Categorias
Noticias

Vagas para negros em concursos podem estar entre primeiros itens da pauta na Câmara em 2014

41ad49234a6ad88dcee6d8a69985d70c

Da Agência Brasil

Brasília – O projeto de lei (PL 6738/13) que reserva 20% das vagas em concursos públicos federais para negros e pardos pode ser uma das primeiras matérias analisadas pelos deputados federais quando retomarem as atividades no dia 2 de fevereiro. O texto foi um dos últimos aprovados antes do recesso de final de ano na Comissão de Direitos Humanos (CDH), mas ainda precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça e pelo plenário antes de seguir para o Senado.

Como o texto foi enviado pelo governo com urgência constitucional, o prazo para análise em cada Casa é 45 dias. Assim, o projeto de lei trancou a pauta da Câmara no dia 23 de dezembro sem sequer ter passado pelo crivo do último colegiado: a CCJ.

Leia também

Promulgada lei que cria cota para negros em cargos municipais em São Paulo

Grupo da ONU reconhece racismo como problema estrutural no Brasil

O objetivo do Executivo é garantir a reserva por dez anos. Mas a regra, sugerida pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), valerá apenas quando o texto for sancionado. Para isso, a proposta ainda precisa passar pela análise do Senado, que poderá alterar alguns itens.

Na Câmara, os parlamentares decidiram incluir uma emenda para que a reserva de vagas também seja aplicada na ocupação de cargos comissionados no funcionalismo público. O relator da matéria na CDH, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), defendeu a novidade e explicou que os cargos comissionados correspondem a 70% do quadro de funcionários e, por isso, mesmo sendo ocupados por iniciativa de gestores por um período temporário, “não faz sentido deixá-los fora do alcance de uma política de ação afirmativa”.

Pela proposta aprovada, ainda ficou definido que, dentro da reserva de 20% do total de vagas, 75% devem ser ocupadas por negros que estudaram em escolas da rede pública de ensino.

O projeto defendido pelo Planalto garante que, além das vagas reservadas, os negros também podem concorrer àquelas destinadas à ampla concorrência em concursos para órgãos e entidades da administração pública federal, autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista controladas pela União.

Edição: Talita Cavalcante

57 respostas em “Vagas para negros em concursos podem estar entre primeiros itens da pauta na Câmara em 2014”

Um grande absurdo, hoje os brancos pobres já possuem uma desvantagem de 50% no vestibular além de futuramente terem mais 20% desvantagem juntamente com os orientais, racismo institucionalizado.

Como vai ser? Autodeclaração? Quem vai dizer que eu não sou negro?!?! Vai ter exame de sangue?

Vou dizer o que vai acontecer:
1 – as pessoas vão se declarar negros/pardos;
2 – vão passar na cota;
3 – alguém do Órgão responsável pelo Concurso vai dizer que o sujeito não é “muito negro assim” para ter direito;
4 – o sujeito vai entrar na justiça e vai MELAR o concurso! OU
5 – a justiça vai dar ganho de causa, mesmo não sendo “tão negro assim” e os negros que seriam os verdadeiros ALVOS dessa política pública vão ficar de fora.

PARABÉNS PRESIDENTE e CONGRESSISTAS! É muito mais emprego para advogados, Advogados da União e Juízes. Cadê a urgência para a votação do projeto de lei que estabelece cotas para políticos negros, na gaveta desde 2011? Esse não é votado, certo?!

Os verdadeiros beneficiados serão os negros ricos. Para obter o mínimo em concurso público TEM QUE FAZER CURSINHO. Não tem milagre. Quem pode pagar? Ricos!

Trabalho em um Ministério onde existem quase 100 cargos comissionados. Sabe quantos são negros? NENHUM!!! Pois essa é a política. Quando é para apadrinhar, os políticos fogem das suas pseudo-convicções de compensações.

Lamento dizer, BELCHIOR (permita-me não chamá-lo de negro), mas vocês estão sendo enganados porque essas políticas afirmativas não atingirão os verdadeiros necessitados. E não pense você que os negros ricos, ao atingirem posições com o poder decisório, mudarão alguma coisa.

A Secretaria de Igualdade Racial deveria despender suas energias brigando por Colégios Públicos de ENSINO FUNDAMENTAL e MÉDIO. O efeito multiplicador seria muito maior. Mas isso dá trabalho. É mais fácil colocar em pauta políticas eleitoreiras sem foco. A cada 4 anos, sacam da gaveta um projetinho de lei/decreto para ganhar votos com a pouco esclarecida comunidade negra, que pensa que está sendo aquinhoada com alguma migalha.

Enquanto isso, os seus representantes lá na Secretaria, com seus turbantes e roupas bizarras, estão no ar-condicionado ganhando DAS-4/5/6, rindo de vocês!!!

