Categorias
Genocídio Negro Segurança Pública

80 tiros em uma família negra: de quem é a responsabilidade?

 

Desde o início, por ouro e prata / Olha quem morre, então, veja você quem mata / Recebe o mérito, a farda que pratica o mal / Me ver pobre preso ou morto já é cultural

Racionais

Por Douglas Belchior

O presidente Jair Bolsonaro defende o exército na rua e diz que policial que não atira em ninguém não é policial.

O ministro Sergio Moro defende lei que considera policiais que matam “por equívoco” perdoáveis, afinal, trabalham sob pressão e agem acometidos de forte emoção.

O governador Wilson Witzel parabeniza PMs que cometem chacinas e orienta: A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e… fogo! Para não ter erro”. Segundo o Instituto de Segurança Pública, só em janeiro de 2019 a policia do Rio assassinou 160 pessoas

O judiciário, em especial o Ministério Público, não age ante a eficácia da polícia que, com trabalho de inteligência, apreende 117 fuzis novos e importados num bairro nobre – a maior apreensão da história e sem um único tiro, ao mesmo tempo em que “fracassam” no combate ao crime enquanto entram, prendem, arrebentam e matam praticamente todos os dias, em bairros pobres e favelas. Não se mete, não incide.

Caberia uma pergunta singela, daquelas que precisam viralizar em redes sociais e virar o grande tema de debate nacional:

QUEM MANDOU MATAR EVALDO?

Sim, foram oficiais do exército que dispararam 80 TIROS. 80 TIROS!!! E mataram Evaldo dos Santos Rosa, homem negro de 51 anos, que trabalhava como músico e segurança. Ele ia de carro com a família, acompanhado do filho de 7 anos, a mulher e uma amiga, para um chá de bebê, na comunidade de Guadalupe, zona norte do Rio de Janeiro. E devem ser punidos. Mas não seria necessário também falar sobre a importância da autorização, do estímulo e até as ordens para matar, proferidas por seus superiores? Eles também tem responsabilidade sobre a ação de seus comandados.

 

Evaldo dos Santos Rosa, morto no fuzilamento promovido pelo exército contra uma família negra brasileira

Ouviremos as justificativas de sempre: “Caso isolado”, dirão eles, individualizando a culpa na figura dos recrutas, o lado mais fraco da corda. Talvez fiquem presos por um tempo, até que a tragédia caia no absoluto esquecimento. E tudo continuará como sempre, pelas mãos de outros oficiais sob as mesmas ordens, mortes todos os dias, quem sabe com menos barulho, melhor pontaria e menos gasto de munição. E seguirá a marcha fúnebre, o genocídio negro, permanente, continuado.

Óbvio que políticas de segurança que fazem do povo negro e pobre suas vítimas, humilhadas, presas e mortas não são exclusividade dos atuais governos estaduais e do governo federal. Trata-se de uma carnificina instalada há décadas, por muitos governos. Importante dizer que a banalização dos discursos de ódio fez a situação, que já era ruim, piorar. E é preciso apontar: São responsáveis pelo assassinato de Evaldo e tentativa de assassinato de sua família, amigos e outros afetados, o presidente Bolsonaro, o ministro Moro, a maior parte do Congresso Nacional, o governador do Rio, Witzel, o comando do exército, a grande mídia que apoia essa política genocida de segurança pública e parte considerável da sociedade que sustenta esse governo. São, todos estes, em alguma medida, responsáveis, logo, assassinos também. E o estado, genocida. E devem ser responsabilizados.

Em fevereiro, organizações do Movimento Negro denunciaram Sergio Moro e sua proposta de segurança pública à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, órgão ligado à OEA. Depois disso, há duas semanas, uma comitiva de representantes do movimento negro foi recebida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, onde apresentaram, entre outras, preocupações com as propostas do Ministro Moro que, segundo estes grupos, aprofundarão o genocídio negro. O Movimento Negro deverá levar para além do Brasil, a denúncia de mais esta amostra inconteste do genocídio negro brasileiro.

Minha fraternal solidariedade à família.

 

Categorias
Violência Policial

Justiça do Rio absolve PMs acusados pela morte de Amarildo

Por Marina Souza

Os desembargadores da 8ª Câmara Criminal da Justiça do Rio de Janeiro determinaram ontem (13) a absolvição de 4 dos 12 ex-policiais militares da base da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha que foram condenados em primeira instância, no ano de 2016, pela tortura, morte e ocultação de cadáver do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza.

Dois dos absolvidos, Jairo da Conceição Ribas e Fábio Brasil da Rocha, haviam sido condenados a 10 anos e quatro meses de prisão, enquanto a outra metade, composta por Rachel de Souza Peixoto e Thaís Rodrigues Gusmão, fora sentenciada a nove anos e quatro meses. Além disso, o ex-subcomandante da Pacificadora, Luis Felipe Medeiros, que foi preso por articulação no crime, teve sua pena reduzida.

Tânia Rêgo/ABr

Procurados pelo jornal G1, o Tribunal de Justiça do estado disse apenas que o processo está tramitando em segredo judicial e, sendo assim, não é possível informar mais detalhes sobre a absolvição. Foi em meio à onda de protestos calorosos de julho de 2013 que Amarildo desapareceu na Favela da Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro, onde morava, após ser detido por PMs que o levaram à UPP local. O corpo nunca chegou a ser encontrado, mas a Polícia Civil e o Ministério Público afirmam  que ele foi torturado e morto por policiais.