Categorias
Escrita da história

Você sabe o que foi a Revolta do Queimado?

Por Marina Souza

Há 170 anos acontecia a Revolta do Queimado, também conhecida como Insurreição do Queimado, em Espirito Santo, considerada por muitos historiadores como uma das principais ações contrárias ao sistema escravocrata do país naquela época. Conheça agora o que foi esse marco histórico.

As ruínas da igreja Freguesia de São José do Queimado / Foto: Reprodução

“Um fato histórico de tamanha importância devia ser tomado como bandeira de orgulho, conteúdo turístico amplamente divulgado, mas a gente é preto”, são as palavras de Priscila Gama, presidenta do Instituto Das Pretas.

Ela acredita que o motivo do pouco estudo e conhecimento sobre a Revolta é diretamente atrelado ao panorama estrutural do racismo na sociedade brasileira, que invisibiliza os povos negros.

A Revolta

Foi em troca da tão desejada alforria que cerca de 300 escravos construíram uma igreja em Freguesia de São José do Queimado, o frei Gregório José Maria de Bene havia prometido que lhes concederia liberdade se a obra construíssem. O que eles não previam é que aconteceria um descumprimento do trato, a autonomia não viria mesmo após todo o esforço doado.

Enfurecidos com a enganação, negros e negras articularam uma rebelião nas fazendas aos redores. O trabalhadores escravizados foram brutalmente reprimidos pela Polícia da Província, que assassinou muitos deles, a prisão de Elisiário, o grande líder do movimento, demarcou o fim da Revolta, que durou cinco dias e deixou feridos nos dois lados do confronto.

A presidente acredita que entender o acontecimento trata-se de uma recuperação de memória, sendo importante para a fundamentação de uma história apagada pelo processo colonial escravocrata.

 

 

Categorias
Mobilização O quê que tá pegando?

Afropotências: Não só luta contra o preconceito, mas poder para o povo preto!

A primeira de uma série de reportagens sobre pretas e pretos protagonistas no Empreendedorismo, Arte, Justiça e Educação do Espírito Santo e de destaque nacional

 

Lais Rocio, de Vitória/ES
Publicado originalmente no portal da empresa social Atitude Inicial 

Uma negritude protagonista, com poder para ser o que quiser. Não aceita mais ser minoria social, e reivindica ser em todos os espaços a mesma maioria que são no país, onde mais da metade da população é preta ou parda.  Por isso decidem chutar a porta e ocupar tudo. Criam um novo mundo em que a pele preta é força e poder, e não fraqueza.

Fazem tudo isso sob o mesmo solo em que o racismo extermina vidas negras. Por isso resistem e lutam só ao existir, mas não apenas existem: são potências, transformam tudo, valorizam a própria história.

Inventam um passado não só feito de senzala e escravidão, mas de quilombo, capoeira, orixás e África ancestral. Um presente não de violência na periferia, mas de oportunidades pra sonhar e conquistar seja lá o que for com a riqueza, cultura e sabedoria da favela. E um futuro afrofuturista, feito da tecnologia do tambor do funk e do Candomblé, com a criatividade de um povo preto livre.

“A história já colocou a gente num lugar sem valor nenhum, do preto no lugar do escravizado. Essa não é a única narrativa possível.
Quando vejo um professor ou empresário negro fazendo uma revolução na sua comunidade, vejo que não somos só resistência contra o preconceito. Somos potentes mesmo!”,
afirma Jota Júnior, empreendedor social.  

Assim, em revoluções diárias eles invadem a política e os governos, refazem a história do país, da sua cidade ou da sua comunidade. Lotam os palcos, passarelas, cinemas, comerciais e também seus bastidores e produções, valorizando seus traços, vozes e cabelos crespos. Essa mesma negritude toma a frente de negócios e empresas, lidera inovações, criações e empreendimentos. E também transforma museus de arte, universidades, espaços acadêmicos e científicos.

São mulheres negras periféricas, bichas pretas da favela, homens e mulheres trans e travestis, meninas e meninos pretos que ousaram sonhar com esse mundo diferente. Essa negritude inteira, diversa e potente, atua exatamente nos lugares para onde nunca foram convidados. São referência e inspiração justamente aonde nunca se viu um negro liderar, representar, ser dono do dinheiro, ser parte da maioria ou personagem principal. Desafiam sociedades e Estados inteiros apenas sendo o que são, potências negras.

“O problema é que sou preta e ótima. Ninguém conta para as nossas crianças pretas que nós somos ótimas.
Se eu fosse preta e ruim, seria o esperavam que eu fosse”,
reconhece Priscila Gama,
empresária e afroencer digital.

Toda essa realidade existe sim, e é só o começo. Porque ainda hoje, ao mesmo tempo em que vive essa negritude tão rica e potente, homens negros sofrem agressões e assassinatos pela violência policial, mulheres pretas são vítimas de feminicídios, abusos sexuais e padrões de beleza, e as lésbicas, gays, trans e travestis negrxs continuam sendo brutalmente violentados e marginalizados nas ruas.