Prevejo muitas ações judiciais empatando esses concursos com cotas para negros e pardos. Como vão avaliar isso? Por acaso constitucionalizarão vários tribunais raciais que através de entrevistas, medições das feições dos aprovados, avaliação do tipo de cabelo irão declarar quem é negro ou quem é pardo? Criarão uma paleta de cores para comparar com a cor dos aprovados a fim de declarar quem é negro ou quem é pardo? Agora, se for por dados objetivos e incontestáveis, só por meio do teste genético de ancestralidade, o que faria cair por terra essa reserva. Afinal, a grande maioria da população é descendente de negros. Logo, um branquelo, de olhos claros e cabelo liso com ascendência negra tem, como todos os outros de pele mais escura, direito à cota. Esse não é o caminho. Principalmente para empregos e cargos públicos que se utilizam do concurso público, ainda uma avaliação isonômica quanto à cor, origem e sexo do candidato, para o preenchimento das vagas. Apenas concordo com cota social acompanhada de um pesado investimento em educação fundamental para o ingresso em universidades.

Eu realmente não sei o que pensar sobre vagas reservadas para negros após a faculdade. As cotas na educação de nível superior servem justamente para tentar igualar quaisquer desvantagens. Após isso, a ideia não é que estejam todos no mesmo patamar? Então, qual o motivo das vagas reservadas em concursos?

Sou servido público, ano passado um servidor negro começou a trabalhar no meu setor, confesso que particularmente para mim foi estranho, me dei conta que no meu circulo social não haviam pessoas negras. Pegando meu exemplo, de certa forma essa tentativa do Governo de inserir mais negros em funções públicas pode sim ter seu benefício. No entanto, apesar disso sou totalmente contra essa política de cotas em concurso público por vários motivos, o 1º é por achar que serviço público não é lugar para experiências sociológicas e nem para filantropia, o servidor tem que ser o mais qualificado possível, independente da cor, da escola que estudou e da classe social; 2º apesar de acreditar que no Brasil há racismo e compreender o objetivo desse tipo de política, acho que há limites. Não se pode querer buscar igualdade racial a qualquer custo, sobrepondo todos os princípios constitucionais. E os milhões de brasileiros que todos os anos estudam, se esforçam e sonham com uma vaga no serviço público? Onde fica a isonomia e meritocracia? Além disso vejo outros complicadores já levantados nos comentários anteriores como a questão da identificação, quem é negro, quem não é?

Sou concurseiro e os editais sempre dizem que, se vc fizer os mínimos, estará aprovado. Assim, desde que o cotista atinja as pontuações mínimas, ele terá sido APROVADO naquele concurso. NENHUM projeto de lei de cotas que eu conheço diz que a nota para um cotista ser aprovado pode ser menor do que a exigida para a ampla concorrência. E eu acho que algumas pessoas estão equivocadamente pensando assim.

ola, meu filho fez um concurso e acertou exatos 50% o minimo exigido porém ele ñ entrou, e estava inscrito que seria destinado 20% para cotistas depois eu li que além da cota eles tb concorrem a ampla vagas …meu filho ñ entrou, a note de corte dos cotistas foi 50 pontos e a dos ñ cotistas foi 52 mais alta, sendo assim meu filho ñ entrou mesmo, nem fazendo o minimo, eu tb observei que o IBGE divulgou uma lista com 10.192 inscritos e entrou exatos 20% da lista de inscritos e ñ da vagas. Pode conferir ..concurso da marinha…
A pergunta então é:
Cota é 20% das vagas ou 20% dos inscritos????
Rosiméri

Tem cota nas universidades e não existe esse problema que os amigos estão botando acima de ações na justiça, toda lei e todo beneficio tem dois lados, cabe as pessoas olharem para onde querem.

Sobre a meritocracia, me espanta muito um funcionário público falar dela, por acaso desconhece o principio da isonimia, (DEVEMOS TRATAR IGUALMENTE OS IGUAIS E DESIGUALMENTE OS DESIGUAIS, NA MEDIDA DE SUA DESIGUALDADE).

foi o mesmo papo quando teve cota nas universidades para negros, que a media e qualidade iria cair, e o resultado hoje qual é: não caiu e subiu com eles.

A partir do momento que você bota um pobre, um rico, um negro em condições iguais de aprender e executar uma tarefa não tem diferença grande de um para outro, e como colegas ja colocaram, tem nota de corte e um minimo de nota para passar por isso, o resto é somente o principio da isonima em ação, qualquer outra coisa é racismo enrustido.

DENÚNCIA

ALERTA GRAVÍSSIMO: BRASILEIROS ESTÃO SENDO CONTAMINADOS COM DOENÇAS GRAVES POR HAITIANOS E AFRICANOS COMO AIDS, SÍFILIS, HEPATITE C, DSTs e outras doenças!!!!

1. Por favor!! Párem de fazer matéria e propaganda desses haitianos que só trazem doenças contagiosas (aids, sífilis, hepatite, cólera, hpv e dentre outras) miséria, violência, feitiçaria vudu com os seres humanos e etc, e outros problemas que eles trazem para o nosso país através da entrada deles pelas cidades de Tabatinga-Amazonas, Manaus-Amazonas, Brasiléia-Acre e outras cidades situadas nas regiões de fronteira do Brasil.

