Categorias
Genocídio Negro Movimento Negro

Palavras de ordem e orações pedem justiça em caso de Evaldo Rosa dos Santos

Por Rozangela Silva

No fim da tarde de ontem (14) mais um ato em solidariedade à Evaldo Rosa dos Santos aconteceu: na Estrada do Camboatá, em  Guadalupe, que transcorreu em clima de paz e foi permeado por orações e preces.

Nem a fina chuva que caiu no bairro desanimou um grupo de amigos que convidaram músicos, compositores e artistas. O Ato, orquestrado pela Cultura Popular Carioca, com integrantes de samba e rap, reuniu cerca de 80 agentes culturais, número alusivo aos 80 tiros disparados no carro do músico brutalmente assassinado há cerca de uma semana.

Fotos: Rozangela Silva

“A dignidade humana precisa ser resguardada em todos os sentidos. Sou solidário a família, parentes e amigos e estarei junto buscando respostas para a elucidaram esse crime e punirem os envolvidos”, contextualiza Ivanir dos Santos, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e babalaô.

De cunho simbólico e pacífico orações preces e falas exigindo providências foram realizadas. Outra grata homenagem ficou por conta do grafite feito pelo MC Grafiteiro Airá – O Crespo, que estampou frases e o nome Manduca, apelido de Evaldo. O desenho foi feito exatamente em frente ao local cujo o carro da vítima fora alvejado, onde é possível perceber furos dos tiros.

Um amigo, estampou no carro o nome do grupo de samba que Evaldo participava: o Remelexo da Cor. Uma roda humana se formou no meio da rua para preces e orações, além de falas cobrando justiça. Distribuíram ainda bandeiras do Brasil manchada de sangue e com furos.

“O Ato foi importante para que familiares e amigos mais próximos não se sintam sozinhos na cobrança por justiça. Foi importante para a mobilização dos artistas e agentes culturais que vivem na região e sofrem constantes violações de seus direitos em abordagens de patrulhamento policial, no ir e vir cotidiano”, alegou Marcelo Santo, do movimento Cultura Popular Carioca.

Outro ponto alto, ficou por conta da palavra de ordem “Manduca… Presente!”, seguida de uma salva de palmas, que deixou todos emocionados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code