DE COITADINHO.

Relembrar o passado e apontar o erro e discriminação não é síndrome do coitadinho. Se vc reivindica direitos, por entender que há uma dívida histórica a ser retratada, isso não é se colocar no lugar do coitadinho.
Idosos e grávidas recebem benefícios pq a sociedade entende que eles, naquele momento, precisam de um suporte diferenciado e ninguém diz q o idoso ou a grávida estão apelando ou se fazendo de coitados pra sentar no ônibus ou pra ter um fila menor.
A mesma ideia se aplica às questões históricas.
Se alguém faz meio comentário que soe contrário às lutas levantadas pelos gays, ninguém diz q eles estão vendo pêlo em ovo ou q se fazem de coitados.
Se um não judeu faz uma piada com judeu é taxado e antissemita; ninguém diz que ele tá se fazendo de coitado.
Mas o negro, qnd trata de um assunto que tá explícito ( basta ver o número de negros carentes e de brancos, basta ir às faculdades mais prestigiosas e ver número de negros, basta ver n° de negros nas novelas, basta ver n° negros em posições privilegiadas) ele tá se fazendo de coitado.

A igualdade que os afrodescendentes querem vai muito além de sofrer piadas de mau gosto,
ou então se sentirem inferiores aos brancos, o negro está atrasado nesse país sim, pois
o maior número de presidiário é negro, assassinatos que tem como maior vítimas negros, é baixíssimo
o número de negros nas universidades, ou seja não é por acaso e sim algo histórico que aconteceu
que mudou todo um panorama nas vidas desses descendentes, e é por isso que vejo a cota como algo não racista, pois é uma das formas de iguala a realidade ao longo do tempo entre brancos e negros, indígenas, etc. Com o tempo talvez nem precise mais usas esse sistema de cota, pois o objetivo é a igualdade. Aquele regime escravista que durou 388 anos mudou sim o que viria após, e os negros não se fazem de “coitadinhos” porque querem, está ai os números, os fatos, É COMPROVADO HISTORICAMENTE. E o vídeo pode sim ter tido uma visão crítica ao governo, mas com certeza ridicularizou a imagem do negro brasileiro.

Parabéns pela clareza das palavras. Concordo em numero, gênero e grau!! Inclusive agora o Congresso quer aprovar cota para Deputados, impedindo até do povo votar em quem bem quiser, desta forma a população vai ser obrigada a votar de acordo com a cor da pele e não de acordo com a consciência e vontade individual.

O que foi explicitado ontem foi puro racismo. achar que a população negra vive de esmola do governo e que isso é o melhor…. Poplulação vamos reagir.

O texto sugere uma teoria da conspiração, mas acho que o problema é de outra natureza – menos pior ou pior, dependendo do ponto de vista…

Não, não é uma questão de “apenas por um acaso ou sem alguma intencionalidade para além da nobre missão de ‘informar'”. É uma questão de “vender”. E a TV tragicamente vende o racismo. Porque, tragicamente, “a classe média e a burguesia nojenta de nosso Brasil” (nas palavras do Jilson) estão dispostas a comprar. O racismo é naturalizado na mídia e para além dela…

O que me deixou mais revoltada é que eu havia terminado de assistir o filme “Lincoln” no canal Telecine, e perceber como foi a abolição da escravatura e como era a preocupação do presidente com essa questão. Deplorável como um fato histórico pode ser retratado com tando deboche e preconceito.

Coincidentemente, eu havia acabado de assistir no cinema “O Mordomo da Casa Branca”, que nos leva às lágrimas por tanta luta e dor. Lamentável um tratamento tão desrespeitoso para com um fato histórico, mesmo que ‘de brincadeirinha’ da equipe de humor (?) da Globo.

Assisti ao quadro humorístico e concordo plenamente com o autor (que estou lendo pela primeira vez). Além de humor fraco, inferior e mal escrito, o roteiro apresenta inegável tom racista. O argumento do autor do artigo sobre o pudor (entenda-se autocensura ou “censura aceitável”) em se fazer piada com as vítimas do Holocausto, dos atentatos ao World Trade Center e até mesmo das vítimas do incêndio da boate Kiss derruba qualquer defesa do quadro protagonizado por Mazzeo – cujo talento passa bem longe do de seu finado pai. Chico, dá uma força aí para o seu filho. Vivemos, definitivamente, uma crise no humor brasileiro. Muito desta crise se deve ao fato de importarmos o estilo norte-americano de comédia, enquanto que gênios como o próprio Chico Anysio representavam a continuidade de uma escola humorística brasileira inesquecível da era do rádio. Enfim, tudo isso acabou. Resta-nos conviver com esse tipo de piada sem graça que vive de reforçar o discurso do preconceito e do racismo.

Eu acho a Globo uma porcaria. O Fantástico, então, é um programa de péssimo gosto. Não entendo como as pessoas conseguem perder seu final de domingo assistindo.

Mas, pelo que vi do vídeo, me parece que o autor do texto pode ter interpretado mal o péssimo gosto da atração.

Também interpretei como uma crítica. Muito mal feita.

Aliás, esse Bruno Mazzeo é mestre em dar furadas.

De tantos intelectuais palpiteiros do humor no Brasil, prevejo um futuro em que somente piadas de papagaio serão permitidas, pois serão as únicas capazes de agradar ao refinado mau-humor da classe de censores da nossa democracia (???).

Qual o limite do humor?
Uma piada nunca é só uma piada! A liberdade de expressão não pode ser muleta para o humorista justificar sua falta de criatividade, construindo sua piada no solo seguro do preconceito contra as minorias. Fazer piadas sobre negros, pobres, mulheres, gays, gordos, enfim sobre qualquer grupo minoritário que esteja subjugado na sociedade é uma forma fácil de fazer alguém rir, mas será que é a forma mais inteligente?
A preposição de que todos tem o direito de dizer o que bem entende está correta, por isso o humorista não pode reclamar do que eles chamam de patrulhamento do politicamente correto, ao se posicionar de forma machista, homofóbica, sexista ou racista, se ganha de brinde ser apontados como tal.
Não creio que seja censura exigir respeito!

Racismo ou não, sobre a população negra tudo pode, quanto aos judeus, o mundo desaba sobre sua cabeça. Em 2008, a GRES Viradouro, foi impedida de mostrar um carro alegórico sobre o Holocausto, mas quando o assunto é escravidão negra, tudo é relativizado, tudo é tese acadêmica etc.

Parabéns pelo texto.
Nunca assisto tv, principalmente a globo, mas, infelizmente ontem na casa de um parente não pude desviar o olhar quando todos faziam a mesma coisa:assistir. Achei de um péssimo gosto e racista o programa. E era de se esperar, né….Da globo, folha, veja, só espero o pior.

O dia que essas mídias não forem racistas, homofóbicas, machistas, elitistas, conservadoras…será um milagre.

Concordo com o Sr. Vinícius Gama.
Posso estar sendo muito ignorante ou alienada em um grau extremo, sei lá, mas não compreendi o que Belchior achou de racista no vídeo. Não estou defendendo o Fantástico, muito menos a Globo. Também não consegui achar a “”graça”” no vídeo, sem falar nos vários erros históricos cometidos (por exemplo, nenhum tipo de assistência foi dada aos escravos libertados depois da Lei Aurea, levando vários ex-escravos a terem uma vida miserável, fato que abala a sociedade até os dias de hoje). Apenas não consegui captar a mensagem que o Sr. Belchior quis passar. Não compreendi mesmo.
Caso possível, alguém me explique!

Flavia Mallaco, o vídeo retrata isso mesmo que você não entendeu. Depois da Lei Áurea nenhum ex-escravo teve assistência, ou seja, continuaram sendo escravos, pq de alguma forma tinham que sobreviver. O que o pessoal que não concorda comigo não está entendendo é que eles não estão fazendo sátira dos negros, mas da sociedade hipócrita que acredita que a escravidão foi extinta. É só buscar dados. A maioria de renda baixa ou miserável é a população de cor negra. O video pode ter sido sem graça e mal escrito, mas estão distorcendo a intenção dos escritores e atores.

Objeção aceita excelência, pela ordem: Boa tarde Sr. Negro Belchior, estávamos aqui refletindo sobre a matéria consciente e social vinculada nesse blog e como cidadãs interessadas no progresso e desenvolvimento do nosso país estamos pensando e nós questionando: considerando nosso tom de pele por que nunca paramos para refletir sobre o “Humor Preto”? Por que vão vimos que esse tipo de humor pode banalizar a nossa triste história e contribuir para perpetuar a cultura de discriminação brasileira? Por que nos acostumamos – ao rir, participar e propagar o “Humor Preto” – a cultivar um racismo, ainda que velado, que cerceia o nosso próprio espaço de liberdade para nos desenvolvermos como pessoa humana? Como poderemos nos livrar deste costume? Por que nós mulheres negras não enxergamos que outras discriminações que sofremos também podem ter esteio no racismo? Por que só agora percebemos a mensagem subliminar e nefasta do título “A cor do pecado”? (…) Duvidas, perguntas… Mas, agradecemos por compartilhar e nos ensinar um caminho para reforçarmos nossa consciência humana e social!

Bom texto, mas acho essa sua dicotomia americanizada de branco e negro incondizente com a realidade brasileira. Não no sentido que você deve estar imaginando agora, do disfarce da nossa desigualdade étnica sob o pretexto de que somos um país mestiço. Digo no sentido de que, nessa polarização de branco e negro, quem fica esquecido é o descendente de povos indígenas — os habitantes originais da terra —, que acabaram por esquecer suas próprias raízes com a política imperialista aqui exercida e que também sofreram imensuravelmente com a chegada dos conquistadores advindos da Europa.

O cara pede a “democratização dos meios de comunicação” e cita Venezuela, Bolívia e Argentina como exemplos de AVANÇOS!

E digo mais, não vi nenhuma falta de respeito no quadro do fantástico. No reino dos afro xiitas, qualquer menção aos afrodescendentes (negros não?) que não seja referente ao coitadismo é considerado racismo. Querem igualdade mas querem ser tratados de maneira diferenciada.

É agradeça a internet, mesmo, agradeça por sua cultura resumida. É o pior texto, pois você esta acostumado aos doces textos da Veja a textos escritos por esses bloguistas saudosos da ditadura. Tente ler mais livros, pesquise, pra ver se diminui sua “coxinhes”.

Belchior concordo com você. Dão muito espaço para desinformação publica, mas as verdadeiras feridas ninguém toca, nem o canal A, B ou C.
Adiciono também ao seu protesto, condolências para os nativos americanos escravizados e abolidos de sua terra, os índios. Condolências também para os que ainda hoje são escravos na africa, asia e americas em prol do nosso lazer e saciedade.
Enquanto a terra tiver um só dono, todos os outros homens serão seus escravos, sabendo disso ou não. O melhor escravo é aquele que acha que é livre.

Mazzeo é useiro e vezeiro de textos preconceituosos, elitistas em que se apresenta apoiando as ideias dos supostamente evoluídos burguesinhos da classe média alta… Ou aqueles que pensam em Miami como lugar ideal para viver… É um jovem conservador[!]

Sem dúvida alguma há muito racismo no Brasil e, o que é ainda pior, um racismo hipócrita, dissimulado. Considero, no entanto, um tanto quanto exagerado enxergar uma “agenda”, uma espécie de teoria conspiratória, por trás de um quadro de humor idiota.
Quanto a humor envolvendo temas tais como o holocausto e temas semelhantes, estas existem sim. Assista, por exemplo, ao Trem da Vida (um filme francês) ou ao mais conhecido A Vida é Bela (um filme italiano), para citar apenas dois exemplos ilustres.
No que diz respeito à ridicularização de religiões, sejam africanas ou não, não vejo problema algum. Afinal, são todas calcadas em mitos, superstições, crendices e falta de pensamento crítico.

“No que diz respeito à ridicularização de religiões, sejam africanas ou não, não vejo problema algum. Afinal, são todas calcadas em mitos, superstições, crendices e falta de pensamento crítico.”
edgy

Não sou a favor do jornalismo da Globo, com exceções. Não sou a favor dos programas da globo, com exceções.
A favor da consciência negra, sim. Mas concordo que ouve um olhar ‘pré-conceituoso’ de sua parte, negro belchior. Na compreensão do texto no contexto, vi como ridicularização dos brancos e suas falsas afirmações quanto aos direitos dos negros, da lei áurea ao tempo contemporâneo. Poderia ficar discutindo o texto, o contexto…mas creio o espaço ser pequeno…e, normalmente, o texto sempre encontra um outro contexto no leitor, diferentemente de quem o concebeu. Tz, no final, na cena do carnaval possa haver um pitada de racismo, mas o samba nada mais é do que a agradável perfeição das danças comemorativas tanto de ‘banzo’ como de alegria dos negros escravos.