2. Vocês estão fazendo muita propaganda e dando muito destaque na matéria em favor desses haitianos que foi veiculado no Programa do GUGU LIBERATO no dia 11.11. 2012, domingo.

3. Com toda essa propaganda dos haitianos que vocês fazem aqui no Brasil, eles estão se sentindo melhor do que os brasileiros. Pois eles não páram de entrar no estado do Amazonas e estão se espalhando para todo o Brasil e, conseqüentemente, com isto só aumenta cada vez mais os índices de endemias, violência e miséria no nosso País; pois, além disso, eles se misturam e se confundem com os negros brasileiros!!!

4. Foi observado em Manaus, que quando eles têm uma discussão com os brasileiros, batem no peito e chamam os brasileiros de otários – e analisando bem, nós somos mesmo otários, porque ficamos sustentando eles com o nosso dinheiro, o dinheiro público do povo brasileiro!!!

5. Pôxa vida gente!! Caramba!! Será que já não basta ou vocês não são capazes de perceber o mal que estão fazendo para a população brasileira, inclusive, para vocês mesmo, apresentadores dos programas da Record!!!

6. Será que já não basta a violência alarmante em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Santa Catarina e outros centros urbanos; a miséria, a falta de hospitais, moradia, serviços públicos de qualidade, prisões superlotadas, prostituições, sequestros, abusos contra criança e adolescentes, enchentes, seca no nordeste, enxurradas, terras desabando nos morros do Rio de Janeiro, matança de animais e índios, tráfego de animais, queimada e desmatamento na amazônia e ninguém resolve nada. Parece que vocês não têm outro assunto e só sabem fazer matéria desse tipo para estimular subliminarmente o coitadismo no sentimento mais íntimo dos brasileiros em prol dessa gente que só traz problemas e não acrescenta nada para o nosso país.

7. Eles sabem disto e se aproveitam da situação em detrimento dos pobres brasileiros. O curioso – repito – é que quando eles discutem com os brasileiros, chamam os brasileiros de otários, pois os próprios brasileiros não prestigiam os próprios brasileiros que precisa de tanto estimulo e oportunidade.

8. Vocês querem fazer média de coitadismo, solidariedade e sensibilidade na mídia para população brasileira? Então, leve-os para dentro da casa de vocês com as suas famílias; dê comida, moradia, banho, roupa lavada e depois de um tempo vocês vão vê o que vai acontecer com vocês !!! E vocês ficam fazendo alarde com essa situação em detrimento dos brasileiros.

9. Pois da forma como vocês estão divulgando, fazendo alarde e propaganda a informação – repito – eles estão se sentindo melhor do que os brasileiros e ainda nos chamam de otários.

10. Parece que vocês não têm outro tipo de assunto mais significativo para colocar na pauta das matérias, pois só sabem dá destaque e enfatizar matérias depreciativas como passeatas de gays, lésbicas, homossexualismo, preconceito, discriminação e racismo somente de pretos e gays, em detrimento da decência, dos preceitos familiares e dos bons costumes, do caráter que, não são definidos pela cor nem pela sexualidade; além da falta de inclusão dos indígenas, das crianças e de adultos pobres brancos e mestiços que são a maioria da população brasileira.

11. Se fosse uma criança indígena ou uma criança branca pobre, vocês não fariam uma reportagem e propaganda com tamanha intensidade.

12. O Brasil está sem Lei, sem Ordem, sem Soberania e sem orgulho de ser BRASILEIRO e ainda têm os traidores das pátria como você, GUGU LIBERATO que invés de ajudar os brasileiros a diminuir mais a miséria no nosso País é um dos primeiros a importar miséria, violência e doenças. GUGU, não esquece que o país deles do HAITI tem um índice de 95% (nove e cinco por cento) de AIDS fora as outras doenças. É o 2º país mais contaminados por AIDS depois da África.

13. Vocês acham pouca a violência, as calamidades e tragédias que o Brasil passa!! Vocês ainda querem importar a violência, miséria e doenças fazendo matéria de coitadismo desses haitianos que não páram de entrar no Brasil sem nenhum controle, pois eles entram e saem quantas vezes quiser e ninguém barra esses haitianos. E vocês, também, estão contribuindo com isso, pois estão fazendo propaganda positiva deles, depreciando e degradando cada vez mais o nosso Brasil. O governo Federal não está nem aí para esse problema, embora tenha conhecimento desses fatos. Com isto cometem descaso e omissão com a SOCIEDADE BRASILEIRA!!

14. Aqui no amazonas eles já estão traficando, estrupando e matando e isto é só o começo e vai se espalhar para todo o País. É isso que vocês querem??!! AH!! E se não for feito nada, eles vão se juntar com o crime organizado no nosso País. Se as Autoridades do nosso País continuar fazendo descaso e omissão com esse problema, vai acabar virando um caos.

