Categorias
Cultura Sem categoria

Cultura preta: quais são as novidades do segundo semestre de 2019?

O segundo semestre de 2019 chegou e com ele uma série de lançamentos e estreias na música, teatro, literatura e cinema. Aqui reunimos as mais recentes novidades da cultura preta e periférica de São Paulo, confira a agenda e mais informações sobre cada evento.

Peça “Terror e Miséria no 3º Milênio – Improvisando Utopias”
Quando? Em cartaz de 28 de junho a 28 de julho
Onde? Sesc Bom Retiro – Alameda Nothmann, 185, Campos Elíseos, São Paulo
Saiba mais: http://bit.ly/terror3milenio

Inspirada no clássico de Bertolt Brecht, a peça se une a cultura Hip Hop para apresentar um panorama sobre a violência. É uma visão que coloca, em mundos paralelos, os dias de hoje e os anos que antecederam a explosão do nazi-fascismo, na época da Segunda Guerra Mundial. O elenco formado por 11 atores MCs discute também os privilégios e opressões vindas do racismo, do preconceito de classe e gênero. O espetáculo é montado pelo Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, com a direção de Claudia Schapira.

Lançamento do livro “Pensando como um negro: ensaio de hermenêutica jurídica”
Quando? Dia 02 de julho, das 19 às 22 horas
Onde? Livraria Tapera Taperá – Loja 29, 2º andar – Avenida São Luís, 187, São Paulo
Saiba mais: http://bit.ly/pensandocomonegro

Adilson José Moreira, professor, advogado, Mestre em Direito Constitucional pela Universidade Federal de Minas Gerais e Doutor em Ciências Jurídicas pela Universidade de Harvard, lança dia 2 de julho, em São Paulo, o livro “Pensando como um negro: ensaio de hermenêutica jurídica”. Por meio de um estudo integrado entre narrativas pessoais e análises teóricas, o livro discute as consequências entre o formalismo jurídico e a neutralidade racial na interpretação da igualdade.  A publicação apresentada pela editora Contra Corrente vai abrir um debate no dia do seu lançamento com a professora Gislene Aparecida Santos, da Faculdade de Direito da USP, e o professor Dimitri Dimolis, da Escola de Direito da FGV, na livraria Tapera Taperá.

Mostra de Cinemas Africanos
Quando? De 10 a 17 de julho
Onde? Cine Sesc –  R. Augusta, 2075, Cerqueira César, São Paulo
Saiba mais: http://bit.ly/mostracinesafricanos

Serão 24 filmes de 14 países do continente africano na exibição da Mostra de Cinemas Africanos.  Essa é a 4ª edição do evento que traz, em 1 semana, uma seleção de produções reconhecidas em grandes festivais de cinema e aclamados pelo público e também pela crítica. Grande parte dos filmes nunca foi exibida no Brasil e eles serão o centro de debates que o evento trará, com especialistas em cinema, sobre cada narrativa. 

Lançamento de”O.M.M.M.”, novo disco de MAX B.O

O rapper Max B.O completa 20 anos de carreira e comemora com o lançamento de seu novo álbum. Fazendo ode à camaradagem, ele reúne uma série de participações especiais, beatmakers e músicos. Curumin, Rael e Lucio Maia são alguns dos nomes envolvidos. Esse é o primeiro trabalho de inéditas do artista, que apresentou por 6 anos o programa “Manos e Minas”, da TV Cultura. Depois de inúmeras parcerias e das mixtapes “FumaSom Vol. 1” (2013), “Antes que o Mundo se Acabe “ (2012) e o álbum “Ensaio, O Disco” (2010), é hora de “O.M.M.M.”

Ouça aqui:

509-E anuncia retorno aos palcos

Após 16 anos de pausa, o grupo lendário de rap nacional 509-E anunciou, em entrevista para o jornal Brasil de Fato, que vai voltar aos palcos em 2019. Dexter e Afro-X, farão uma série de shows para celebrar os 20 anos de parceria entre a dupla. A primeira apresentação está marcada para o dia 24 de agosto, em São Paulo, e promete trazer clássicos como Saudades Mil, Mile Dias, Castelo de Ladrão e Oitavo Anjo. No entanto, os rappers já adiantam que esse  é um momento de celebração e não é um retorno oficial do grupo, os artistas ainda continuam suas carreiras solo.

Confira a matéria completa: http://bit.ly/Retorno509E_BF

 

Categorias
Cultura O quê que tá pegando?

Rapper Afro-X celebra 19 anos de carreira e lança vinil do álbum “Um Brinde à Vida”

(Foto: João Wainer | Divulgação)

Por Ana Carolina Pinheiro

Fruto da geração do rap da década de 80, Afro-X começou a sua carreira no grupo Suburbanos. Porém, o jovem que nasceu na periferia da cidade São Bernardo do Campo, na Vila Calux, ganhou destaque e reconhecimento midiático nos anos 2000 ao criar o grupo 509-E. Com o parceiro Dexter e Mano Brown como padrinho, o conjunto nasceu dentro da Casa de Detenção de São Paulo enquanto Afro-X e Dexter cumpriam uma pena de 10 anos.

Em 2003, o grupo acabou, mas as músicas que retratam o cotidiano violento das penitenciárias do Brasil ficaram eternizadas. A partir deste ano, o rapper deu início a sua carreira solo e seis anos depois lançou o livro “Ex-157, a História que a Mídia Desconhece”. A autobiografia revela a sua entrada e saída do crime, além de prestar um serviço de conscientização aos jovens brasileiros que estão expostos diariamente às situações de riscos. Em 2009, o rapper foi para as telonas com o documentário “Entre a Luz e a Sombra”, que conta a trajetória do grupo 509-E, e ainda lançou seu primeiro álbum solo “Das Ruas Pro Mundo”.

Rompendo mais uma vez as barreiras dos gêneros musicais, Afro-X dá uma nova cara para o seu segundo álbum solo Um Brinde à Vida.  Em formato de vinil, o projeto marca o início das comemorações de 19 anos de carreira do artista. Com produção da Vinil Brasil e distribuição do coletivo Matilha Cultural, o público já pode encontrar o álbum no mercado.

No auge dos aplicativos de streaming de música, o rapper explica que o fato do disco ser lançado também como LP é uma forma de voltar às origens. “O vinil foi o jeito que encontramos de conectar o rap à sua raiz musical. Além disso, estamos comemorando os 19 anos de carreira”, comenta.

Se você ainda acredita que o rap é um gênero restrito e que pouco se mistura com os demais, Um Brinde à Vida promete desmitificar essas impressões. Segundo Afro-X, a batida por minuto (BPM) do rap é ótima para dialogar com vários estilos e, principalmente, para usar como base de outras canções.

Com referências de trapmusic e beats eletrônicos, o álbum trás diversidade não só pelos elementos musicais, mas também pelos artistas convidados. Negro Branco (Exaltasamba), Chrigor, Badauí (CPM 22), Felp (Cacife Clandestino), MC Sapão, Ri$hin e Marihanna estão no eclético time de participações especiais. “Eu tinha alguns amigos que queria trazer para o meu trabalho. E a conexão foi da hora”. Afro-X comenta que o resultado dessa mistura é um projeto bem brasileiro e que conversa com a juventude.

Em entrevista à nossa equipe, o rapper também revelou que após longo período distante de Dexter os dois voltaram a ter contato. Para o segundo semestre de 2018, os parceiros musicais vão retomar o trabalho lendário do 509-E. Ou seja, vai ser uma boa oportunidade para o público relembrar os grandes sucessos.