Categorias
Violência Policial

Justiça do Rio absolve PMs acusados pela morte de Amarildo

Por Marina Souza

Os desembargadores da 8ª Câmara Criminal da Justiça do Rio de Janeiro determinaram ontem (13) a absolvição de 4 dos 12 ex-policiais militares da base da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha que foram condenados em primeira instância, no ano de 2016, pela tortura, morte e ocultação de cadáver do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza.

Dois dos absolvidos, Jairo da Conceição Ribas e Fábio Brasil da Rocha, haviam sido condenados a 10 anos e quatro meses de prisão, enquanto a outra metade, composta por Rachel de Souza Peixoto e Thaís Rodrigues Gusmão, fora sentenciada a nove anos e quatro meses. Além disso, o ex-subcomandante da Pacificadora, Luis Felipe Medeiros, que foi preso por articulação no crime, teve sua pena reduzida.

Tânia Rêgo/ABr

Procurados pelo jornal G1, o Tribunal de Justiça do estado disse apenas que o processo está tramitando em segredo judicial e, sendo assim, não é possível informar mais detalhes sobre a absolvição. Foi em meio à onda de protestos calorosos de julho de 2013 que Amarildo desapareceu na Favela da Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro, onde morava, após ser detido por PMs que o levaram à UPP local. O corpo nunca chegou a ser encontrado, mas a Polícia Civil e o Ministério Público afirmam  que ele foi torturado e morto por policiais.