Atenciosamente,

Cidadã Brasileira, de Manaus !!!

Manaus-AM, 11 de novembro de 2012, domingo.

Estás preocupado com os Haitianos, um número ridiculamente inferior do que os italianos que chegaram aqui há mais de 100 anos, porque queriam embranquecer o país, que tal falar também dos brancos que chegaram aqui depois da segunda guerra mundial? Por que que a imigração branca no Brasil pode ter mais direito que outros povos como os Haitianos ou africanos?

Estás preocupado com doenças? Achas que o povo brasileiro é menos doente que o povo haitiano e os africanos? Que tal falar dos índios que metade deles foram exterminados como consequência das doenças que os europeus trouxeram aqui? Ou estas vidas,a dos índios, não vale nada?

Dizer que a sífilis e a AIDS é coisa de Haitianos e africanos parece ser mais uma prova de racismo do que verdade. É preciso não esquecer que a AIDS no Brasil foi introduzida pelos homossexuais brasileiros vindo de São Diego, Califórnia, EUA, possivelmente a terra que você ama e muitos racista aqui como você devem amar.

Dizer que a aids foi introduzida por homossexuais no Brasil é, além da ignorância científica e ética, rebater um argumento preconceituoso com outro mais preconceituoso ainda, essa mania que negros vítimas de preconceito tem de atacar quem os ataca, acusando-os de homossexualidade, é só uma forma complexada e antiética de desviar covardemente o dedo que a sociedade excludente lhes apontam pra outro grupo social ainda mais discriminado, e dessa forma se sentir melhor inferiorizando outros, em nítida contradição, até por que a sexualidade humana não escolhe cor, assim como entre brancos, pardos, asiáticos e indígenas não faltam negros homossexuais . ´Ps: Independente de qualquer juízo moral preconceituoso a ciência atual converge para o entendimento que a aids veio do continente africano.

Os negros sempre foram desfavorecidos aqui no brasil e é muito dificil ver um negro ocupando cargos altos e de respeito, inclusive na política. Sei que o sistema de cotas gera pensamentos preconceituosos, porém é um passo que o Brasil deve dar por um tempo para igualar a sociedade e acabar com o real preconceito que ainda existe nas ruas.
Se alguns negros ocuparem cargos altos, o preconceito no brasil começará a diminuir.
também sou contra o sistema de cotas para negros, porém vejo muito beneficio para a sociedade brasileira se aplicado por um tempo.
(nos estados unidos existiu essa aplicação de cotas e hoje em dia, os negros nos EUA ocupam cargos altos, então diminuiu o preconceito de que todo negro é ladrão e pobre… lá existe outro tipo de preconceito que não se aplica aqui no brasil… o preconceito que se aplica aqui no brasil, pelo menos lá, se extinguiu ou diminuiu)

Pois é… mas até quando vai ser essa equiparação, vai ser pra sempre? depois de 300 anos ainda, ou você acha mesmo que depois de ter esse beneficio adquirido vai ter como voltar atras depois de algum tempo?

Minha mulher está há 10 anos prestando concursos, matando-se de estudar, porém sem sucesso. Pois estou tentando convencê-la a, no primeiro que vier a ser realizado sob regime de cotas, declarar-se negra.

Afinal, quem haverá de negar? A não ser que o edital institua uma banca encarregada por comprovar, “cientificamente”, a que “raça” pertencem os candidatos – o que prefiro acreditar que não será o caso…

Sinceramente não entendo bem os negros que ficam falando coisa do tipo: “ralar, “estudar”. Minha gente o segredo é maior do que se possa imaginar, o sistema “branco” vive da exclusão dos negros. É a lógica do sistema. Tem que ter cota sim. Sou Técnico graduado no serviço público, e você pode até entrar, mas os caras não deixam você se locomover. Tem uma coisa contra a qual ainda não conseguimos mecanismos eficientes de combate: O CINISMO e a HIPOCRISIA, que são as armas mais usadas pelo sistema de exclusão no Brasil.

É um absurdo. Estão oficializando o racismo no país.
Enquanto na África se lutou por igualdade de raças, aqui se luta por privilégios. Isso é que está virando o Brasil. Uma afronta a CF/88.
Essa secretaria de “igualdade racial” deve ser extinta.
Lamentável que congressistas apoiem isso.

Existem normas trabalhistas de proteção do trabalho da mulher, em que são concedidos alguns benefícios às mulheres que não são estendidos aos homens. Isso se chama isonomia.
O que você me diz, vamos também lutar contra os privilégios que essas mulheres resolveram ter?

ESTÃO TODOS ERRADOS!!! Nem afroativismo, nem brancoativismo, nem PORCARIA nenhuma, essa discussão é inútil, pois foca o lado errado da questão. Cotas, reservas de vagas e o escambau a quatro afirmam a ineficiência da edução no Brasil, confirmam que nossa política é cretina, hipócrita e elitista e TODOS nós elegemos ano após ano essa corja de ladrões. Majoritariamente não somos politizados e pelo visto caminhamos lentamente para a consciência de nossos direitos e deveres políticos. Sou negra e não concordo com isso, quero ensino de qualidade, sistema de saúde eficiente, segurança, lazer, cultura…quero sentir orgulho desse país.