O grande trunfo do mal é passar despercebido, ou seja, fingir que não existe para se alastrar com mais facilidade.
E neste assunto rede Globo é mestre. Este lixo apresentado pelo Fantástico, não é humor é preconceito disfarçado de humor. Com isso a Globo mostrando o seu lado elitista e preconceituoso como sempre fez, porém desta feita de modo direto.
Veja que de quebra a Globo critica os programas sociais do Governo Federal que assiste aos pobres e negros.
Estes sonegadores e laranjas dos norte-americanos, já tentaram nos iludir com afirmações através das sua novelas, programas e livros de que no Brasil não existe preconceito.
Por isso meu caro Belchior me somo a você nesta sua justa empreitada.
Um forte abraço
J. Carlos

Excelente texto do Fantástico, bem elaborado e escrito, quando se fala do negro a grita é geral, a crítica foi dirigido aos politiqueiros que nos trata assim, ou foi ao contrário? Beleza.

O vídeo é escroto, deve ser denunciado e repudiado. Tá na cara que tem o dedo do Alí Camelo nessa história, estão descendo ladeira abaixo e chafurdando na lama. Só os boçais embriagados por BBBs e outras estultices da programação global não percebem o quão ruim e idiota é/foi este ataque a todos aqueles, não somente aos negros, que acreditam que o que torna um homem/mulher digno de sua humanidade não depende da cor de sua pele.

O vídeo de Bruno Mazzeo me pareceu bem claro. Vejamos as críticas:
– A troca eufemística de “negro” (também usado depreciativamente e em outra entonação vocal por discriminadores) por “afro-descendente”.
– A burrocracia do Estado, que mante nosso país sempre uns 10 passos atras de nações que adotaram objetividade, competência e dinamismo (trecho da Carta de Alforria, que “não foi”).
– Falta de competência e profissionalismo dos setores públicos (trecho em que os funcionários públicos não escrevem legivelmente).
– Com o fim do escravismo, como ficam os ex-escravizados? Como irão se sustentar, viver?
– Os direitos básicos constitucionais são lindos no papel.
– Os espaços públicos de ensino e educação tem péssimas soluções arquitetônicas e péssimos métodos métodos construtivos.
– Não seriam meras esmolas os programas sociais?
– Enquanto isto a massa se anestesia, contentada com migalhas.

Muitos comediantes usam a própria Globo como espaço de crítica ao governo das migalhas e da turba do fausto. E a história tem sido de grande valia pra que a Globo permita críticas contrárias contra o sistema; mas nem todos percebem.

“Quem garante que palmares se entregou
Quem garante que Zumbi você matou
Perseguidos sem direitos nem escolas
Como podiam registrar as suas glórias
Nossa memória foi contada por vocês
E é julgada verdadeira como a própria lei
Por isso temos registrados em toda história
Uma mísera parte de nossas vitórias
É por isso que não temos sopa na colher
E sim anjinhos pra dizer que o lado mal é o candomblé”

O vídeo foi interpretado de forma grotesca pelo jornalista em questão. Aos meus olhos, o que ocorreu foi exatamente o contrário, foi uma forma de repúdio a nossa sociedade, a qual concedeu a liberdade aos negros, mas não o incluíram na sociedade. A fala de Joaquim Nabuco no vídeo mostra, com extrema eficácia, a hipocrisia de inclusão do negro e da nossa sociedade politicamente correta.

Creio que 90% dos que comentaram nem mesmo viram o vídeo antes

Ué, não entendi. O quadro, ao que me consta, estava sendo absurdamente irônico!
Não entendi esses questionamentos do blogueiro, me pareceu a mais descarada ironia , justamente levando em conta o absoluto descaso com a situação dos ex-escravos, descaso que persistiu na proclamação da república com a situação dos negros e hoje encontramos resquícios desse racismo e seus desdobramentos na sociedade. Dá para perceber isso quando compara o bolsa escola como “senzalão” da educação (sobrando aqui até umas gotas para o sistema educacional).
Não que a globo seja um exemplo de midia inteligente, e esse quadro um representante adequado, mas nessa situação específica percebi somente o tom de ironia com a antiga, e atual, situação do negro no Brasil.

Ilma Senhora: A divisão entre negros e brancos presente no E.U.A é a mesma que acontece no Brasil, só que no Brasil acontece de forma baixa, silenciada e encoberta pelo Mito da Igualdade Racial, a divisão é rasteira… Vossa Senhoria ainda não percebeu isso? será que terei que colar neste blog os links do IBGE, IPEA, UNESCO, ONU e outras pesquisas que legitimam esta afirmação? Esta divisão só emerge quando um negro tenta ocupar um espaço usado / monopolizado historicamente. Neste momento que surgem as polêmicas em torno de políticas de ação afirmativa.

Não vi o Fantástico, não assisto a Globo e acho o Mazzeo um péssimo humorista. Mas, pelo que li no texto não percebi chacota com a escravidão em si, mas sim a Lei Aurea de modo geral (o que todos sabemos foi uma grande piada de mau gosto).
Por isso não achei procedente comparar com o holocausto e as demais tragédias citadas.

Ilma Senhora: A divisão entre negros e brancos presente no E.U.A é a mesma que acontece no Brasil, só que no Brasil acontece de forma baixa, silenciada e encoberta pelo Mito da Igualdade Racial, a divisão é rasteira… Vossa Senhoria ainda não percebeu isso? será que terei que colar neste blog os links do IBGE, IPEA, UNESCO, ONU e outras pesquisas que legitimam esta afirmação? Esta divisão só emerge quando um negro tenta ocupar um espaço usado / monopolizado historicamente. Neste momento que surgem as polêmicas em torno de políticas de ação afirmativa.

Muito bem Douglas, esta discussão precisa acontecer sempre, forte abraço Ademar Dias de Oliveira, quilombo de São Pedro Vale do Ribeira, Psicólogo e Mestre em Educação PUC-SP: Ex-bolsista EDUCAFRO – SP
Saudades amigo,
https://www.facebook.com/

O mais interessante foram os comentários conservadores sobre a “invenção” de uma dicotomia entre negros e brancos no Brasil, nosso paraíso racial. Ah, isso é teoria da conspiração. Toda a sorte de argumentos do senso comum dos que sempre se beneficiaram da desigualdade racial em nosso país. Esse tipo de texto é legal para tirar os racistas do armário que, com ar blasé, assumem ar professoral com o mesmo nariz empinado a “mostrar” como o combate ao racismo é uma ideia equivocada da população negra brasileira.

Eu até concordo que esse quadro da Globo exagerou um pouco e foi de tremendo mal gosto, porém, eu acho que muitas colocações aqui postas estão exageradas. Existem muitas camadas da população que não tem acesso às grandes universidades por exemplo,apenas porque estudaram em escolas da periferia que não tem infraestrutura,bons professores,etc. O que realmente é necessário é melhoras o ensino para todos,não importa se é branco,nego,amarelo,índio,judeu. O que é preciso é diminuir impostos e não querer fazer demagogia como Passe Livre onde a maioria deles tem condições de pagar 50% da passagem e querem transporte gratuíto,enquanto,os proprietários de imóveis e seus inquilinos e comerciantes vão ter de pagar reajuste de Iptu de até 20 a 30%,o que no fim vai ser embutido nos preços dos produtos e serviços.

É claro que ouve racismo. Desde quando o bolsa escola é só pra negros? Que e isso de Senzalão? E essa de “Minha Palhoça Minha Vida”? Os negros foram desprezados sim. Eu percebo que ao fundo a uma crítica política, mas foi longe demais em sua perseguição. Negros não são os únicos pobres do Brasil. Não moramos apenas em palhoças, ou senzalas. Estamos lutando pelos direitos iguais, para que cada pessoa tenha direito a competir igualmente pelos melhores empregos independente de sua cor. E agora eles vêm com esse quadro antipático? Ah, poupe me!

Eu nunca me contento em ler somente os textos e cometo o infeliz ato de ler os comentários. Digo infeliz, pois comentários pertinentes, conscientes e politizados (como os do Armando, J Carlos, Rosana e Marcílio Duarte) sempre estão em desvantagem se comparado ás dezenas de postagens idiotas (do grego antigo idhiótis, “um cidadão privado, individual”. Usado depreciativamente na antiguidade Ateniense para referir-se a quem se distanciava da vida pública.) e sem embasamento consistente.

Dentre as dezenas de falácias conservadoras e de defesa de privilégios o que mais me incomodou não foram ás afirmações preconceituosas e infantilizadas da grande maioria, mas sim a manipulação maldosa da Daniele. Assim conclui ela a sua postagem: “Ao que parece a luta de vocês perde legitimidade quando querem combater o racismo com a intolerância, pois é o que parece, afinal até mesmo numa crítica humorística querem ver racismo, e ademais não é preconceito chamar alguém de branquelo, judeu de narigudo e mão de vaca? Até quando o sofrimento do negro apenas será o mote das reivindicações? Que igualdade querem vocês quando incitam a intolerância…”

Fiquei com as seguintes perguntas: Em que momento o texto do meu parceiro de luta Belchior perdeu a legitimidade por incitar a intolerância? Quando em seus textos e na voz do movimento negro esta Daniele leu os xingamentos proferidos por ela em seu texto a comunidade judaica? Em que momento o texto do Belchior foi desrespeitoso?

Depois destas perguntas concluo que a senhora Daniela é uma ótima estrategista e atua com a lógica de tentar inserir palavras e afirmações onde não existe, como forma de deslegitimar um movimento que depois de séculos começa a mudar minimamente o peso da balança. Felizmente já temos tempo demais de estrada e estamos habituados a esta estratégia. Se você faz isso de forma consciente, por favor, melhore sua tática, ela já não funciona há décadas, mas se por acaso você simplesmente postou á partir de suas crenças (e obviamente defendendo seus privilégios ou ignorância e alienação) eu sugiro que retorne aos livros e deixe de lado um pouco artigos e matérias divulgadas por estas revistas semanais ou jornais diários.

Seja lá qual for a sua situação uma coisa é certa, você é praticamente uma analfabeta política e tão insensível e cega com a sua ignorância que não percebe a quantidade gigantesca de bobagens que disse, assim como não consegue ver que o problema atinge a você tanto quanto aos negros. E isso não serve apenas a você Daniele (não leve para lado pessoal), mas também á todos os que possuem o hábito de postar comentários medíocres em textos e discussões tão sérias como estas. Sugiro que retomem seus livros de 5ª série para que tenham o mínimo de conhecimento histórico possível, depois disso retornem ao blog do Belchior se assim considerarem apropriados e peçam sugestões de leituras mais avançadas e condizentes com a capacidade intelectual de vocês no futuro.
Tenho certeza que serão atendidos plenamente. Quem sabe assim daqui alguns anos vocês consigam argumentar de forma mais madura.

Belchior meu brother, força!

Eu acho muito esclarecedora essa comparação do regime de escravidão com o holocausto / vítimas de Hiroshima e Nagasaki / vítimas do Word Trade Center ou vítimas do incêndio na Boate Kiss. É com o mesmo respeito e seriedade que deveríamos tratar o tema da escravidão.

Caro, Douglas

Conheço um pouco da sua luta e do engajamento nos projetos sociais do Educafro há alguns anos, quando cursei a faculdade(USF) onde fiz alguns amigos inclusive que o conhecem.

Entendo sua postura e creio que seu discurso é legítimo, mas o racismo da emissora é difícil de ser combatido, pois ao mesmo tempo em que ela apresenta um quadro como este, em que usam um momento de grande importância ao povo negro, eles veiculam dezenas de mensagens contra o preconceito.

Da mesma forma, eles se dizem contra a homofobia, mas os personagens que mais fazem a audiência rir nas noites de sábado, são os caricatos gays (a bandida, a bichona, etc…).

A mesma emissora sente compaixão pelo nordestino, mas quando tem que retratá-lo em alguma obra, ou ele é um analfabeto com traços exagerados ou é um coroné troglodita, como se não houvesse um jeito do nordestino ser dotado de personalidade além do que eles nos mostram…

Concluindo, citei apenas três exemplos do que acredito ser o pior veiculado na TV aberta, mas dia e noite eles apresentam grupos com a imagem que interessa a eles, não se importando se ofende ou afeta as relações sociais nas quais os membros desses grupos estão inseridos.

Essa luta é longa e árdua… lhe desejo toda força e fé que Deus possa dar.

Um abraço,

Pedro

Achei aquele quadro fora de contexto e com um verme de preconceito embutido nesse programa, entrou atravessado na minha garganta, parece que eles vomitaram o que sentem de maneira sorrateira.

