Categorias
Sem categoria

Pela moralidade na administração pública em Poá

É latente a enorme quantidade de cargos comissionados criados desde o início do mandato de Roberto Marques. Sabe-se, é claro, que alguns são necessários, mas observa-se que os criados pelo atual prefeito são, em sua maioria, inúteis. Servem simplesmente para desabastecer o erário público e agraciar apaniguados de partidos políticos.

Além disso, o nepotismo é comum. Vemos familiares de prefeito, vereadores e secretários por todos lados dos órgãos municipais. É com alívio que se recebe a notícia de que a promotora substituta da Comarca de Poá, Luciana Marques Figueira, expede recomendação ao prefeito para que exonere parentes até terceiro grau, limitando as demissões ao dia 2 de fevereiro. Caso não o faça, será aberta uma ação civil pública.

A recomendação é para exoneração de todos os parentes que estão em cargos, em qualquer órgão da esfera pública municipal. Assim, será necessário também a demissão de André Marques, filho do prefeito e Secretário de Governo, e Maria da Graça Chaia Marques, esposa do prefeito e Secretária da Promoção Social. A população deve ficar atenta para que haja o cumprimento por parte de Roberto Marques, o qual deverá enviar cópia dos atos demissionários para a promotoria.

Aquilo que todos reclamavam, foi visto pela promotora. Há ainda, em paralelo, processos para que ocorram a demissão de todos comissionados e sejam contratados os concursados. Se o prefeito da cidade de Poá não age eticamente, não age moralmente em respeito ao povo, a justiça deve então, assim como fez, fazê-lo cumprir seu dever constitucional: tomar decisões sem favorecimento pessoal.

Por Leandro de Jesus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code