Espero que você consiga um dia se orgulhar do Brasil, país que não se orgulha de ter entre seus cidadãos – de forma velada, claro – mulheres negras.

Os discursos são bonitos, apaixonados, as vezes ingênuos. Mas todos, olhem ao redor, olhem pros lados. Existe uma coisa que nenhum, ninguém de qualquer das partes pode negar: o Brasil é RACISTA, privilegia os ditos BRANCO (ou seja é um sistema branco não necessariamente puro em termos raciais, por questão óbvias, o Brasil é majoritariamente miscigenado). Contudo, no dia a dia, os que são “identificados” como NEGROS sofrem injustiças. E os que não são (identificados como NEGROS) terminam tendo privilégios, que aliás, verdade seja dita, muitos não se dão conta dessa situação, daí boa parte da população achar que pode haver uma disputa isenta, justa entre pessoas que estão (na prática) em situações diferentes. Por isso entendo que para corrigir essa distorção histórica devam ser implementadas políticas de ação afirmativas. A grita é natural, porque ninguém gosta de ceder.

engraçado que quando há prova e vestibular, todos fazem a mesma prova, seja branco ou negro, quem for mais preparado passa… ngm é impedido de fazer o concurso por ser negro.

Olavo acha que somos ingênuos. Ingênuo é achar que as cotas vão resolver o problema. Pelo contrário.
É romântico demais achar que o Brasil é racista dessa forma. Talvez possa até ser, quando você diz que “privilegia os ditos BRANCO”. Você é o primeiro racista. Não é diferente dos “outros” racistas que você diz existir a cada esquina.
Fica um discurso bonito, apaixonado, idealista. Mas é mais fácil, né?! É mais conveniente atribuir o insucesso à perseguição. O problema que você não quer ver é o TOTAL abandono de políticas públicas para um ensino básico de qualidade.
O que falta a esses militantes é gastar energias para aquilo que realmente vai funcionar: ESCOLAS PADRÃO FIFA. Cotas para pobres nas Escolas Públicas de qualidade como a Aplicação da UERJ ou Colégio Pedro II no Rio de Janeiro. O efeito multiplicador é muito maior.
O meu orientador de Mestrado é negro. Foi trocador de ônibus em Porto Alegre, mas se formou em Engenharia, fez Mestrado, Doutorado em Londres e Pós-Doutorado em Berlim. ELE É TOTALMENTE CONTRA AS COTAS! Me explica isso, Olavo!
Fica de olho, Olavo, para não gastar palavra à toa. É preciso ter foco!

isso se chama principio da isonimia e é lei caro amigo, infelizmente os que opõem resistência, que tanto dizem estudar, esqueceram essa parte

Por isso esse pais nao da certo,Em breve teremos um bando de semi-analfabetis saidos da pessima escola publica na administracao publica.
Meritocracia 0

Não, Sérgio, para passar em concurso público é preciso atingir a nota mínima. Em nenhum momento foi dito que essa nota mínima será diferente para os cotistas.

O argumento em função do qual se admitem cotas nas vagas em universidades não é fundado apenas na ideia de isonomia, mas também no princípio constitucional da autonomia universitária (provavelmente se inspirou em algum debate travado nos EUA a esse mesmo respeito, malgrado as patentes diferenças entre os sistemas de ensino aqui e lá). É mais ou menos assim: há efetivamente uma diferença social relevante que pode ser colmatada por ações afirmativas, e como as universidades têm autonomia para fixar seus estatutos e regimentos, se decidirem criar cotas, a medida não será inconstitucional ou ilegítima. Transportar esse tipo de argumento para o preenchimento de cargos públicos é muito difícil, e, para mim, inaceitável: o cargo público deve ter ser preenchido mediante ampla concorrência por pessoas que se mostrem idôneas a realizar as atribuições do cargo com competência (isso é de interesse público). Admite-se, é fato, a cota para deficientes, que é mais justa, haja vista ser nítida a maior dificuldade dos portadores de necessidades especiais para atingir os mesmos níveis de competência dos demais candidatos (ainda que isso não seja sempre e necessariamente verdadeiro). Agora, com os nossos caros compatriotas afrodescendentes é muito complicado: é presumir que há um hiato social entre pessoas já plenamente formadas, muitas vezes com nível universitário, em função da cor da pele. Com medidas que tais, perde a sociedade brasileira, infelizmente. Com todo o respeito e o reconhecimento que temos que ter para com nossos irmãos brasileiros de ascendência africana, essa específica política pública me parece não sobreviver ao crivo da proporcionalidade.