Gente, eu odeio o conteúdo da Rede Esgoto e seu histórico de manipulação das informações no Brasil, nem vou entrar nesse mérito. Mas esse humor feito pelo Bruno Mazzeo, o qual não sou fã e nem admiro, em relação a abolição da escravatura até que apresentou um certo tom crítico e um ar sarcástico com relação ao contexto sócio-político atual do Brasil. Me surpreendi com a analogia do modelo histórico em épocas diferentes. As aulas de história podem e devem apresentar a experiência do passado com o presente e essa deve ser a função do estudo da história; aprender com o passado fazendo analogias com o momento político, econômico e cultural da época presente. Portanto apesar dos lixos produzidos pela Rede Bobo, acho que foi válido aquele humor, mesmo fraco, para tratar, ou ridicularizar, a questão abolicionista.

o QUE O ABESTADO HUMORISTA CRITICA: 1- bOLSA FAMILIA, PROUNI, MINHA CASA MINHA VIDA ,COTAS, OU SEJA OS PROGRAMS SOCIAIS DE UM gOVERNO POPULAR NADA DISSO SERIA NECESSÁRIO SE OS DESCENDENTES DELES(ELITE BURGUESA) HOUVESSE NOS TRATADO COM DIGNIDADE E IGUALDADE DE OPORTUNIDADE.
Se o que se faz agora(mais médicos )renda mínima, cisterna ,carro pipaaumento real do salário mínimo, pronaf milher ,disc 100,contra violência a Mulher pronatec, escolas técincass em áreas distantes das grandes cidades, campus universitários em todas as longincuas regioes do País, tudo isso que o Bacharel FHC não fêz e o Homem do povo (LULA) fêz. e ainda tem gente que acha que aumentar servidores públicos (professoes universitarios, auditores fiscais do trabalho, defensores públicos,policia federakl, CGU (corregedoria Geral da União). Tudo isso porque o Estado pendeu pro pobre o rico chia . Tô nem aí podem chiar que mamaram quinhetos anos e só porque o Estado está com os olhos voltados pras mazelas populares gera esse fuzuê todo gera também anti-propaganda subliminar.

Concordo que ainda há muito preconceito racial no país. Porém, acho que entenderam o vídeo de forma errada. Posso estar enganado, mas me parece que a intenção do vídeo foi mostrar que, mesmo com a abolição legal da escravatura, o negro não foi totalmente liberto, e ainda é vítima de grande exclusão social.

As camadas mais pobres da população constituem-se na maior parte, de negros. Ou seja, a abolição, de fato, ainda não ocorreu. E, para piorar, o povo ainda termina comemorando o carnaval (festa alienante). Foi isso que o Mazzeo quis denunciar, e acabou sendo mal interpretado (pelo menos, foi o que entendi).

Pra começar, o vídeo é uma imitiação tosca do Casseta & Planeta.. No mais, vi no vídeo uma forma de esculhambação dos programas ‘sociais’ dos governos petístas, a óbvio serviço de alguma futura candidatura tucana.. Ou vocês não repararam nos ‘trejeitos’ da Princesa Isabel? Muito parecidos com os de uma certa presidenta…

Bom, Belchior. Concordo com a tua visão. Já contamos com uma imprensa extremamente de direita. Além disso, como não se bastasse, contamos com uma imprensa maliciosa, cujo objetivo, muitas vezes, não é informar ou divertir. Mas confundir e ironizar. A televisão é um forte meio de fazer a mente das pessoas. Isso só depende da programação que é transmitida. Se tu fazes alguém rir com algo, mesmo puramente, quando tal pessoa ouvir sobre tal coisa novamente, facilmente achará graça novamente. Se dissessem à todos que o céu é vermelho, te tanto ouvirmos, e, de tão fraca que está a defesa da opinião brasileira, acreditaríamos em tal. Só me preocupo com a direção em que estão indo as nossas empresas de comunicação e de informação. Deixo aqui a minha opinião.

Estamos no Século XX e os detentores do poder através do seu “braço midiático”, querem manter a “Casa Grande” de pé. Eles desrespeitam Joaquim Nabuco e todos os abolicionistas, desrespeitam os valores inegociáveis da humanidade, cospem na dignidade dos negros, mulatos e mestiços que formam o caldo étnico desse país, negam os direitos humanos, são indiferentes a uma história perversa, colonialista com os seus protagonistas desejosos de sangue. Os defensores do racismo no Brasil mancham a história, os meios de comunicação não formam opinião, mas, deturpam as consciências, perpetuam a injustiça, reproduzem estereótipos e ofendem a Deus.

Muito bom o texto. Não se trata de procurar pelo em ovo ou coisa do tipo, é inegável o racismo do quadro, pelos argumentos explicitados no texto. Infelizmente, parece que a falta de educação formal de alguns companheiros reduziu sua capacidade de interpretar textos. Não dá pra negar que há uma associação ridícula que ridiculariza o povo negro. “Bolsa Escola – o Senzalão da Educação”,“Minha Palhoça, minha vida”, isso não diz nada? Não é racismo mesmo, tem certeza disso? Já viu, v.g., alguém fazer piada semelhante com judeu, do tipo “Meu campo de concentração, minha vida?”. Não, né? Pega mal. Mas no caso dos negros do Brasil não deve pegar muito mal, visto que alguns, com a famosa síndrome de vira-lata, não vê mal nenhum nisso, mesmo sendo negro. Um dado interessante sobre o racismo contra negros: nunca na história desse país uma pessoa foi condenada pelo crime de racismo quando o praticou contra negro, só contra judeu. Não, não quero dizer que não deva haver condenação quando a vítima for judia, mas quero chamar atenção para o fato de que o racismo é muito recorrente em nosso país, mas não dá em nada, porque, de maneira indevida, delegados e promotores classificam a conduta como injúria racial – mesmo nas hipóteses em que há crime de racismo mesmo -, e assim, no mais das vezes, o processo não dá em nada, apenas penas alternativas como doação de cestas básica. Não creio que haja em todo o ocidente país mais racista que o nosso, mas já naturalizamos isso, o que é muito triste.

Há anos não assisto à rede Globo, por razões óbvias, para resguardar minha saúde mental, mas fui atrás para conferir, de fato, a imbecilidade do quadro. Nada a nos espantar, vindo de uma rede que tem como diretor o Kamel que nega a existência de racismo no Brasil, que mantém em sua programação o zorra total, bbb, o jn manipulando as notícias e outras coisas do gênero. Para os ingênuos que nada viram de anormal no vídeo em questão, procurem assistir ao filme “Para além do cidadão Kane” produzido por jornalistas ingleses da BBC, para saber realmente o que é a rede Globo. Não foi atoa que Roberto Marinho tentou proibir o filme no Brasil. Depois, os donos da globo não sabem explicar o porquê, nas últimas manifestações, gritava-se “O povo não é bobo, abaixo a rede globo”, “a verdade é dura, a globo apoiou a ditadura”, por que jogaram m…. nas paredes das estações da rede globo dizendo.que estavam devolvendo um pouco do que ela vive oferecendo ao público brasileiro.

Belchior, parabéns pelo texto. Bem escrito, preciso e de abordagem sofisticada. Não se brinca com racismo escravidão, que foi o maior crime contra a humanidade. O Brasil foi o último país das Américas a abolir o cativeiro e já se fala em teoria da conspiração. Porém, veja meu caro que vivemos na sociedade que “brinca” com estupro, com corrupção, com mulheres em situação de vulnerabilidade e até mesmo com holocausto. O racista brasileiro é uma Alice no país das Maravilhas, a despeito dos números gritantes do extermínio da população negra e dos demais índices que apontam desigualdades baseadas na raça. E dizem: teoria da conspiração ?! É de uma sociedade que não entende o que é direitos humanos, míope e ignorante. Nos mesmos Estados Unidos que já citaram aqui, hoje a TV tiraria o video o ar e faria um pedido formal e público de desculpas à população negra brasileira. Aqui, na “terra que todos somos mestiços”uns mais que outros, somos coniventes com esse silêncio violento, conivente e nada inocente, que mata, que humilha, de desrespeita. Parabéns pelo texto.

A igualdade que os afrodescendentes querem vai muito além de sofrer piadas de mau gosto,
ou então se sentirem inferiores aos brancos, o negro está atrasado nesse país sim, pois
o maior número de presidiário é negro, assassinatos que tem como maior vítimas negros, é baixíssimo
o número de negros nas universidades, ou seja não é por acaso e sim algo histórico que aconteceu
que mudou todo um panorama nas vidas desses descendentes, e é por isso que vejo a cota como algo não racista, pois é uma das formas de iguala a realidade ao longo do tempo entre brancos e negros, indígenas, etc. Com o tempo talvez nem precise mais usas esse sistema de cota, pois o objetivo é a igualdade. Aquele regime escravista que durou 388 anos mudou sim o que viria após, e os negros não se fazem de “coitadinhos” porque querem, está ai os números, os fatos, É COMPROVADO HISTORICAMENTE. E o vídeo pode sim ter tido uma visão crítica ao governo, mas com certeza ridicularizou a imagem do negro brasileiro.

Que legal! Ninguém enxerga racismo nas piadinhas sem graça do filho da Alcione. O que, a meu ver, corrobora a tese de que somos, eminentemente, um país racista, mas que não se enxerga como tal. Racista são os outros, que “enxergam” racismo em tudo, não é mesmo, Vinícius?

Até o Pelé teria dito, certa vez, que nunca sofreu racismo. Sim, ele nunca sofreu. Nenhum negro sofre. Sabe por quê, Vinícius? Porque ele não tem a menor consciência disso.

Um País que viveu 350 sob escravidão, perde sua capacidade de “enxergar”, de perceber o racismo nas mínimas palavras, gestos, piadas. Mas basta um gringo pisar aqui no Brasil, e ele imediatamente percebe esse racismo nojento, que a maioria, aqui, acha “normal”. Pois é.

Nossa, quando vi este quadro percebi que não era coisa boa. Uma história de lutas sendo transformado em uma piada ridícula, me senti profundamente lesado em ver um meio de comunicação fazer isso. Quer dizer que até hoje os negros são sustentados pelo governo e vivem comemorando no carnaval? Isso é uma generalização, uma inverdade… o chefe do Supremo Tribunal de Justiça é negro. Além do racismo explicito o vídeo me pareceu mais uma crítica ferrenha ao PT, visto que o bolsa familia ganhou pela Associação Internacional de Seguridade Social (ISSA) um prêmio em reconhecimento ao sucesso do Bolsa Família no combate à pobreza e na promoção dos direitos sociais. Mais uma vez a rede globo está difundindo estereótipos em conformidade com o elitismo preconceituoso. E nem vamos tocar na estreia do Sai de Baixo, que programa estúpido foi esse, usa da capa do humor para falar abertamente contra as camadas populares. Só no Brasil o pobre ri de um programa que fala mal dele mesmo. Acorde! Não dê audiência a esses manipuladores.

O que eles tentam fazer através do vídeo apresentado, nada mais é do que uma estratégia política como introdução à novas inserções com o objetivo de desmoralizar o PT, bem como os programas de governo, além é claro, desvincular os Afro Descendentes (Negros) das intenções de voto à favor do PT, menosprezando os programas sociais em favor deles. Manipulando a opinião pública, como eles tem feito nos últimos tempos, visto que o PT está há 10 anos no Governo, e também porque o objetivo deles frente ao julgamento do Mensalão, não foi alcançado, além do que surgiram também denúncias de corrupção contra os partidos que eles (Mídia) apoiam como o PSDB, no caso da formação de Carteis de Empresas, com licitações fraudulentas, que desviaram mais de 800 milhões de dólares das obras do Metrô, e o mais recente caso de corrupção envolvendo o DEM na Prefeitura de São Paulo, onde foram desviados 500 milhões de reais, na gestão de Gilberto Kassab, que foi vice de José Serra, na Prefeitura. O objetivo da Rede Globo, bem como o de toda a Elite, é posar de ética, defensora das causas dos negros, dos trabalhadores, e também dos demais temas como Saúde, Educação, Segurança, Transportes, visto que ela também foi denunciada recentemente como sonegadora de Impostos e corrupta, quando tentou comprar uma fiscal da Receita Federal. Ao mesmo tempo, a Rede Globo tenta fazer com que os Afro-descendentes sejam inseridos indiretamente como a classe esquecida pelos governantes e que deve penar mais outro século, para alcançar os seus objetivos reais. Mas é bom que se diga também, que todos os Programas sugeridos pela personagem Princesa Isabel em tom de deboche no Vídeo, na realidade já foram executados, pelos Governos do Regime Militar e também pelos Governos Civis, representados pelo PSDB, PFL (DEM), no passado, quando abandonaram o Povo Nordestino a sua própria sorte, e também os Afro-Descendentes que ficaram quase mais um século para garantirem seus direitos que nem foram conquistados ainda. Automaticamente, a Rede Globo acredita que fazendo isto (desvinculando os governantes do passado da culpa pelo insucesso dos “Negros” pós abolição, e culpando o PT (Atual Governo), por Programas como o Bolsa Família, e Minha Casa Minha Gente, supostamente insuficientes para os anseios do Povo, especialmente os “Negros”, ela acha que influenciará nas Eleições de 2014. Além disso também, é uma maneira dela, Rede Globo, se armar, contra as novas leis que envolvem as Emissoras e Meios de Comunicação que estão em pauta no Governo, entre eles a Internet, visto que essa nobre emissora, pode ter usado também a própria Internet como veiculo para espionagem para fins escusos. De agora, em diante em face do adiamento do julgamento do Mensalão, que seria o tema mais explorado por ela, as vésperas das Eleições, ela usará de todos os meios sujos, para persuadir o povo em todas as suas camadas, contra o atual Governo, pois ela sabe que se falhar, estará condenada ao fracasso de audiência por mais uma década, pois com certeza Luis Inácio Lula da Silva, entrará em cena, depois do segundo mandato de Dilma Rousseff, e isto significa o fim do PSDB, e do antigo PFL.

