Categorias
Cultura O quê que tá pegando?

Em parceria inédita, MASP e Instituto Tomie Ohtake recebem exposição coletiva “Histórias afro-atlânticas”

A exposição coletiva “Histórias Afro-Atlânticas” fica em cartaz no Masp e no Instituto Tomie Ohtake até o dia 21 de outubro de 2018 (Foto: Divulgação Tomie Ohtake)

Dando continuidade à exposição “Histórias mestiças”, realizada por Adriano Pedrosa e Lilia Schwarcz, em 2014, a exposição coletiva “Histórias afro-atlânticas” será lançada ao público neste sábado, 30, nas duas principais instituições culturais de São Paulo: o Museu de Arte de São Paulo (MASP) e o Instituto Tomie Ohtake. Com os mesmos curadores da mostra de 2014, a assinatura de “Histórias afro-atlânticas” ganhou um reforço com a participação dos artistas Ayrson Heráclito e Hélio Menezes, curadores convidados, e Tomás Toledo, como curador assistente.

O público poderá conferir cerca de 400 obras do acervo do MASP e de coleções brasileiras e internacionais, incluindo desenhos, pinturas, esculturas, filmes, vídeos, instalações e fotografias, além de documentos e publicações, de arte africana, europeia, latino e norte-americana, caribenha, entre outras.

O conteúdo apresentado nos dois ambientes é distinto. No Tomie Ohtake estão os seguintes núcleos temáticos: Emancipações; Ativismos e resistências. Já no MASP os setores: Mapas e margens; Cotidiana; Ritos e Ritmos; Retratos; Modernismos afro-atlânticos; Rotas e transes: Áfricas, Jamaica, Bahia. Em cada núcleo, encontram-se distintos movimentos artísticos, geografias, temporalidades e materialidades.

A exposição coletiva “Histórias Afro-Atlânticas” fica em cartaz no Masp (Av. Paulista, 1578) e no Instituto Tomie Ohtake (Rua Coropés, 88) até o dia 21 de outubro de 2018. Às terças-feiras, a entrada é gratuita nos dois espaços. Já aos domingos, o público tem entrada franca apenas no Tomie Ohtake.