Assim, todo o empoderamento e representatividade negra são também luta diária, e acontecem inclusive para contrariar as heranças dos quatro séculos de escravidão, no último país da América a abolir o maior tráfico de africanos no mundo, que foi o Brasil.

E quando aboliu, deu um fim sem direito a recomeço. Um regime imensamente doloroso e desumano que acabava sem dar o mínimo de acesso para uma vida digna a partir dali. 130 anos depois dessa falsa abolição, o racismo apenas mudou de endereço. Das senzalas para periferias, atualizou seus autores e jeitos de continuar excluindo e desvalorizando a negritude em todos os lugares e momentos da vida.

“É preciso encarar as sequelas da escravidão. Perdemos as referências, fomos desumanizados. Cada família preta e afrodescendente tinha que ter assistência social e psicológica.”, lembra Flavio Tongo, engenheiro e empresário.

Hoje, pessoas pretas e pardas são vítimas de mais de 70% dos assassinatos no país a cada ano, de acordo com o Atlas da Violência 2018. A pele negra como alvo principal da guerra brasileira se revela cada vez mais, inclusive na violência contra a mulher e a juventude. Tal como disse a vereadora negra e periférica Marielle Franco, pouco antes de ser brutalmente assassinada: “Quanto mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”. Essa é a questão que fica quando olhamos para os dados e suas histórias por trás:

Como reflexo disso, a pele negra também determina a parte mais prejudicada em diversos outros espaços, como nas escolas, hospitais, no mercado de trabalho, mídia, entre outros. 

Com isso, nos dividimos em diversos Brasis com desafios e oportunidades diferentes para cada cor de pele. O Espírito Santo é um dos destaques nacionais na desigualdade racial, onde negros vivem com quase os mesmos riscos de homicídios no 4º país do mundo com mais mortes, a Colômbia, em uma situação bem diferente da população branca:

Fora do eixo Rio-São Paulo, para onde os olhos do Brasil geralmente enxergam tudo acontecendo, a negritude do Espírito Santo transforma essa realidade repartida protagonizando novas cenas, que alcançam potência nacional e internacional. De empresários a artistas, pretos e pretas capixabas mudam rumos do empreendedorismo até a arte, da educação até a justiça.

“Se não oportunizamos e não incluímos os negros em várias áreas de destaque profissional, estamos privando a nação dos nossos melhores nomes também”, afirma o advogado negro e capixaba André Moreira.

Assim, se reerguem dia após dia afropotências como Jota Júnior, idealizador da empresa social Atitude Inicial, que inclusive oportuniza que pessoas pretas e de periferia sejam potencializadas a mudar o mundo e atuar com o que amam. Tal como a empreendedora social e presidente do Instituto das Pretas, Priscila Gama. Ela resolveu criar por conta própria projetos culturais inéditos, dedicados e totalmente protagonizados pela negritude, principalmente feminina.

Também foi assim que a rapper Afari transformou palcos e batalhas de rap em lugares povoados por mulheres negras e periféricas cheias de poder. Com a poesia das suas rimas ela valoriza a identidade preta e periférica, atuando com um sentimento comum entre várias afropotências:

“A nossa juventude está sendo exterminada e escravizada, mas ainda assim conseguimos extrair a beleza, a alegria, o sorriso das crianças o colorido da comunidade. Para nós, o desacreditar das pessoas é um combustível. Podem até desacreditar, mas vão ver nossa evolução através disso. A superação é o mais importante de tudo isso, é o que nos transforma.”

Por outros lados por onde o racismo também tenta calar vozes negras, ecoam os gritos da representatividade. Nas Artes Plásticas, Castiel reivindica seu lugar como bicha preta e periférica. Leva a cultura preta e da favela para dentro dos museus e galerias de arte. O cineasta Izah abre caminho para a representatividade, igualdade e diversidade racial para dentro dos roteiros e direções. Por meio das lentes, conta histórias de empoderamento de várias vidas negras. Assim como o ator Vander Neri, que descobriu no teatro um universo para ser o que quiser: negro, gay, periférico e umbandista, cheio de desejos e sonhos que antes nunca pensou que podia simplesmente imaginar.

Os irmãos, sócios, engenheiros e empresários Ana Paula Tongo e Flavio Tongo transformam o mundo negócios em espaços para que pretos potentes sejam lideranças, e não apenas minorias. E o diretor escolar Elizeu Moreira dos Santos atua em uma escola pública de periferia para resgatar e criar novas perspectivas para jovens negros. Tudo isso também se reflete na justiça para o povo preto, com o advogado André Moreira, que promove acesso à justiça e aos direitos humanos para a negritude.

Todas esses personagens fazem parte da série de reportagens Afropotências, produzidas dentro do Projeto Entalado, feito para quebrar tabus e preconceitos, pela empresa social Atitude Inicial. Ao longo das próximas semanas, vamos contar as histórias, desafios, realizações e sonhos dessas pessoas em diversos espaços de destaque. Aqui, retratamos sua potência no Empreendorismo, na Arte, nas Políticas e Direitos Humanos. A cada matéria, narramos a negritude protagonizando e revolucionando cada uma dessas área de atuação.