Muitos esbravejam quando vêem coisa do tipo na TV, midia escrita, internet …. Mas desses, quantos realmente estão na luta, não se entregando, não se isolando em grupos de “comuns”, evitando “se misturar”, apenas tentando – em vão – brigar do jeito errado pelo que realmente precisamos – a IGUALDADE ?

Temos todos é que lutar do jeito certo… pela total igualdade… ao invés de termos minorias que, depois de alguns direitos conquistados, pisam nas outrora “maiorias” , como uma “vingança doce” .

E isso não é exclusividade de negros. Muitos países do mundo estão resolvendo a situação inteligentemente. Oferecendo, cedendo, agregando, respeitando. Mulheres, idosos, portadores de necessidades…. Todos juntos.

E digo mais, muitas “minorias” reclamam até de si próprios, do mesmo grupo, em vez se mutuamente se ajudar a vencer um problema maior.

Vamos virar o jogo contra o racismo – e não só contra os racistas de mente pequena no grupo da maioria e da minoria também – ou não ? Vamos lá gente !!!

Eu não assisto à Globo (agradeço à Claro TV o favor de não disponibilizar na minha cidade), então sempre fico boiando quando o assunto é a programação da emissora. Porém, ontem eu sabia que seria veiculada no fAntástico uma matéria sobre escovas progressivas, e vi a reportagem no site do programa.
Achei lamentável no finalzinho da matéria uma menina de menos de 10 anos revoltada por não poder alisar os cabelos. A mãe (com o cabelo alisado) dizia que ela não poderia usar o produto e teria que ficar com os cachos no cabelo.
Não consegui evitar o relacionamento do quadro de “humor” com a cena da menina chorando porque não poderia alisar o cabelo.
E ainda dizem que procuramos pêlo em ovo…

Só no Brasil mesmo onde um quadro de comedia e sátira é levado a serio, isso sim é de da vergonha. Fazer comedia hoje aqui no Brasil esta cada vez mais difícil, os comediantes são levado a serio. Não me impressiona se aparecer alguém ou alguma ONG ou instituição processar a Globo com finalidade de ganhar dinheiro. Brasil onde os políticos levados na brincadeira e comediantes a serio! “Brasil um pais de tolos”

Aos que estão achando “exagero”: não é. Muito pelo contrário. É burro quem não enxerga o que aconteceu aí. O vídeo teoricamente faz uma sátira da burgesia, mas na prática, não faz. Quem entende um pouco a mente humana percebe tudo o que está sendo subcomunicado ali. Que o negro é escravo. Que é povinho. Que é digno de piada. E nunca se esqueçam. Que ainda estamos em dúvida se “é uma pessoa como eu, como você”. Que é burro, pobre, feio, só pula carnaval e depende da misericórdia do governo. A porra do repórter só entrevista os brancos, porque são eles que mandam; o outro quando diz: Sou anglo saxão, sou chique!, aparenta ser sátira, mas acaba não sendo. É reforço. Porque é assim mesmo que as pessoas se sentem no Brasil. Eu poderia continuar a descrever todos os detalhes mas vou parar porque esse lixo me dá vontade de vomitar. Depois os carros da globo são sumariamente queimados e eles não sabem por quê!

Tenho quase certeza que todos que aqui defenderam o video e acharam exagero na crítica ou disseram que estavam vendo “pêlo em ovo”, são brancos (ou se consideram tal) e nunca foram vítimas de racismo. A pergunta que não quer calar: Por que não fazem humor com o holocausto, Iroshima, Torres Gemeas e Boate Kiss?

Desligue a tv e continue lendo. Estou pouco me lixando para o que a Globo ou qualquer outro veículo de informação transmitam, ou até mesmo para o que você venha a interpretar. A falta do que fazer é uma bênção.

Para de mentir COXINHA se tu não tivesse nem ai não teria deixado o comentário, isso que é o pior nesse pais esses coxinhas que assistem a Globo, leem Veja e depois fala que só lê livro culto, mas estão sempre disposto a defender a hipocrisia racista de direita, viva a COXINHES do nosso Brasil.

Negro entoou
Um canto de revolta pelos ares
No Quilombo dos Palmares
Onde se refugiou

Fora a luta dos Inconfidentes
Pela quebra das correntes
Nada adiantou

E de guerra em paz
De paz em guerra
Todo o povo dessa terra
Quando pode cantar
Canta de dor

ô, ô, ô, ô, ô, ô
ô, ô, ô, ô, ô, ô

ô, ô, ô, ô, ô, ô
ô, ô, ô, ô, ô, ô

E ecoa noite e dia
É ensurdecedor
Ai, mas que agonia
O canto do trabalhador

Esse canto que devia
Ser um canto de alegria
Soa apenas
Como um soluçar de dor

NINGUÉM ESTÁ PEDINDO GLÓRIA!!!!!!

QUEREMOS RESPEITO!!!!!!!

RIR DA DOR ALHEIA,É FÁCIL, DIFÍCIL É ASSUMIR QUE O PAÍS É RACISTA!!!!!

BOA NOITE!!!

“O Brasil já é um país mestiço! E não vamos tolerar preconceito!”. Eu vou ler essa frase mil vezes e por mil vezes vou repetir: é racismo. Afinal, “nem existem mais negros no Brasil, então vocês estão reclamando do quê?”. Só por aí já é possível enxergar o fundo do esgoto que é a Globo – e nem seria preciso assistir ao resto. No entanto, vamos além, porque o buraco é mais embaixo: ela, caricaturizando e ridicularizando – de novo – a população negra ao arrepio do último fio de cabelo da Adelaide do Zorra Total, se arvorou a usar um tema tão caro para o país de modo extremamente rasteiro, desonesto e leviano para desconstruir os programas sociais do governo, as cotas e tudo o mais o que possa obstaculizar o seu projeto de poder: ganhar o próximo pleito. A Globo não tolera o fato de ter perdido as três últimas eleições e, se for preciso, essa emissora é capaz de construir uma nova Boate Kiss, incendiá-la de novo e, ainda, colocar a população a favor da catástrofe, para conseguir o que quer. Para os que acreditam que isso é teoria da conspiração e acham que a matéria desejou somente, pela via do “humor”, chamar a atenção para os problemas sociais brasileiros, fica a sugestão: comecem a cobrar da Globo o pagamento dos mais de R$1 bilhão de Reais que ela deve à Receita Federal em sonegação de impostos e, quando começarem a surgir mais hospitais, escolas, estradas, reurbanizações de favelas e tudo o mais que a população brasileira – negra, azul, amarela, branca, lilás – precisa, a gente volta a conversar sobre esse assunto com propriedade, decência, responsabilidade e, principalmente, na base da democracia – debate do qual a Globo, que apoiou a ditadura, não tem moral para participar.

Ok. Além da Globo pagar 1 bilhão queremos que o Lula pague ao cofres públicos valor parecido que foi roubado e assuma ser o chefe do mensalão, já que a Globo e demais meios de comunicação o acobertaram.

Achei de muito mau gosto o quadro do fantástico e nem o vi todo… não aguentei. Não sei se o pior viés é o do escárnio com a situação histórica dos negros no Brasil (sempre vai haver quem diga que não foi escárnio, foi uma crítica inteligente para ajudar as pessoas – especialmente os negros – a verem como têm sido enganadas, historicamente, com “presentes” do governo: a suposta liberdade, os programas de apoio do governo como ‘bolsa família’, ‘minha casa, minha vida’, …). Acho que o pior viés é a crítica aberta ao atual governo e ao governo Lula, que instituiu vários desses programas.
Foi uma jogada suja, do pior nível: mexeu com uma dor tão profunda que é a deixada pelas cicatrizes da escravidão (o brio de todos nós foi ao chão!) e ainda instituiu como ‘verdade’ (por ter sido professada pela TV Globo, sendo por muitos considerada, dessa forma, incontestável! Para outros nem tanto, mas serviu para implantar uma ideia…) que os programas do governo – que mais ajudaram aos mais humildes a levantar a cabeça e a voz nas ruas – seriam enganação para manter-lhes na submissão! Eles (a classe dominante, viabilizados midiaticamente pela Rede Globo) querem que o remédio torne-se o veneno.
Estudiosos na ciência da política têm assinalado que os movimentos sociais no Brasil só aconteceram porque essa geração de jovens que está indo às ruas é a geração do bolsa família, do PROUNI e tantos outros programas do governo, os quais possibilitaram um mínimo de condições a essa classe e maior acesso ao ensino superior! Esses mesmos jovens que podem redesenhar o país, redefinir valores, enfim, tirar um pouco do poder dessa gente que se considera ‘boa demais’ para um dia ter dependido de um desses programas do governo…

A rede globo e os seus p´reconceitos e isso não é de hoje, aquela personagem da “zona” total que escracha a mulher negra, e é aplaudido de pé aos sabados, recentemente um humorista do agora é tarde foi impedido de entrar no Japão, devido a uma piada sobre o terremoto, com uma ação iniciada por pessoas ligadas a rede globo, no mes passado em entrevista a Jo Soares, outro humorista Fabio Porchat fez a mesma piada, sendo aplaudido pelo entrevistador e plateia, agora eu me pergunto ele foi impedido de fazer seu show por lá?

Achei de muito mau gosto o quadro do fantástico e nem o vi todo… não aguentei. Não sei se o pior viés é o do escárnio com a situação histórica dos negros no Brasil (sempre vai haver quem diga que não foi escárnio, foi uma crítica inteligente para ajudar as pessoas – especialmente os negros – a verem como têm sido enganadas, historicamente, com “presentes” do governo: a suposta liberdade, os programas de apoio do governo como ‘bolsa família’, ‘minha casa, minha vida’, …). Acho que o pior viés é a crítica aberta ao atual governo e ao governo Lula, que instituiu vários desses programas.
Foi uma jogada suja, do pior nível: mexeu com uma dor tão profunda que é a deixada pelas cicatrizes da escravidão (o brio de todos nós foi ao chão!) e ainda instituiu como ‘verdade’ (por ter sido professada pela TV Globo, sendo por muitos considerada, dessa forma, incontestável! Para outros nem tanto, mas serviu para implantar uma ideia…) que os programas do governo – que mais ajudaram aos mais humildes a levantar a cabeça e a voz nas ruas – seriam enganação para manter-lhes na submissão! Eles (a classe dominante, viabilizados midiaticamente pela Rede Globo) querem que o remédio torne-se o veneno.
Estudiosos na ciência da política têm assinalado que os movimentos sociais no Brasil só aconteceram porque essa geração de jovens que está indo às ruas é a geração do bolsa família, do PROUNI e tantos outros programas do governo, os quais possibilitaram um mínimo de condições a essa classe e maior acesso ao ensino superior! Esses mesmos jovens que podem redesenhar o país, redefinir valores, enfim, tirar um pouco do poder dessa gente que se considera ‘boa demais’ para um dia ter dependido de um desses programas do governo…
Achei bom que alguém tivesse publicado algo contra aquele quadro, porque, uma vez professado pela TV, nós – meros espectadores – não temos como expor nossa abominação a uma sujeira dessas. Estou um pouco mais aliviada.

Concordo com a observação feita aqui por alguns, de que existe na verdade uma crítica ao Governo e seus programas assistenciais. Mas concordo também com Belchior ! Há também racismo embutido, no mínimo com o desleixo com que o fato histórico foi tratado.
Mas a mim não surpreende. Não esqueçamos que Ali Kamel tem como bandeiras, justamente a crítica a qualquer programa assistencial, mais notadamente ao Bolsa Família, é crítico ferrenho do programa de cotas para as minorias, e além de tudo isso, chegou até a escrever um livro (vejam só), afirmando que não há racismo no Brasil !
Não sei qual a abrangência de seu poder na Globo, pois é diretor de jornalismo, mas outra vez concordando com Belchior, NADA do que se passa em uma corporação como a Globo, que já aplicou diversos Golpes na sociedade Brasileira, é de graça ou surge de forma inocente. Isso não é teoria da conspiração, é realidade. O resto é ingenuidade.

