Categorias
Noticias

Preso pela morte de Marielle, o PM Ronnie Lessa fingiu ser negro no momento do crime

Por Marina Souza

De acordo com as informações divulgadas ontem (12) pela Delegacia de Homicídios da Capital do Rio de Janeiro, o policial militar Ronnie Lessa, que agora está preso pelo assassinato do motorista Anderson Gomes e da vereadora Marielle Franco, ao lado do ex-agente Élcio Queiroz, fingiu ser um homem negro durante a execução do crime ocorrido em março do ano passado.

Dentro da corporação que fazia parte, o agente reformado era conhecido como o “exímio atirador”. Com o objetivo de enganar possíveis filmagens locais, o PM usou um protetor de braço preto, que costuma ser usado por jogadores de basquete.

Ronnie Lessa foi preso nesta terça-feira (Foto: Reprodução)

Os acusados planejaram o crime durante três meses. Psquisaram os locais e horários que a vereadora frequentava e usaram uma submetralhadora HKMP5 no momento do assassinato.

Na manhã desta quarta-feira (13), a Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil do Rio fez uma nova operação cumprindo 16 mandados de busca e apreensão. Mas ainda não há respostas para os grandes questionamentos do caso: quem mandou matar Marielle? Por qual motivo?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code