Justificam que as cotas seriam para “compensar o regime de escravidão”. Aduzem que “O Brasil não teve essa sensibilidade com o povo negro, por isso defendemos cotas…”.
Em verdade, punem os brancos brasileiros do ano de 2013, sobretudo os pobres, por um regime infeliz (findo há 125 anos) que os próprios negros africanos, ironicamente, impuseram aos portugueses.
Neste sentido, veja o que constatou o jornalista e escritor LEANDRO NARLOCH, na obra GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DA HISTÓRIA DO BRASIL: “Com a venda de escravos, alguns reinos africanos viraram impérios, como o reino de Kano, na atual Nigéria. Quando os portugueses chegaram à região, em 1471, para comprar ouro direto da fonte em vez de obtê-lo por intermediários árabes, Kano já era um território enriquecido havia um século pela venda de ouro, escravos, sal e couro. Em outras regiões, a escravidão era uma cultura estabelecida com tanta força que camponeses pagavam impostos ao Estado central usando escravos como moeda. Esse sistema facilitava a obtenção de escravos que seriam vendidos a europeus, Americanos e árabes. Para conseguir comprar ouro nessa região, os portugueses precisaram arranjar escravos como moeda de troca. Estima-se que, entre 1500 e 1535, eles compraram cerca de 10 mil cativos no golfo do Benin apenas para trocá-los por ouro na própria África. Entraram em contato com os costumes locais e se tornaram escravistas”.
Hoje negros haitianos e africanos imploram para viverem no Brasil, viajando até mesmo clandestinamente em porões de embarcações. No futuro, os brancos brasileiros também pagarão a conta por isso?
Pena que os países europeus não considerem tamanha discriminação com sua descendência antes de investir no Brasil.

Márcio, sou Técnico especializado no Serviço Público Estadual (Nível Superior – Formado pela PUC). Nunca usei cotas para nada. Dado as condições, bem sucedido em meu emprego, respeitado por colegas e publico alvo de atuação. Muito bem remunerado. Só que isso não me impede perceber o que ocorre. Minhas questões não atingem em qualquer momento nível pessoal, nada disso, nem devo nem pretendo te ofender, irmão. Nem mesmo levar essa discussão para o nível político-partidário (PADRÃO FIFA!!!). Pelo visto você é de Porto Alegre. (Estado sulista). A questão é não nos prendermos a soluções individuais (OLAVO, MARCIO, ETC). Estas devem ser de massa, de regra.Se olhasse a questão a nível individual, nem estaria aqui conversando com você. Não é disso que falo, irmão!

Tu só falar asneira Olavo. Então negro pobre é “injustiçado” e branco pobre é o que? vagabundo? Onde fica o mérito? A qualidade do serviço publico? Por que as empresas cada vez mais privilegiam a qualidade profissional e o estado tem que dar vagas para pessoas simplesmente porque a cor da pele é escura? Se tantos negros entram no serviço publico bem posicionados, por que razão há que se dar vagas para quem tem pior aproveitamento? Pra quem demonstra um bom nivel intelectual, aparentemente, causa estranheza que não defenda, por exemplo, a melhoria do ensino publico de base, já que é claro que melhorando o ensino dos pobres os negros serão beneficiados, pela famosa frase “a maioria dos pobre é negro”.

Se os que são a favor de cotas deixassem de hipocrisia, fariam um fundo para patrocinar cursinhos para que os negros pudessem concorrer em igualdade de condição. Mas os palhaços de plantão, à exemplo dos defensores da “adoção de cães” (que querem a adoção dos outros, mas o seu cão ele compra no pet), só querem fazer justiça social até onde ele não seja responsavel.

Olavo, eu não me senti ofendido. E eu também não sou do Sul, o que seria irrelevante.
Aliás, parabéns pelo seu sucesso.
Acho que o nosso debate é valido para tentarmos chegar a um senso comum.
E o senso comum aponta para nos esquivarmos dessas políticas afirmativas enganosas. Se esquecermos essa questão racial e brigarmos por uma benesse comum, pro seu filho, pro meu filho, seria muito mais produtivo.
Defender cotas raciais para concursos é como participar de um sorteio de uma ferrari (não significa que vai ganhar) sem saber sequer ler para aprender a dirigir. Se ganhar, não terá dinheiro para o seguro, IPVA e gasolina. É uma enganação!
Não podemos cair nestas armadilhas que apenas desviam o foco do problema que é a EDUCAÇÃO DE QUALIDADE.
É isso, amigo.

Uma “Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial” que parece defender só privilégios para negros, embora custeada por impostos pagos também por brancos e índios. Sendo assim, seria mais honesto e probo que o nome da tal secretaria fosse: “Secretaria de Políticas de Promoção de Privilégios para Negros”. Pena que os países europeus não considerem tamanha discriminação com sua descendência antes de investir no Brasil. Raramente ou nunca se vê um albino no serviço público e o governo do PT não está nem um pouco preocupado, devido aos poucos votos que essa preocupação renderia. Se fosse cotas para brancos, com certeza a secretária da tal igualdade racial e os parlamentares já estariam sendo processados por racismo.