Vitimização. Tudo é bullying, tudo é homofobia, tudo é preconceito. Estamos criando uma sociedade intocável, fresca.
Tenho familiares negros. Eu sou parte negro e acho um tremendo drama isso aí.

Muito bem Victor. Obrigada por ser negro e concordar que a maioria dos negros acham que TUDO é preconceito com vcs. Penso que quem mais cria o preconceito são os próprios negros. Faço das suas palavras as minhas “estão criando uma sociedade intocável”. Fala tanto em piadas sem graça com os negros, mas quando um branco é chamado de leite, que dói olhar a pessoa tb é preconceito, certo? Um gordo tb sofre preconceito, mas quando falam de um magro: é tão magro que se apertar quebra…
Aí não é? A diferença é que nem todo mundo se dói por tudo.

Caro autor, é pelo em ovo sim. É humor e você, pra variar entendeu de forma errada. Infelizmente as pessoas já vêem um conteúdo humorístico armados, já para tentar achar nem que seja com um microscópio algo mal intencionado. Certamente o Brasil não está preparado para o humor e terá que se contentar com a piadinha do pavê, do tomate que atravessou a rua, do pintinho que não tinha cu…não essa ofende os animais, não pode. Enfim, chegou o tempo onde os advogados vão sair das portas de cadeias e vão para a porta de bares de comédia. É uma pena, pois venho dos tempos de grandes humoristas como Renato Aragão que chamava o Mussum de nego pinguço e todos riam. Infelizmente vamos ter que nos contentar com as piadas internas escancaradas que o governo faz descaradamente conosco, pena que essa piada, meu amigo quase ninguém enxerga ou entende.

Mais um texto chato integrante da ditadura do politicamente correto. Tenho sérias desconfiaças de que os indignados não tiveram a perspicácia de de captar a crítica embutida nas piadas. Mas de qualquer forma, o vídeo em nenhum momento depeciou os negros. Muito pelo contrário. Fez chacota sobre quão ridícula era a sociedade escravocata.

Concordo com a ideia de Vinícius Gama. O vídeo critica a posição dos senhores de engenho, do governo, mostra as dificuldades de o ‘papel’ ser aceito pela sociedade burocrática. Ele trata de conseqüências da escravidão, não do fato em si. A gente não pode achar que tudo que trata de negro é racismo: a escravidão não nos deve envergonhar, ela é vergonhosa para os escravagistas.

O que ficou claro é que o programa ridicularizou um grande momento da historia de nosso pais. É preciso frisar o desdenho ao termo Afrodescendente, a todo momento sendo jocosamente falado da seguinte maneira: povo Negro… quero dizer afrodescendente, em segundo o programa insinua que os negros sairão da senzala e foram direto aos programas sociais petistas. Em terceiro a escravidão como Armando e outros já apontaram não foi apenas um momento histórico que passou devemos lembrar, que muitos africanos foram raptados, torturados. negras foram estupradas durante séculos nas américas. nos Estados Unidos africanas foram usadas em experimentos ginecológicos, etc. Eu não me considero Afrodescendente pois eu sei que sou Afroeuroindiodecendente (se tal termo existe), mas me revolto ao ver como os negros e principalmente os pobres são retratados na comedia Brasileira: Feio, banguela ( a cara da riqueza), festeiro, preguiçoso. Aquele quadro passa longe de uma critica ao governo, pois até a Globo vem divulgando que estes programas sociais beneficiaram milhões de pessoas (não só os negros) aquele e outros quadros são feitos para agradar os “coxinhas da classe media/alta e assim esses coitados poderão sentirem-se superiores em relação a massa pobre e principalmente negra desse nosso pais racista.

Estamos em novembro e esse é sem dúvida um dos piores artigos que eu li!

Detalhe: sou negro! E se você acha que essa matéria no Fantástico foi preconceituosa pela forma como retratou os negros e a escravidão, penso que você deveria ver alguns vídeos do Chris Rock fazendo stand up sobre escravidão e a posição dos negros na história americana! Vamos deixar de ser vítimas, nos fazer de coitadinhos, não pode isso, não pode aquilo bla bla bla!

E no final ainda ainda fala de Venezuela…..putz

Meu caro, parafraseando o Chico Buarque. “Branco no Brasil só se for filho do Tafarel com a Xuxa”. Não vi nada de ofensivo no quadro. Vi sim uma crítica ao modelo paternalista do Estado (que desde aquele período se comportava desse jeito). Vi sim, uma crítica ao “politicamente correto”, que aliás no Brasil está se tornando um sinônimo para chato. Só para entender: Então tratar de forma irônica o descobrimento pode (por que a leitura é que podemos rir dos portugueses… Mas usar da ironia para falar desse capítulo tão triste da nossa história não pode? Fazer apologia ao racismo é um absurdo, mas isso não ocorreu. É um quadro muito divertido, que trata com ironia nossas passagens históricas (aquelas que já são irônicas por natureza ou até aquelas que são tristes). Por fim, ser politicamente correto não pode ser sinônimo de mau humor, né?

Sabe quem mais tem pré-conceito dos negros? Os próprios negros. E são eles os que enxergam racismo em tudo. Acham que tudo o que há de errado no mundo é para agredi-los. Achei esse texto digno de ter pena, pq foi interpretado bem diferente do conteúdo do vídeo – já que ele tem a função justamente de ironizar, afinal, é comédia. É claro uma agressão ao governo, onde tudo sempre termina em carnaval. E não o repúdio aos negros, parem de se doer por tudo e querer culpar tudo e todos pelo que infelizmente faz parte da nossa história.

Quem conheceu o velho Chico Anisio, não fica surpreso com esse comportamento do filho preferido dele. Quase os outros todos, por sinal, eram tratados com desprezo.
Por que será ?

Eu vejo dois pensamentos e os dois deixam a questão dos prejuízos sociais em segundo plano.

A Globo se utiliza do fato histórico, para claramente criticar os programas sociais do governo, ao mesmo passo que a revista, defensora do governo, se utiliza da comoção popular e do falso moralismo latente para dar o contragolpe.

O vídeo seria até legal se o infeliz que o produziu não o tivesse feito pra disseminar seu mesquinho interesse político.

Na próxima, tira o vídeo do Bruno Mazeo e coloca a música “Vai Passar” do velho Chico Buarque de Holanda.

[…] O uso de concessão pública para fins de depreciação, desvalorização da população negra e da prática do racismo, machismo, sexismo, homofobia e todos os tipos de discriminação e violência não são suficientes para colocar em risco a concessão destes veículos? Por que Venezuela, Bolívia e Argentina, vizinhos latino-americanos, avançam no sentido de diminuir a concentração de poder de certos grupos de comunicação e no Brasil os privilégios para este setor só aumentam? Tantas perguntas… Veja o artigo do professor no site da Carta Capital (clique aqui). […]

O vídeo é de mau gosto. Poderia ter feito humor de maneira elegante e inteligente. a Tv brasileira tem muita técnica e boas idéias produzidas com conteúdo vulgar e pobre. O vídeo em pauta bem ilustra isso.
Dizer, porém, que ele é racista é ir longe demais.
Meu Deus! Será que não iremos nunca mais nos livrar das patrulhas ideológicas e do politicamente correto ?
O discurso de vitimização é um saco, tudo que se diz hoje é interpretado da pior maneira.
Lamento que a Carta Capital trilhe este caminho. Tenho-a como uma referência em muitas discussões, mas, nos últimos anos, tem pisado na bola ao militar na trincheira do politicamente correto, que nada mais é do que uma forma de rotular os outros, fazê-los parecer demoníacos. Daí para caminharmos para o ostracismo social e para a eliminação física é só seguirmos um pouco mais adiante.

Para que maior exemplo de apartheid social que o carnaval de Salvador ? os cordeiros são os negros em grande maioria, segurando a corda para os branquinhos de olhos azuis brincarem…Nos camarotes e hotéis, os negros são apenas seguranças, garçons, cumins, arrumadeiras dos hotéis, etc. O verdadeiro circuito musical que é os dos afoxés e ileayês são circunscritos como o dos pobres, dos excluídos. Os demais são para os ricos.

Procurando chifre em cabeça de cavalo. O articulista é daqueles que acha que o “Estado”, deve tutelar aquilo que os cidadãos devem ver e não aceitam a livre escolha. No mesmo momento, a TV Escola tinha um ótimo programa sobre Chiquinha Gonzaga a TV Senado sobre Darci Ribeiro etc. Viu o Fantástico quem quis. Viva a livre escolha e abaixo o sonho “bolivariano” de tutelar a informação.

Então… pelos comentários percebe-se porque o programa exibe essas coisas!
O Fantástico existe porque existe que assista!
A cegueira é visível e a rede globo explora e vive dessa ignorância!
Simples assim!

Pra que se incomodar com coisas importantes, tendo este famigerado tema pra repercutir, não é?
Essa xaropada de racismo vai do “saco cheio” à indiferença já já, e então vão ficar falando às paredes…
Video escroto por não ter motivação e por fazer humor besta… Isto por sí só já vale a pecha… Agora, chegar ao racismo, foi forte, foi não?

Belo texto, Belchior. Por conta de alguns comentários postados, parece que não adianta estimular uma análise crítica, mas eu acho que adianta sim. “Água mole…” é sempre melhor do que o silêncio e a omissão. As pessoas que criticam e acham ‘chato’ o ‘politicamente correto’ operam na faixa do senso comum. São conservadoras, embora envergonhadas de assumir esse posicionamento. Tartufos pouco conscientes ou hipócritas assumidos, relutam em reconhecer a ação política das elites através de seus veículos de expressão, que as grandes corporações midiáticas representam tão bem. (Aliás, têm chiliques convulsivos ao ler ou ouvir a designação ‘elites’, como se não soubessem o poder econômico, político e social concentrado nestas minorias numéricas que buscam por todos os meios permanecer nessa posição). Quem não consegue perceber o deboche (aparentemente) camuflado à população negra, associado ao deboche explícito às políticas redistributivas, reparadoras e emancipadores dos programas sociais iniciados no governo Lula, só pode ser por preguiça ou incapacidade mental, ou por falta de caráter em assumir seus valores distorcidos. Esses ‘não preconceituosos’ em geral desgostam das políticas de cotas, do ‘bolsa família’, etc. e declaram-se contra as ações redutoras de assimetrias. Tanto faz se são negros ou não, mulheres ou não: têm a ‘alma branca’ (e de olhos azuis) ou a ‘alma machista’ (e adoram os vários tons de cinza). O humor ou a ironia, como qualquer outra manifestação humana, é um poderoso instrumento político. Sempre foi. E sempre opta pelo seu alvo: ou o opressor ou o oprimido. Como (eventualmente) provoca o riso, camufla e suaviza a intenção. “Quem tem olhos, que veja…”. Os programas ditos ‘humorísticos’ (assim como os ‘cacos’ dos apresentadores dos grandes programas de auditório) utilizados pela grande mídia corporativa dirigem-se ao senso comum, e por isso são vistos como ‘inofensivos’, mesmo quando o escracho é transparente e inequívoco. Mas, ainda assim, a gente avança. Basta olhar retrospectiva e criticamente a nossa história. Um dia a gente ainda vai chegar mais perto da utopia, se tivermos disposição e persistência. Tal como se percebe no teu texto. Parabéns.

Típico do nosso tempo politicamente correto e do sufocante patrulhamento ideológico, resumido na máxima que alguém disse mais acima, “pessoal procura pelo em ovo”. Ou também: é o fim do humor. Não se pode rir de nada que sempre haverá um e outro pronto a apontar a menor derrapada (humanos podem errar, mas em redes sociais não somos humanos, não é mesmo? Aqui temos que ser perfeitos). As causas devem ser levadas com a máxima seriedade, na mais perfeita retidão, todos alinhados e marchando no mesmo compasso, observando cuidadosamente o vocabulário (“afrodescendente” é o correto; “negro”, somente negro pode usar para descrever outro negro; “negão” é ofensa em qualquer contexto) e reproduzindo as palavras de ordem. Pena que tudo isso é somente aparência e é apenas a isso que tudo se resume: a aparência de correção é que deve ser mantida; por dentro as paixões, os preconceitos, as ignorâncias e os ódios permanecem os mesmos, já que nada dessa besteirada enriquece a alma. Só nos esvazia ainda mais de humanidade. Bons tempos em que se podia rir sem medo de um dedinho acusador na cara (dedo este vindo de alguém que se acredita possuir moral suficiente para apontar os outros. Ressaltando: “se acredita”. Nada mais): http://www.youtube.com/watch?v=KSmR41_tbq0

O autor está procurando chifre na cabeça de cavalo.
Não se pode mais fazer humorismo no Brasil.
Virou moda ver racismo em tudo e ele vai na onda.

Assim como vai na onda de propagar a ideia do PT (que paga seu salário através de propaganda sistemática de órgãos estatais na revista Carta Capital) de censurar a imprensa em seu benefício, como fazem a louca Cristina Kirchner, o maluco Maduro e o falso índio do país da coca Evo Morales.

