Categorias
Violência Policial

Protesto contra PM lota auditório da UFSCar

????????????????????????????????????

 

Por Smetal Sorocaba

Centenas de estudantes, professores e representantes de organizações sociais se reuniram na noite de segunda-feira, dia 28, na unidade da UFSCar do bairro Santa Rosália, em Sorocaba, para protestar contra a intervenção da polícia militar em um trabalho curricular dos alunos da escola estadual Professor Aggêo Pereira do Amaral, no início deste mês.

“O trabalho tava no mural da escola. A PM foi lá, fotografou, postou nas redes sociais e nas páginas do comando da polícia na internet. A polícia também emitiu nota [à imprensa] julgando professores e alunos”, explicou a coordenadora da Apeoesp, Magda Souza. “Professor e alunos, menores de idade inclusive, passaram a sofrer ameaças após serem expostos pela polícia”, criticou.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB de Sorocaba, Hugo Batalha, repudiou as ações da polícia. “A PM tentou interferir no trabalho escolar, tentou censurar e ainda repreender um professor no exercício de suas funções”.

“Tentaram interromper a exposição interna dos trabalhos. Está claro que foi uma medida institucional da PM. Os policiais receberam ordem do comando para agir”, afirmou Hugo.

Trabalho de filosofia

????????????????????????????????????
Cartunista Carlos Latuff e o Advogado Hugo Batalha

A repressão da PM ao trabalho escolar, que abordava justamente a violência policial, ganhou repercussão nacional. O cartunista Carlos Latuff, que teve uma ilustração sua utilizada no trabalho, veio do Rio Grande do Sul para participar da manifestação em Sorocaba.

O trabalho escolar solicitado aos alunos do Aggêo, por um professor de filosofia, Valdir Volpato, refletia sobre a violência a partir de uma obra do pensador Michel Focault, chamada “Vigiar e Punir”.

O ato público foi organizado pela Apeoesp (sindicato dos professores da rede estadual) de Sorocaba e pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Sorocaba.

Algumas instituições representadas no ato: UFSCar, Uniso, Unip, Etec Rubens de Faria, Faculdades Anhanguera, SMetal, Unicamp, Psol, PT, coletivo feminista da Fadi, Flamas, diretórios e centros acadêmicos de várias universidades, além de alunos de diversas escolas estaduais e grêmios estudantis municipais e estaduais.

 

 

 

Uma resposta em “Protesto contra PM lota auditório da UFSCar”

Tem gente que diz que, quando os PM’s agem de forma truculenta e antidemocrática, é porque foram mal preparados. Na verdade, eles estão é muito bem treinados, e estão agindo de acordo com o que se espera deles. Porque na sociedade capitalista em geral, mas sobretudo no capitalismo à brasileira, a dinâmica social que favorece apenas o 1% do topo da pirâmide depende da sujeição dos 99%, e é para isso que servem as polícias, como atualmente estão configuradas. Elas servem para manter os muros dos guetos erguidos e os portões fechados, eles servem para não deixar os pobres saírem dos lugares que lhes são devidos, eles servem para desagregar e para acabar com possibilidades de luta. É isso que querem aqueles que acreditam que a panaceia para os problemas sociais é o investimento massivo nas polícias repressoras. Enquanto isso, a educação, a saúde, a cultura e o saneamento seguem abandonadas. O Brasil é o país no qual as coisas não acabam direito. A escravidão não acabou direito, a ditadura não acabou direito, o período colonial não acabou direito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code