O grande problema das cotas, bem como das políticas assistencialistas em geral, é que estamos criando uma sociedade de fracos, de viciados em esmolas e muletas. Ao invés de buscar superar suas próprias adversidades, busca-se o atalho, o caminho mais fácil. Isso não torna uma população mais competitiva e produtiva, ao contrário, criamos mais coitadismo. “o negro foi escravizado durante 300 anos. – Coitado, vamos dar cotas para eles.” Onde fica a superação, a vontade de crescer e superar barreiras?
Se olharmos bem para outros grupos que sofreram discrimanções e perseguições durante a história, como os judeus e os asiáticos, vemos que estes conseguiram superar suas adversidades, mas não precisaram de muletas nem esmolas, simplesmente criaram uma cultura do trabalho e poupança e hoje estão entre os mais ricos do mundo.
Dar cotas para qualquer grupo, seja para negro, mulheres ou qualquer outro, é simplesmente tirar-lhes o desejo de vencer pelo próprio esforço e de perseguir o mérito. Além de nivelar todos por baixo. Quando a lei for aprovada e vermos um negro numa repatição pública logo pensaremos: é um cotista, está aqui não por competência, mais por coitadismos. O tataravô dele foi escravizado e ele coitado precisa da ajuda da sociedade, por que sozinho é um incapaz.

Então ficamos assim, normal, porém uma curiosidade, quanto os brancos pobres, também terão garantidas a proporcionalidade de vagas dada sua condição de pobre???

Se afirmativo apoio a ideia de cotas, se não, sou CONTRA !!!

Abraços

Clovis Eichler

Ola,
aos euro-brasileiros,
o processo competitivo
para os brancos e asiaticos
ira se intensificar o resultado
serao brancos e asiaticos
estudando mais e mais
é engraçado mas no fim essas politicas
fortalecem os brancos:
1-Indentidade branca aumentando
2-Estudar mais para competir com outros brancos e asiaticos
(principalmente asiaticos esses são bons são os unicos concorrentes
reais dos brancos nem arrego pedem são muito inteligentes e trabalhadores)
3-Desconfiança maior e maior do govermo (vide manifestações)
4-Livre iniciativa entre os brancos ira aumentar

resultado: mais unidos, mais instruidos, mais independentes do governo
menos missigenados pois agora terão unidade…estas politica ajudam os negros fortacendo suas identidades, mas ajuda prinicipalmente a nos brancos a fortalecemos
nossa identidade, agora nos veremos como brancos e poderemos pensar como unidade.

Aos brancos eu digo estudem mais e mais
vamos buscar representantes para nós,
votar somente em brancos e criar nosso
nixo representativo e isso podemos
pois somos nada menos que 90milhoes!!!
somente no sul somos (27 milhoes!!!!)
aqui nao é a africa do sul podemos
ter representatividade.
Estas politicas no fim vao nos organizar.

saudações ao euro-brasileiros e meus respeitos
aos afro-decentendes.

No caso de cotas para negros no ingresso a universidade eu fui a favor por achar que o estudo é uma ferramenta básica que todos, inclusive um grupo social com débitos históricos como os negros, precisam para melhorar a própria vida e mudar a sociedade, mas cotas para concurso público, sou inteiramente contra. Quem conhece a realidade de concursos públicos sabe que 90% ou mais de sucesso se deve ao estudo tenaz e solitário de cada candidato, cursinho é importante só para iniciantes, que com um certo esforço um negro ou branco pobre pode conseguir, existe farta oferta de material de estudo na internet, fóruns, aulas tira-dúvidas, resoluções explicativas de provas, inclusive de graça. Quando a pessoa é aprovada em concurso, o que importou foi sua nota na prova de seleção e mais nada, a quase totalidade dos concursos segue critérios objetivos, poucos são os que pedem prova oral (alguns poucos de juíz) onde se poderia ver a cor de uma pessoa, em quase todos os concursos ninguém ver cor de ninguém o que vai valer é a nota. Esse projeto de lei demonstra demagogia política e ignorância da realidade dos concursos e concurseiros que estudam tenazmente e pesquisam constantemente na net, um esforço solitário de longo prazo, que vai ser ofendido por um projeto inconstitucional que só vai aumentar a injustiça e o ódio racial, a igualdade descida como uma camisa de força não é igualdade é só uma nova forma de gerar injustiça social.

“…um projeto inconstitucional que só vai aumentar a injustiça e o ódio racial…”

Sou branco, concurseiro há 2 anos com foco em tribunais, e de forma alguma passarei a odiar pessoas negras e afrodescendentes que venham a ingressar no serviço público via cotas. Pelo contrário, fico contente que elas existam.

Amigo, louvo a sua boa vontade e compartilho dela, mas isso não muda a injustiça desse mecanismo de cotas, no caso dos concursos, e nem os seus efeitos em muitas mentes menos propensas à tolerância. Espero de coração que as cotas para as universidades produzam efeitos positivos ao longo do tempo, formando indivíduos cada vez mais capazes que ajudem a comunidade negra a superar esse inegável fosso histórico.