No Brasil o racismo não é por cor do ser humano é pelo tanto de dinheiro que ele para gastar, assim ás pessoas são dividas nesse paizinho de meu Deus.

O quadro na minha modesta opinião é de humor apenas com crítica social ao governo que nada fez para mudar situações e ao povo que esquece em 5 dias de festa a sua condição precária nos outros 360 dias.

“O mito da democracia racial possibilitou que uma das formas mais perversas de racismo se propagasse no Brasil, aquela mascarada pelo status democrático, cuja aceitação e compreensão das diferenças não passam de pura dissimulação”.

A piada não é velha, e tampouco é uma piada. A mídia de massa tem uma ótica muito interessante sobre a população negra e a própria constituição de identidade nacional. No vídeo que se segue, o famigerado programa de domingos tenta fazer uma “piada” traçando paralelos históricos e comportamentos atuais presentes na sociedade brasileira, mas o que pode perceber é apenas uma reprodução do ente mais antigo e sórdido do nosso país, o racismo.
Para brancos de elite, pode parecer algo engraçado o Joaquim Nabuco ao sugerir o termo “afrodescendente”, pois é esta classe de imbecis que acredita que o “politicamente correto” é uma piada. Fica a dica pra quem concorda também com isso, você não sabe o que é preconceito nem justiça social.
Somos um país cercados de mitos e mentiras, o mito da miscigenação, da mestiçagem como uma necessidade nacional de construção de identidade, aproximando-se a uma eugenia nazista. E isto, aos olhos da elite é essencial para a desconstrução de uma justiça social que não seja apenas a mudança de nomenclatura de “escravo” para “livre”.
E o desfecho dessa imbecilidade maior, que é este canal em questão, a “entrevista final” (recheada de coxismo com catupiry) faz troça de programas assistencialistas atuais relacionando-os diretamente ao momento sórdido de nossa história. Para quem não tem domínio, ou alcance a uma leitura eficiente e sóbria sobre a questão, toda essa troça parece soar “inteligente” e uma crítica dura ao governo federal. Mas não é. É uma resposta direta e clara que o racismo é uma necessidade nacional para que uma elite, um grupo de brancos de merda se reafirmem sobre a maior parte da população brasileira, a população negra.

Dicas de leitura:

DOMINGUES, Petrônio José. Uma Historia não Contada: Negro, Racismo e Branqueamento em São Paulo no Pós-Abolição. São Paulo: Senac, 2004.
FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. 3ª ed.
São Paulo: Ática, 1978.
FERNANDES, Florestan. O Mito Revelado. Revista Espaço Acadêmico, Maringá,
Ano III, Número 26, julho de 2003. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/026/26hbrasil.htm

Concordo quando dizem que o teor do vídeo era uma crítica social, só que toda informação tem diferentes camadas de interpretação. A ideia primeira é de fato uma alfinetada nos pacotes assistencialistas do governo, mas há tantas outras coisas em jogo: é a ideia que negros só pensam na ópio que é o carnaval, que os negros são “fardos” sociais amparados pelos impostos das classes mais privilegiadas, que só terão acesso à educação superior a partir dos programas ” senzalões” de cotas, enfim, você ri de tudo isso e desqualifica o problema.
Semana passada uma atriz com veia cômica foi a um programa q também se presta ao humor e fez uma piada dizendo que se um amigo gordinho fosse vítima de bylling, ela desviaria o foco da gozação, fazendo piada com um judeu. Observe que ela não mencionou holocausto, nem Inquisição. Os judeus já a estão PROCESSANDO. Ela teve q pedir desculpas públicas. Disseram q é antissemitismo ( ?????)
Isso pq eles entendem q por trás de toda mensagem há ideologia. Então, há de se ter cuidado com os conceitos passados nas entrelinhas.

tá me parecendo, um pré conceito ouvir/ver tudo que diz a questão negros/racismo no Brasil com ouvidos/olhos defendidos. A sensação ruim que causa o programa de humor, não é por isso. Mas pela sarcasmo/ironia/critica ou qualquer coisa do tipo que o Bruno Mazzeo faz do paralelo entre a abolição e a situação atual.

Eu vi o quadro do Fantástico e li essa matéria do site Negro Belchior e digo que o site está totalmente equivocado quando diz que a questão do negro foi tratada com desdém. O quadro humorístico do Fantástico fez uma crítica incrível sobre a forma como a abolição da escravatura se deu no Brasil e como o governo vem tratando os negros (com pouca atenção) durante tanto tempo. Além disso, o quadro do Fantástico, fechou ironizando o carnaval como forma de prover diversão para que o povo esqueça de questões importantíssimas tais como a do negro entre outras. O humor apresentado no programa foi inteligentíssimo e talvez algumas pessoas não tenham conseguido entender a crítica ferrenha aos governos durante anos por não conseguirem garantir aos afro-descendentes condições semelhantes aos demais cidadãos. Quem não entendeu o quadro humorístico do Fantástico, deve assisti-lo novamente e tentar notar que a crítica foi ao governo por não conseguir garantir ao negro igualdade até hoje e não uma chacota com os negros! O quadro sugeriu que o Brasil é um país preconceituoso (embora de forma velada) e criticou sim os programas sociais atuais como “minha casa minha vida” e “bolsa família”, mas isso foi uma forma de dizer que esses programas sociais não resolvem, não são eles que vão trazer respeito e condições iguais ao negro. Essa foi a crítica maior em tom de ironia. Eu achei a crítica ao governo até muito ousada, em se tratando da Globo. Na verdade, o que muda as condições de alguém é a Educação, coisa que já foi estendida a todos, agora falta elevar a qualidade para que de fato faça a diferença!

Pra mim é óbvio, a visão do quadro é totalmente reacionária. Quando se tem essas expressões de que é tudo muito bonito e belo, e que racismo é idiotice, é porque se tem racismo no meio. Ao final mesmo, quando a ‘Princesa Isabel’ diz que os negros receberão bolsa afrodescendente ela está, na verdade, debochando do programa atual do bolsa familia que é vitima de críticas medíocres sustentadas apenas por racismo e uma visão elitista. Até pode-se argumentar-se contra esses programas assistencialistas, mas da forma que é feita, é apenas ódio disfarçado de argumento. Sabemos que a maioria dos pobres são negros, então vai tudo num tiro só, compare-se os negros com os pobres e diminui-se os dois numa só piada.

O vídeo foi uma sátira babaca e de muito mau gosto. A Globo devia se envergonhar de uma merda dessa que nada acrescenta para ninguém. E esse Bruno em quem acreditava foi mal.

Caraaamba, a Globo é babaca blz…. Compreendo totalmente essa indignação de vcs, mas o video foi feito para criticar a falsa concepção de fim da escravidão = fim da desigualdade racial …
O uso de comentários irônicos sobre bolsa família , bolsa escola etc, talvez tenha soado bastante agressivo pois ele usou palavras que na nossa sociedade as pessoas podem até pensar mas se envergonham de dizer em público.
E foi usado para enfatizar que essas medidas servem até hj como medida de pão e circo usada pelo governo para amenizar temporariamente um problema que vem de séculos pois até hj a população mais pobre Brasileira é composta em sua maioria de negros.

As pessoas adoram procurar pelos em ovos, fala sério, tudo vira motivo para criticar, o politicamente correto vai destruir o Brasil, ninguém pode falar mais nada na TV ou nor jornais que já é achincalhado ou taxado de adjetivos depreciantes. Não vi NADA DEMAIS no quadro. Mas o problema é que tem muita gente complexada neste Brasil. Assinado: PRETO orgulhoso de sua cor.

Não é preconceito dizer que a Carta Capital deveria editar os textos publicados em seu sítio, é? Assim, evitaria tamanhas falhas sintáticas.

Acho que o quadro está mais para uma crítica social do que um humor que denigre moralmente uma identidade. O fato é que após a abolição muitos libertos negros mantiveram uma condição social precária. Além do mais, sobre racismo e escravidão, não se pode tb passar por cima do fato que negros escravizavam negros na África, e mesmo no Brasil negros libertos adquiriram escravos, era uma elite negra. Aqui no Brasil a escravização dos negros teve uma caráter racista. Era a ideologia racista. Mas vivemos no país do carnaval; uma caricatura social. Enquanto a miséria existe, o carnaval acontece para fazer mais feliz o povo brasileiro? O samba no carnaval carioca é de cor negra. Os próprios negros carnavalescos reconhecem esse fato. Não dá para fechar essa análise em uma generalização. Sinceramente, já vi gente negra achando graça no Zorra Total, daquele personagem no metrô que se caracteriza de negra, cabelos crespos, boca vermelha e só fala asneira. Isso sim é racismo e um humor que se sustenta em denegrir uma identidade; negra, nordestina, pobre.

vcs só veem globo? a gazeta com seu convidado critico de TV jose armando vanucci na semana passada disse q o fantastico está decaindo em audiencia. há que se preocupar? sim, mas nao só com a TV !
TEM MUITAS OUTRAS FORMAS de discriminação na sociedade e que precisa de atenção. Jornais, revistas, INTERNET…

de a globo oque é da globo, de aos negros oque é dos negros, penso que a classe em questao aqui defendida é quem da maior ibope para o midia acusada.Alguns percebem a intecao da piada se e que ela tem uma , e outros nao, ignorancia ? talvez ! rindo assim da mesma piada, que almenta a colera de quem se acha humilhado pela mesma. Sendo assim se nem mesmo o grupo atingido se une contra quem o denicre, não e a piada que tem que ser censurada, mais o individuo desendente da cultura oprimida quem deve se concientizar … ja disse dona ana ” os proprio preto nao tao nem ae pra isso não … “

“Não…ce é burro cara, que loucura. Como você é burro! Que coisa absurda, isso aí que voce disse é tudo burrice… Burrice, eu nao consigo gravar muito bem o que falou porque você fala de uma maneira burra”

Caetano Veloso.

Não gosto da globo. Mas se tem algum destinatário da Crítica é o governo. Tá na cara que a princesa Isabel é a Dilma. PAREM DE FALAR DE DEMOCRACIA. DEMOCRACIA É UMA FORMA DE GOVERNO E SERVE PARA DIMINUIR O ALCANCE ESTATAL. Não é um atributo individual ou de um pequeno grupo. Nao se pode “exercer” a democracia porra. só se pode usufruir dela. se UMA pessoa faz um gesto libertário em uma ditadura, ela não cria nem exerce a democracia naquele estado! BURRICE!

O texto é uma demonstração de revolta sem sentido.
Se no passado o Negro pagou o preço da escravidão, hoje TODOS NÓS o fazemos.
Repito: Somos todos escravos. Obviamente, a forma de exploração é mais moderna, sutil. Mas sem dúvida alguma, não mandamos em nossas vidas. Pagamos Impostos e Taxas com reajustes 4 vezes a inflação oficial, sustentamos a parcela ainda MENOS favorecida da população, somos assombrados diariamente pela violência, péssima qualidade de transporte público etc…o BRASILEIRO MULTI-COLOR é vítima…obs.: se vale de consolo, GLOBO não é referência de jornalismo.

Não acredito q foi dito aqui q a venezuela e a bolivia estão avançando, seja em qual assunto for! Experimente escrever texto semelhante a esse por lá!!!

Gozar com o passado, com o presente e com os futuros dos negros (africanos descendentes sim, com muito orgulho!) é uma atitude vil, baixa, rasteira e abominável. Defender as políticas de inclusão e as cotas é o que devemos fazer. E rogo e peço a Deus que me permita ainda estar neste mundo para ver a queda e ruína dessa Rede Globo e dos Marinhos. INDIGNADO branquinho com alma de negro!

Não sei onde tá faltando mais inteligência. No quadro (supostamente) humorístico ou na interpretação totalmente equivocada do mesmo. Tamo mal.

A Globo não tem direito nenhum de fazer humor irônico a respeito do racismo, ela não tem PROPRIEDADE para falar do assunto muito menos Intelectualmente e Criticamente,quantos intelectuais negros são da globo ou melhor quantos negros trabalham na corporação globo quantos ocupam cargos poderosos nessa empresa?, a globo reproduz o racismo historicamente, rotineiramente. A Gravidade do vídeo não está no mérito da intencionalidade ou se critica ou não o racismo que perdura ate os tempos contemporâneos, a gravidade está na banalização de um assunto tão sério em que a sociedade não admitiu ainda como um problema social que deve ser combatido intensivamente por todos os meios inclusive pelos meios de comunicação e isso a Globo nunca fez, pelo ao contrário ela reproduz todos os dias o racismo nas novelas nos jornais e nos programas

Apenas uma coisa define a esquerda: CHATICE! Como a esquerda é chata!!!!!! Minha nossa. Por isso ela nunca vingou em país nenhum, quer ditar o pensamento das pessoas. Não tem o menor senso de humor. Tudo é razão para debate político e sociológico. Mas vamos viver e deixar viver. Que a vida aconteça a seu modo. Deixe de ser esquerda, quero dizer, CHATO!!!!!

A questão é simples: o vídeo de suposto humor inteligente ridiculariza as ações afirmativas e os movimentos sociais históricos do país. Piada com o sentido pejorativo que a palavra “negro” carrega, piada com o movimento sem terra (MST), com o próprio movimento abolicionista, com as ações de transferência de renda e com o governo de um partido nascido dos movimentos sociais. Mais uma vez os humoristas dessa nova geração “stand up”, representantes da classe média apolítica, dão voz sim ao racismo, se escondendo atrás de uma suposta revolta contra os chatos de plantão do politicamente correto. Prefiro então engrossar as fileiras dos chatos: isso não tem graça nenhuma.

A crítica é pela miopia do atual governo em privilegiar políticas que não visam a meritocracia e o alto desempenho. Também trata dos pacotes de bondade do governo que depois de anos são requentados e não comprovam eficazmente a autonomia trazida aos cidadãos. Seria muito feliz o governo aproveitar o gancho do empreendedorismo e mostrar cidadãos que saíram da pobreza, que precisaram da ajuda de programas assistenciais, e, POR CAUSA DA ASSISTÊNCIA, hoje conquistaram sua autonomia financeira com um pequeno negócio, principalmente exemplos das minorias. Isso seria um incentivo aos demais e essa campanha pode melhorar a imagem do governo nesse sentido.

Tata Werneck disse brincando no programa amor e sexo da rede globo
que se tivesse um amigo gay sofrendo bullying
ela desviaraia o foco para algum judeu.
Ameaçada de processo pela comunidade judaica
ela rapidamente escreveu carta pedindo desculpas
Por que essa turma politicamente incorreta não enfrenta os judeus?

Judeus são engraçados não pode fazer piada com eles mas eles adoram esculachar os negros
exemplo: mauricio scherman (diretor do zorra total)

Negro é maioria mas não tem força nenhuma
Por isso ninguem tem medo
eles fazem piada e nem pedem desculpas
exemplo danilo gentili

OJudeu quer que ela se retrate no mesmo programa
para que o Brasil todo saiba que o Judeu não é para sofrer bullying na escola.

Leia a mensagem completa que Tata Werneck enviou a Fierj
http://www.ruajudaica.com/

Bem diferente da carta aberta debochada e humilhante que danilo gentili escreveu
na piada do king kong que ele metia o pau nos negros
pq o gentili não fez o mesmo com os judeus? na hora de pedir desculpas ele poderia ter debochado, falado coisas como por exemplo: “o holocausto nunca foi provado” ou “israel mata milhares de israelenses” ou judeus de hoje em dia não são os mesmos de antigamente”
danilo gentili king kong resposta
http://danilogentili.zip.net/arch2009-07-01_2009-07-31.html

Vamos reeditar a Lei Áurea, e rever os direitos das manipulação mídias de suas más intenções, e aqui eu confirmo que a Rede Globo de Televisão é RACISTA, e Burguesa,… Vamos exigir COTAS em todas as esferas de poderes do Brasil.

Muito bem, mais uma discussão sobre o racismo e as elites opressoras, escravidão, etc. etc… Mas o que os brasileiros, sejam de que cor, etnia ou time querem? Querem dinheiro, dinheiro, e felicidade. Quem quer vencer, trabalha, enfrenta o desprezo e discriminação, a vergonha e tristeza de ser pobre e não ter nunca a vida que viu alguns privilegiados desfrutarem, e através de um grande esforço e sofrimento, tenta comprar suas coisas e levantar a cabeça. Tem muita gente que não cumpriu seus sonhos, não gosta como a vida funciona, e acha que vai mudar as regras do jogo culpando os proximos, geralmente pobres como essas pessoas. Usa sua pobreza como arma política para chegar a uma condição melhor, para se afirmar socialmente como injustiçado.
Mas o que faz essa gente quando chega lá? Quer desfrutar da maneira mais opressora possível, pouco liga para os que no início chamava de irmãos oprimidos, passa a ser parte de um pequeno grupo orgulhoso, da minoria que venceu, e é racista, racista como os que o desprezaram no início… Hipocrisia, coitadismo, quem quer o bem do Brasil?
Querem mesmo o seu bem pessoal. Quem quer realmente mostrar seu valor não perde tempo com retroativos históricos, trabalha e não dá confiança, chega de ilusionismo, nenhum negro quer voltar para a Africa, suas referências sociais são sempre países de cultura branca… Existem sim preguiçosos e festeiros, brigões e burros, em todos os países do mundo. Quem quer viver melhor, evita estas pessoas e mergulha a si e a sua família no trabalho e no estudo. Aviso aos brasileiros: Não se pode ter o melhor de dois mundos, cultura é trabalho duro e forçar a cabeça nos estudos,dia e noite. E assumir e cuidar da família. O resto é conversa fiada e complexos de quem não gosta de ser o que é, ou como nasceu. Mas a maioria dos seres humanos não gosta, mas alguns se esforçam mais.

Pelo Amor de Deus! Agora tudo é racismo, sendo que a raça, é humana (Na verdade dentro da Taxonomia estamos dentro de uma Subespécie – vulgo raça – chamada Homo sapiens sapiens [H. s. sapiens], porém as outras Subespécies que existiam [H. s. idaltu e H. s. neanderthalensis] foram extintas, desta forma estaria em desuso chamar de Raça [Subespécie] Humana. O correto seria Espécie Humana, já que deve existir Subespécie [ou Raça] apenas quando existe 2 ou mais indivíduos que não possuem capacidade de se reproduzirem, e caso consigam, gerarão seres estéreis)!
E dentro desta Subespécie (Raça), existe etnias ou grupos étnicos e não raças, pois ao se cruzarem, conseguem reproduzir novos espécimes humanos férteis; sendo assim, da mesma espécie e/ou subespécie…
Voltando ao vídeo… Não vi nada desta maldade neste vídeo… Tá muito mais na forma como o autor deste texto quis ver.
Engraçado que muitos dos que veem maldade ou ‘racismo’ neste tipo de crítica, crônica, piada, humor ou sátira (a hipócrita patrulha dos ‘politicamente corretos’); são os mesmos que acham normal existir camisas “100 % Negro” e “Revista Raça” alegando que isto, não é racismo, mas apenas ser orgulho de ser o que é – ou seja: ‘ser humano’. Orgulho de pertencer a determinada etnia, seja branco, amarelo, vermelho, preto, cinza, é uma básica definição do racismo criado no séc. XVIII por cientistas escravocratas, totalmente sem embasamento científico biológico e sim apenas para sustentar seus princípios preconceituosos, distorcidos e manter um nicho econômico que lucrou muito por quase 400 anos: o tráfico de escravos majoritariamente, africanos e negros.

Eu já tenho uma opinião formada sobre a Rede Globo. Eu já tenho uma opinião formada sobre o racismo e a banalidade no tratamento de anos de escravidão. Eu já sofri o racismo na pele. Já foi confundida com alguém pq era negra. Já fui recusada em muitos trabalhos porque levaram em consideração a cor da minha pele aos invés do meu conhecimento. Já perdi “amigos” pq fizeram algum tipo de comentário preconceituoso sobre a minha melanina ou da minha família. Já me seguiram em lojas porque o ambiente não era “propício” para negros e entenderam que eu não possuía condições para quaisquer aquisições ali. Já me pediram para não usar tranças no trabalho, quando outras tantas “brancas” o fazem sem nenhum problema. Já deixei de adquirir algum item de beleza porque não havia “indicado para negros”. Todos os dias tenho que provar que sou melhor que os outros pq sou mulher, negra e pobre, combinação explosiva. Já me dirigiram que “sou uma negra de alma branca” pq sou legal (RS), cordial, educada… Como a maioria, assisti ao vídeo e achei totalmente racista sim. A forma como o negro é mostrado e as questões sociais levantadas os colocam como coadjuvantes num cenário que eram os atores principais, pois lutaram e morreram pela sua liberdade e dignidade. Agora, leio tantos jovens escrevendo que é besteira, dramaticidade, exagero, concordando que não houve intenção racista e concluo: é por isso que o Brasil continua como está e essa grande maioria do contra é branca. É por jovens que mantém essa visão deturpada do cenário que estão inseridos que as coisas não mudam, o Brasil não avança e nada melhora. O que mais me preocupa é que tenho uma filha de pele branca e preciso estar embasada, histórica e cientificamente sobre o racismo para poder orientá-la. Porque o racismo a atingirá por mim e não pela sua própria pele. De qualquer forma, agradeço aos racistas todos os dias pq os obstáculos impostos e os pés no traseiro, só me levaram adiante e me impulsionaram a ser uma pessoa apontada como exemplo: de luta, de conquistas e vitórias, mas acima de tudo, por tornar-me um ser humano altruísta sobre o futuro que nos espera. E que Deus nos ajude.

Blog claramente tendencioso, com aquele ativismo esquerdista de sempre! Os negros sempre (eu disse , SEMPRE), sendo os coitadinhos, e os brancos, sempre os opressores. Como se o mundo não fosse dividido em pessoas boas é más. Acorde para a vida, Sr. dono do blog. Assim como existem brancos maus e bons, existem negros maus e bons, tmb. Quer dizer, o autor do blog tira uma reportagem do fantástico, e diz que isso é racismo! Não vi racismo nenhum nisso! Ou discordar de um negro é racismo? Pra mim, isso cheira a histeria coletiva. Qualquer motivo se transforma em preconceito ou racismo. Mas, claro, isso faz parte dessa esquerda radical e doente, pois querem manter o poder a todo o custo!

Tudo depende de quem é o alvo da sátira, o opressor ou o oprimido. No caso do vídeo do Fantástico, claramente a sátira é em cima do opressor, não há nada contra o oprimido, tem que fazer um esforço muito grande para enxergar alguma coisa nesse sentido. Enfim, acho que transformar o assunto num tabu não ajuda a resolvê-lo, um pouco de bom senso não faz mal a ninguém.

O Brasil não é branco. Não é negro. Nem amarelo. As mudanças estão acontecendo. Não adianta forçar. Chega de cotas. Vamos simplesmente obedecer e fazer valerem as leis existentes. “Todos são iguais (ou deveriam ser) perante a lei”.
FIM AOS PRIVILÉGIOS.

Sou um concurseiro branco… me declaro suspeito. Sei que minha opinião é viciada, tendo em vista que sou parte interessada em um litígio envolvendo brancos e negros. Não por minha vontade, mas por uma mera incompetência do Governo, que criou um problema em que tem-se como objeto da lide o concurso público e como partes, de um lado os brancos, e de outro os negros. Tem-se também o ingresso, neste processo, dos petistas, como terceiros interessados, ao lado dos negros.
obs.; alguns ignorantes, que não têm conhecimento da lei, e que vêem o processo de fora sem conhecimento prático chamam isso de “politica de igualdade”.
aqueles inseridos no sistema chamam isso de burrice.

Bom, assim como muitos dos comentários, a matéria acima não tem sentido algum. Não encontrei preconceito algum no referido quadro do fantástico, mas sim, a tentativa feita com sucesso de satirizar a abolição da escravatura no Brasil, já que depois de “libertos”, os ex-escravos não tinham para onde ir e\ou trabalhar e, portanto, foram abandonados pelos governantes da época. Ridículo também é o comentário desses que dizem que o referido programa só agrada “a classe média e a burguesia nojenta de nosso Brasil”. Bem, esses falam sobre a burguesia nojenta do país mas trabalham para ela e na primeira oportunidade que surgir, entrará e passará a fazer parte da tal classe social. Brincadeira viu.

Claro, “programas sociais” sustentados por dinheiro dos outros é fácil fazer. O Mensalão seria um exemplo de programa social? Distribuir esmolas enquanto se rouba bastante também é muito fácil, como esse governo faz. O difícil mesmo é dar educação, segurança e saúde,

Em minha humilde opinião, tem “tv” quem quer (mera opção). Quem a quer, assiste à Globo se quiser. Portanto, você é quem dá o “ibope” da Globo! Criou-se um “estigma” que a Globo “manipula”… Mas, “quem” e “por que”, se deixa manipular?? Tenho “TV” por opção e só a vejo quando quero e o que quero. Não me considero manipulada e nem manipuladora, num país cuja população em sua maioria, utiliza a TV como único meio de informação e de “cultura” (pesquisa realizada pela USP). População que não tem acesso à educação e se deixa manipular por qualquer um. Basta olhar em nossa volta. Não precisa ser nenhum “intelectual”.

Vai para Venezuela passar fome seu esquerdopata fajuto. E leva a petralhada toda junto. O monopólio das oligarquias na comunicação é mesmo ruim, mas pior seria se a gangue do PT colocasse as mãos. Lullalau deve ser a reencarnação de Goelbes, então é melhor deixar ele e vocês – abilolados revoltados – fora do poder.