Que legal, daqui a pouco teremos banheiros só para pretos e pardos, restaurantes com áreas reservadas para pretos e pardos, bancos nas igrejas reservados para pretos e pardos, assentos de avião para pretos e pardos, poltronas de cinema para pretos e pardos, e por ai vai…Tudo dentro da “cota”!

Errado! Penso que a melhor forma de se promover a igualdade de concorrência, é oferecendo invariavelmente condições técnicas e de educação desde sempre para todos, onde aqueles de pouco oportunidade financeira poderiam ascender a partir do bem educacional. O que se promove com essa expectativa de cotas em concursos, é simplesmente a institucionalização do racismo, praticado portanto pelo próprio Estado.

procure se informar que vera que existe planejamento que vem desde 2005 caminhando nesse sentido que você falou, algumas medidas são para efeito imediato, como esse, tem outros projetos a médio e longo prazo que inclusive já estão em curso, mas naturalmente demora-se a obter o resultado.
Um gigante como o Brasil não faz manobra do dia para noite, em um país de preconceito enraizado, que a 100 anos atrás tinha escravos e só os aboliu porque não era economicamente viável. medidas como essas são poucas.

Pra mim é bem simples, separa-se a população e tira-se media de classes:
20 estudou em escola particular, então 20% das vagas para particular,
30% para negros ou pardos (uma vez que mais de 50% do país é negra ou parda)
50% para alunos de escola pública
Isso para cargos de nível médio, é bem simples e prático e seguindo uma coisa que na CF chama-se principio da isonomia.

qlq outra coisa é discurso racista enrustido.

Hipocrisia de uma presidenta e de um Congresso aloprado em descompasso com a população. Por que em regime de urgência? A ausência de debate com os cidadãos é vergonhosa.

regime de urgência para a lei não ficar trancada anos a fio, como a de imposto sobre grandes fortunas que desde a CF de 88, esta a espera da lei complementar para regular.

Procure se informar melhor, quem realmente quer debater saberá que tem os caminhos por onde fazer, reclamar sem pesquisar é fácil….

Tem cota nas universidades e não existe esse problema que os amigos estão botando acima de ações na justiça, toda lei e todo beneficio tem dois lados, cabe as pessoas olharem para onde querem.

Sobre a meritocracia, me espanta muito um funcionário público falar dela, por acaso desconhece o principio da isonimia, (DEVEMOS TRATAR IGUALMENTE OS IGUAIS E DESIGUALMENTE OS DESIGUAIS, NA MEDIDA DE SUA DESIGUALDADE).

foi o mesmo papo quando teve cota nas universidades para negros, que a media e qualidade iria cair, e o resultado hoje qual é: não caiu e subiu com eles.

A partir do momento que você bota um pobre, um rico, um negro em condições iguais de aprender e executar uma tarefa não tem diferença grande de um para outro, e como colegas ja colocaram, tem nota de corte e um minimo de nota para passar por isso, o resto é somente o principio da isonima em ação, qualquer outra coisa é racismo enrustido.

Acredito que Negros deveriam pagar menos impostos, e ganhar gratificação do governo.

Absurdo? Não sei. Só sei que os idealizadores das leis devem ter suas razões em tomar alguma vantagem.

Infelizmente. Ser pobre é ruim, logo vou dizer, ser pobre e branco é péssimo. Ser pobre branco e magro é azarado demais, nem serve para sentar em banco reservado em trem, metro ou ônibus.
O fato é… rezar para ficar idoso logo para tirar proveito como idoso.

Racismo hoje é ofender, mas quando é beneficio não é racismo.

pronto ! desabafei ! E que venham mais leis !
Sugestão
Brancos deveriam pagar imposto pela cor, não acha? Quem mandou nascer branco.

Sacanagem. Isso já é discriminação contra o branco. Então abre um concurso com nove vagas, uma para cada cargo, faz-se um sorteio para ver qual vaga vai ficar reservada para os negros e os brancos perde o direito de concorrer aquela vaga se estiver negros inscritos? Esta certo isso?

A área onde somente houver a oferta de vaga reservada também receberá inscrições de candidatos
que desejam concorrer na ampla concorrência. Os candidatos assim inscritos, porém, FICAM CIENTES de que
a preferência para o provimento da vaga ofertada será sempre do candidato que se inscreveu para concorrer
à vaga reservada, podendo eventual vaga que vier a surgir no prazo de validade do certame ser destinada ao
candidato que se inscreveu e foi aprovado na ampla concorrência.

Saiu assim no edital para concurso na qual só tinha uma vaga para o meu cargo e essa vaga foi sorteada para vagas reservada para pretos e pardos. A lei fala 20% das vagas reservadas no concurso publico e não no cargo. Isso prejudica os demais. Pois se só tem uma vaga para cada cargo mais o concurso oferece 3 uma vai ter que ser reservada, sendo injusto para pessoas branca que quer fazer para esse cargo. Como aconteceu comigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code