Vai para a Venezuela passar fome e faça um favor aos milhões de brasileiros que cansaram de vocês!

Desde que assisti o vídeo no fantástico, julguei o tema delicado demais para piadas tão escrachadas.
Na verdade é bastante ingênuo pensar, como afirma o autor, que um meio de comunicação como a Rede Globo transmita algo do tipo sem que haja antes uma avaliação dos futuros impactos sociais causados.
É completamente claro, não apenas neste vídeo, e sim na mídia em geral, que o espaço do negro se resume a 5 esteriótipos: escravo, artista, marginalizado, esportista e folião alegre. É claro ainda o quanto o espaço cedido aos negros é tão restrito, na TV e o quanto isto não evolui de forma alguma no Brasil. É uma visão retrógrada que não julga o negro capaz de ser protagonista de novela que não se chame “Da cor do pecado” ou representante de um produto que não seja característico para o seu tipo de pele.
Enfim, a intenção do Bruno Mazzeo pode até não ter sido pregar o preconceito racial, mas reforça este pensamento, assim como toda a programação televisiva, fazendo uma lavagem cerebral que limita a capacidade do negro.
Infelizmente, enquanto não boicotarmos, esta situação estará longe de mudar.

No mínimo desnecessário este quadro feito pelo Bruno Mazzeo. Pra mim, dá margem sim para as pessoas pensarem que há segundas intenções por trás disso. Lamentável.

Outra coisa, apesar de ser um assunto delicado que deve ser trado com todo o cuidado e reflexão, como Hiroshima e o holocausto, percebi também que o quadro tem uma catucada nos governantes atuais no sentido de que, na verdade, nada mudou de lá pra cá.

É só observar a novela global, VIVER ÀVIDA ,negros aparece sempre de fundo.e quase sempre não tem fala.Esta novela tem preconceito até com funções;como auxiliar de enfermagem, e vendedor de hot dog,na publicidade tem sim,muiiito preconceito.E em todas as emissoras de tv.

Eu entendi a intenção do Bruno Mazzeo como uma crítica ao governo e seu assistencialismo, que transforma o povo em parasitas e garante votos para a manutenção desse absurdo. Mas concordo com o autor do blog ao dizer que não se deve fazer piada com a escravidão.

A reportagem foi preconceituosa sim. Mas vai muito além de um simples e cruel ato de racismo, pois é nas pequenas e poucas falas que se constrói todo o pensamento de um povo, e neste caso o que está claro é a intensão de ridicularizar toda a luta do povo negro que vive e sobrevive em nosso Brasil.
O racismo brasileiro se faz no dia a dia e não em ações diretas contra um ou outro, estas aqui são exceções.

Vi o vídeo primeiro e depois li o artigo. Como tive uma impressão diferente do Belchior, ao ver o vídeo pela primeira vez, resolvi ver novamente o vídeo tentando visualizá-lo sob a ótica do Belchior; não consegui mudar de opinião. Pra mim, fica claro que a intenção do Bruno Mazzeo era justamente uma crítica ao governo, à sociedade brasileira atual e, também, à alienação do povo, que, através do Carnaval e outras festas e datas comemorativas, é complacente e meio “conivente’ com a desigaldade/discriminação social/racial existente em nosso país. Ah, e antes de me rotularem e me julgarem pelo que eu não disse: sou negro, já sofri e sofro bastante racismo, acho, sim, que muitas matérias são racistas, mas creio que não é o caso desta. Tentem ver o vídeo sob esta outra ótica também. E, a partir daí, formem a opinião de vocês. Abraço!

Luciano Huk, William Bonner, Pedro Bial, William Waak, Sandra Annemberg, Cristiane Pelajo, Carlos Sanderberg, Tiago Leifert, Arnaldo Jabor, Serginho Groisman, Boris Casoy, e muitos outros incluindo apresentadores, atores, diretores, ocupam posições de destaque na midia, todo esse pessoal tem em comum o fato de serem descendentes de Judeus. A comunidade judaica no Brasil tem 250mil pessoas, a comunidade negra mais de 100 milhoes, qual a chance de um dia existir um Pedro Bial negro? um Arnaldo Jabor negro?

Excelente artigo, que pretendo publicar em meu site, evidentemente preservada a fonte. Há no Brasil uma estupidez que se institucionaliza, ou seja, tratar de determinados temas sensíveis como se ele fosse uma deslavada brincadeira de crianças. A isso os detentores da mídia dizem chamar-se humor. Isso não é humor, é achincalhe, é desrespeito, é, como meus amigos dizem por aqui, uma putaria deslavada. Já vi quadros de humor absolutamente imbecis, e uma coisa imbecil só pode ser autorizada por imbecis e criada por imbecis. Estou farto disso. Do ponto de vista ético, é impossível fazer gracinhas com a canalhice do escravismo, como fica difícil fazermos piadas com o holocausto. Não sou negro, sou branco, sou judeu e sei muito bem como isso funciona. Bando de gente medíocre tentando convencer os demais a serem igualmente medíocres. Dê uma olhada no meu blog, e se você não concordar que eu publique, pode mandar um mail que eu tiro na hora. Um grande abraço, e vamos dar à farsa o nome que ela merece. Farsa, burrice, ódio, jogo favorável às classes dominantes, o que você quiser e estará certo. Só não digo que eu fico envergonhado porque jamais teria colaborado com esse tipo de humor, que, aliás, nem esse nome merece. Chico Anísio deve estar se revirando no túmulo. Grande abraço, amigo, Shalom.

Caro Hilton, feliz ano novo querido!
Agradeço suas palavras de apoio.
Vc nao deixou o endereço de sue blog, mas desde já esta autorizado a reproduzir o texto.
Adoraria um bate papo pessoalmente um dia desses.
Grande abraço!
Meus contatos: [email protected] ou FACEBOOK: Douglas Belchior preto

Por minha experiência de vida tenho certeza de que a pratica revoltante do racismo (principalmente o eficientíssimo e sutil racismo brasileiro) só poderá ser combatido por leis adequadas, que por sua própria natureza serão com alta probabilidade violentamente contestadas pela maioria, até mesmo por parte dos, digamos, “não brancos”.
Sugestões (para quem tiver “bolas” e poder para executar, ou para quem se expuser, apoiando)
1 – Cotas para empregos na iniciativa privada (vá aos escritórios das grandes multinacionais farmacêuticas em santo amaro, sp e veja com seus próprios olhos a fauna local).
2 – Cotas para CARGOS DE DIREÇÃO, ou seja, os conspícuos D.S. do serviço público, municipal, estadual e federal. (Já que nos cargos subalternos os negros e mestiços são preponderantes)
3 – Cotas na Midia, principalmente na televisiva, aonde é espantoso o crime contra a população não branca que é cometido às vistas de todos, sem reação.
….Já passei da metade do meu tempo no planeta, minha preocupação recente resume-se a um provável renascimento no Brasil, criança pobre e negra, de olhos esbugalhados, testemunhando chorando e horrorizada, o assassinato dos proprios pais.

Que porcaria, agora tudo tem que ser do jeito que vocês do MSWREPQP querem, já que inventam siglas para tudo, e terminam sempre com “simpatiZantes”. Do jeito que querem, o futuro precisaremos de cota para sermos brancos. E te pergunto, Belchior, se eu colocasse “Branco Belchior” em um blog, não seria racismo é? Porque? Porque somos a classe burguesa, blá blá blá, é só isto que têm?

E os cantores de pagode, funk, todos negros, fora os jogadores de futebol… não vale bolsa para brancos não? É cultura deles, eles se destacam? Vocês criam labirintos que se quer, são capazes de sair.

Ronie, vá a [email protected] que o pariu. Se não é capas de conseguir algo por conta própria, se mate. Se quer que as coisas sejam iguais, PORQUE DIABOS quer que um lado seja BENEFICIADO. Na verdade eu sei, porque não hipócritas.

O vídeo retrata o que se acontece hoje com o homem negro na sociedade. Talvez poderia sim de formas diferentes de se fazer o ” humor” Mais,infelizmente hoje o que temos são mercados, do que ataca e do que se defende.
RAÇA NEGRA: Bem, eu pertenço a RAÇA HUMANA e sou etnicamente Negro.
DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA: Bem eu preciso sim a averiguar, saber de toda a nossa história não em um dia comercial, mais sim todos os dias que derem muita vontade.
E por ai vai… Não é fácil estar na pele do ” oprimido” Mais é muito mais difícil quando você tentar deixar de ser oprimido e para sim ser um ” opressor” EDUCAÇÃO és a questão de tudo.
Se o Mandela pensasse como nós Brasileiro ele só seria mais um. Então tudo que muda é a EDUCAÇÃO e analisar o seu redor. Perguntamos a nós mesmo: É esse vídeo que é o nosso verdadeiro inimigo? Ou é a falsa educação com políticas afirmativas que firmam separação = ao racismo? Já se perguntou o que muda a cada vídeo ” um tão mal intencionado” na sua vida? O interessante é sempre nos perguntarmos o que nos afeta e o por que ficamos afetados. E claro como dizia o nosso eterno Nelson Mandela; ” Temos que negociar, conhecer o nosso inimigo e suas fraquezas”

Na minha opinião, a miscigenação em nosso país não foi uma bênção, foi uma maldição, pois mesmo sendo o Brasil um país miscigenado, é possível perceber que existe racismo e muita desigualdade econômica entre os diferentes grupos étnicos da população, sendo que os mais pobres são em sua maioria negros. Se a miscigenação no Brasil fosse realmente uma bênção não teríamos esse racismo velado e essa imensa disparidade econômica entre Brancos e Negros.

lucifer ta contente por existir EUA[a nação mais perversa enganadora e demoniaca de toda a historia] e as organizações GLOBO..entidade mentirosa fraudulenta e diabolica.tentando induzir o povo a ridicularizar uma ação[progamas] que beneficiou tanta gente que precisava de uma moradia melhor!…ah!! da globo saira alguma coisa boa??…nao e certo que nao!.

É como eu sempre digo; a Carta capital e blogs associados vieram pra confundir; hora criticam o governo instituído, hora o defende como se fossem “petistas” fundamentalistas.

O programa de comédia ridiculariza justamente a tal “abolição”, a tal “libertação” dos escravos. Foram libertados para comer capim, dormir debaixo de árvores, beberem alguma água barrenta?

Após séculos de abandono, os descendentes dos ex-escravos (negros, mestiços, brancos) são presenteados com bolsas e pochetes, pois estes programas são bem mais práticos do que instituir educação e arte, lazer e desporto, saúde e saneamento de qualidade e eficientes.

O “Senzalão da Educação” citado no quadro humorístico do Fantástico é bem explícito em relação às porcarias inalguradas pelo Brasil, muitas por prefeitos do PT também. São edifícios sem qualidade nos métodos construtivos e nas solução arquitetônicas, ambientes escuros, sem ventilação, com uma lateral inteira voltada pro leste ou pro oeste, com telhados de metal, construidos em faixa de terreno em meio da duas avenidas, sem espaço recreativo e quadra de desporto.

Quem conhece as casas de R$ 35 mil do governo sabe que após alguns anos, tais bairros, se transforma em favelas, graças ao abandono do estado com relação ao código de edificação.

E sim, o quadro da própria Globo critica pessoas que preferem deixar pra lá e ir curtir a semana de 10 dias do carnaval.

O motivo de piada são as pessoas, que depois dos 7 milhões de humanos uzurpados de suas escolhas básicas, se dão por satisfeitas a cada espelhinho de bônus na parede de uma casa, numa sacola, numa cocota.

Ultimamente temos visto muitos episódios de racismo no Brasil, fora os que não sabemos. Mas, fiquei estarrecida com o nome da nova série da rede Globo, que se chama: ” O sexo e as negas”.
Vergonhoso, além de ser um nome extremamente racista, ainda faz uma menção vulgarizada das mulheres negras, nos chamando de “negas”.
Quando algo deste tipo é colocado em um meio de comunicação tão abrangente como um canal de televisão, causa muitos danos, com pessoas que irão usar este título tão vulgar para fazer bullyngs. principalmente entre jovens e adolescentes. Espero que por respeito a raça negra e a nós mulheres negras, este título degradante seja mudado. Pois antes de sermos negras, somos seres humanos e mulheres.

“assassinatos que tem como principais vítimas os jovens negros”, que são assassinados por jovens negros…mas essa parte é omitida por algum motivo.(qual será?)
Engole um pouco de conhecimento aí caro autor intelectual.
http://www.brasilescola.com/historiab/comercio-escravos-na-Africa.htm
http://midiadeofertas.blogspot.com.br/2011/05/zumbi-dos-palmares-tinha-escravos.html
Se a Globo faz isso é porque gostam, afinal apoiam toda a programação dessa emissora.
Votar no PT/assistir à Globo para depois reclamar é hipocrisia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code